Pacheco Pereira tem e não tem razão

Pacheco Pereira tem razão: encontrar nas operações de resgate do BPN ou do BPP a prova de um “regresso de Marx” é puro disparate: se alguma coisa estas operações provam antes, é a permanência de Marx (e de Lénine) e do capitalismo monopolista de Estado: a intervenção dos poderes públicos na economia tem obviamente sentidos diferentes consoante a natureza de classe do Estado e o Estado português que José Sócrates representa, para utilizar a linguagem “sem ironia” de Marx, não está a construir o socialismo, está a servir o capital.

Mas Pacheco Pereira não tem razão: como ele não pode deixar de saber, o pretendido “regresso a Marx” não se esgota nestes casos mais ou menos anedóticos, nem noutros semelhantes mundo fora, longe disso: o cíclico “regresso a Marx” tem que ver com a natureza igualmente cíclica das crises de sobreprodução do capitalismo e com o seu carácter contraditório, que pode assumir (e assume) facetas novas, mas resulta sempre, em última instância, da famosa contradição principal entre a apropriação privada dos meios de produção e o carácter social da produção.

Pacheco Pereira pergunta porquê regresso a Marx e não a Proudhon, Bakunine ou Leão XIII, mas Pacheco Pereira sabe a resposta: porque para perceber o capitalismo e as suas crises todos estes são irrelevantes e Marx não é.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Pacheco Pereira tem e não tem razão

  1. O Pacheco Pereira é um comunista Envergonhado-y-Cobiçoso, ainda não perceberam… Pois. Mas é!

  2. quatro_tempos diz:

    OOOOOOOOOOOOOOOOO………..
    se percebemos………… e o Paulinho das feiras também…. ehehehe !!

  3. ezequiel diz:

    Caro António,

    ” contradição principal entre a apropriação privada dos meios de produção e o carácter social da produção.”

    pois, só que os meios de produção daqui a dias são de graça, free, grátis…happy go lucky!! é só mais uns aninhos. tem calma António: o que permanece, verdadeiramente, é o insuperável Marx das análises da criatividade do capitalismo…go figure!! não digo mais nada. esta é a crise do sub sistema banking…o valor está a deslocar-se para outro domínio….LOL LOL O capitalismo mudou? Sim. Claro. Os bankers são muito lentos.

    Vocês acham q foram os bancos de investimento e afins que geraram mais capital no sistema??

  4. eh ehe heh Agora é o Paulinho “Eucalipto, seca tuda à volta” ( alguém dise, não recordo quem …) eh e hehe

  5. Crab diz:

    “Pacheco Pereira pergunta porquê regresso a Marx e não a Proudhon, Bakunine ou Leão XIII, mas Pacheco Pereira sabe a resposta: porque para perceber o capitalismo e as suas crises todos estes são irrelevantes e Marx não é.”
    Pois, Marx já dizia isso de Bakunine, considerando que só o seu socialismo era “científico”, ao contrário dos outros. Viu-se. Só que Bakunine adivinhou, descreveu bem, aquilo em que iria desembocar o socialismo de Marx. É por isso não só relevante para perceber o capitalismo como também o Marxismo.

Os comentários estão fechados.