O Natal dos malucos

O Público perguntou a umas quantas criaturas como seria hoje uma segunda vinda de Cristo à Terra. Catarina Moreira, socióloga e membro da UMAR, respondeu da seguinte forma: «Não sou crente, mas se Jesus viesse agora, teria de assumir uma fisionomia que representasse todas as minorias. Seria mulher, negra e lésbica. Mas também podia ser um ser andrógeno, que fosse imperceptível perceber se era homem ou mulher, que esbatesse todas as diferenças de género.»
Diria mesmo mais: seria anão, maneta, filho adoptivo de um casal cigano e vítima de maus tratos na infância. Depois de crescido, este Cristo dos novos tempos nunca expulsaria os vendilhões do templo, preferindo montar ali a sua barraquinha de terapias holísticas. Só consagraria pão confeccionado com farinhas isentas de transgénicos e multiplicaria peixes com o único intuito de os devolver à Mãe Natureza. Acabaria certamente por se revoltar contra a autoridade patriarcal e fascizante do seu Pai; em vez de ser crucificado, juntar-se-ia aos apóstolos e acabaria os seus dias a tocar djambés, virar garrafas de Teobar e fumar charros no Chiado.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a O Natal dos malucos

  1. Y era do SPORTING! Olé!

  2. António Figueira diz:

    As declarações de Catarina Moreira fazem-me lembrar uma velha boutade machista dos anos 70, segundo a qual as mulheres seriam a maior das minorias sexuais em circulação.

  3. Saloio diz:

    Gostei, LR.

    Bom Natal.

    Digo eu…

  4. E não escreveria no jugular? 🙂

    (De Puta Madre, tu és o máximo! Bom Natal para ti.)

  5. Ricardo Santos Pinto diz:

    E anão?
    Podia ser anão?

  6. Ana Cristina Aço M. diz:

    Ó Luís Rainha, não resisto a escrever; acho que estás certo (e Catarina Moreira também).
    Conferir Mateus 25. 44-45. Mas não concordo quanto aos vendilhões do templo. Esse é um momento alto de Jesus ‘à esquerda’.
    Pode lá o lucro tomar lugar no coração humano?

    Teria algo a dizer sobre essa ‘autoridade patriarcal’…mas faço só a ressalva…. afinal, Natal é sobretudo um dos momentos de identificação com o homem, mulher, os andrógenos e outros mais.

    Bom natal.

  7. Luis Rainha diz:

    RSP,
    Já levou com um milagre ao contrário e encolheu um bom palmo e meio.

  8. Ana Cristina Aço M. diz:

    Acrescento; a existir uma segunda vinda (na linha do tal inquérito), a chave está aí, no que foi dito pelo Luis, pela Catarina, e no que o próprio Jesus disse e que se pode ler em Mt 25. 31-45. E veja-se quanta gente isso inclui!!!! (os excluídos)
    O vs 46, não fui verificar mas bem pode ser um acréscimo posterior, bem comum nos textos bíblicos, e em Mateus em particular. Também não se deve interpretar tudo à letra! Mesmo!)

    Só mais uma coisinha, se Jesus juntar-se-ia aos apóstolos, incluiria aí as apóstolas e discípulas…é que, ao que parece, elas existiram mesmo ao tempo do tal Jesus Cristo. Uma certa tradição ‘masculina’ posterior é que tratou de eliminá-las do cenário ou torná-las irrelevantes (por vezes até, sem moral)
    (Nota. Nada a ver com um certo livro e escritor que muito sucesso fazem por aí. Aliás, nem o li).

  9. Obrigada, Filipe. Boas Festividade para ti tb, y quen fiquemos num Cristo com o SCP mais um ano 😉

Os comentários estão fechados.