Grécia 8: O Reichstag pode sempre voltar a arder

A extrema-esquerda extra-parlamentar não desiste de derrubar na rua o Governo grego, sufragado nas urnas. Ainda para mais com o cínico pretexto de vingar a trágica morte de um adolescente morto por um polícia, o que não justifica um só dos múltiplos actos de vandalismo já cometidos em Atenas e que ameaçam, por mero efeito de contágio, incendiar outras capitais europeias. Como já aqui referi, é totalmente inaceitável que a rua se substitua ao voto: os extremistas não podem contar, em circunstância alguma, com o apoio de quem acredita nas virtualidades do sistema democrático. Os que encolheram desplicentemente os ombros quando viram o Reichstag a arder em 27 de Fevereiro de 1933 foram tão culpados pelo crime de lesa-democracia como os que lhe lançaram fogo.
Pedro Correia, Corta-Fitas

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.