Baptista-Bastos continua a fazer de conta que não é nada com ele…

… e continua a vergastar a malta que comete o supremo pecado da «abdicação da consciência em nome da subordinação às estratégias de momento; da vassalagem; das pequenas trocas de favores.» Continua a verter graçolas altaneiras sobre todos os que não atingem o Olimpo dos seus famosos valores: «carácter» e «integridade». Agora, são os deputados faltosos, amanhã, sabe-se lá. Ele continua a sonhar que não sabemos que o poleiro da sua superioridade moral não passa de um recanto no favor dos poderosos. Só me apetece sussurrar uma fórmula que imagino mágica para afugentar estes sacos de vento pomposos e patéticos: bardamerda!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 Responses to Baptista-Bastos continua a fazer de conta que não é nada com ele…

  1. M. Abrantes diz:

    Com algum jeito o Luis tinha escrito Bardamerda para o fascista…

  2. F. Ribeiro diz:

    Altaneiro continua o Dr. Sampaio sem que haja um bardamerda de um jornalista que o questiona sobre a casa geral.

  3. Pingback: De facto…. (2) « BLASFÉMIAS

  4. teofilo m. diz:

    Tive pena de ver o Baptista Bastos ser mais um dos muitos que andam pendurados nas abas dos poderes, até porque o tinha como um dos fiéis da balança da integridade e do jornalismo de consciência.

    Concordo com tudo aquilo que escreveu, até acredito que, exerça a sua profissão com brio e dignidade, mas isso não lhe tirará jamais a mancha de ser apenas mais um, que por via de uma carteira profissional e um passado anti-fascista, se aproveitou do poder para benefício próprio, e isso retira-lhe o púlpito à sua cruzada contra as sangessugas do sistema, porque ele ainda se encontra do lado delas, e mesmo que de lá saia, restará sempre a memória de alguns para lhe apontarem o dedo..

  5. A falta de vergonha do BB não tem limites.
    Realmente, bardamerda!

  6. Luis Serpa diz:

    O senhor Baptista-B devia calar-se e ter vergonha. Por esta ordem – devemos começar pelo que é mais fácil.

  7. AJOS diz:

    Bardamerda para ti tambem Luis Rainha!

  8. PJMODM diz:

    Um pormenor engraçado nesta bardamerda, é uma outra indignação de BB a propósito de Dias Loureiro que ajudou «alguns nossos camaradas de Imprensa, que, neste momento, o ignoram ignobilmente». Supondo que o Dias Loureiro não precise dos «camaradas de imprensa», para beber uma bica, beber uma cervejola ou comer um prego, infere-se que o BB entenda que eles deviam, porque foram ajudados, retribuir com um serviço de «imprensa», ou para soar melhor uma «camaragem de imprensa». Todo um programa: ajuda-me hoje que eu amanhã não te ignorarei ignobilmente. Se não se tratasse de um «camarada de imprensa» eu até diria que cheira um bocado mal.

  9. papalagui diz:

    Cenas como as que se estão a passar na Grécia, resultam do acumular de situações como esta. As sociedades têm os seus limites. Até mesmo os nossos brandos costumes têm os seus limites.

    Todos os dias somos bombardeados com pedidos de esforço em favor do bem comum. Todos os dias somos bombardeados com notícias de favorecimentos duvidosos. Todos os dias ouvidos os paladinos da razão e da sabedoria a apregoar soluções milagrosas que não conseguiram executar quando tiveram funções que o permitiam. Há limites! A tudo isso se juntam notícias como a do desinteresse de quem nos representa e o julgamento de quem também viveu à sombra do mesmo guarda-chuva dourado…

    E depois não se admirem quando as manifestações pacíficas e desfiles na vaenida se transformarem em verdadeiros gritos de revolta…

  10. João Coelho diz:

    Caro Luís Raínha: tem razão na sua indignação, pois não sabe o que realmente se passou. Explico -lhe aqui numa carta que enviei a vários locais de imprensa e blogs. Todos eles me agradeceram pela explicação e mudaram de opinião, poiscomo sabe, por vezes convêm silenciar algumas pessoas. Espero que compreenda depois de a ler. Muito obrigado pela sua atenção e gentileza. Atenciosamente
    João Coelho
    «Sei de muita coisa e sempre fui de direita,não o conheço nem quero, embora sempre tenha tido respeito pelo BB, pois conhecia mais ou menos a sua história. Li esta carta num comentário no Blog Sorumbático, no Portugal do pequeninos e noutros, por isso acho que devia transcrever para aqui. Quem leu não só mudou de opinião, como ficou a saber que existe por aqui um grupinho que é sempre o mesmo que envia comentários ridículos…Fafes(deves ser filho ilegítimo do BB, pois andas muito parecido com ele) ,companhias e outros capachos do pedrito… o resto do pessoal vai atrás só porque acham graça…Critiquem construtivamente e não sejam assim. Leiam a carta que vou mais uma vez transcrever! Se os Fafitos se armarem em parvinhos, brevemente levam com mais e com provas…abracinhos CARTA : «Escrevo a propósito de uma coluna sobre o carácter e a postura moral e ética, acima de qualquer “politiquice” do Baptista-Bastos: é escandaloso que fizeram com ele, pois embora nunca tenha conversado muito com ele, conheço-o e leio-o. Durante quase quarenta anos fui vizinho dele e da sua minúscula casa, já naquela altura em estado de conservação complicado. Durante esse perído assisti desde cedo às brutais investidas da PIDE (que não brincava) na sua casa, à sua fuga quando foi o famoso “assalto à Sé”,no qual ele esteve envolvido até à ponta dos cabelos ( com armas até), tendo de fugir até as coisas acalmarem, deixando a sua mulher e os seus filhos pequenos na casa da sogra, aos sucessivos desempregos que aquele homem teve antes do 25 de Abril e aos problemas graves daí existentes. No Diário Popular ganhava ele (e todos os os outros jornalistas) três vezes menos que os estivadores que moravam lado a lado com ele e nunca se queixou:espartano, saía todas as manhãs de cara lavada para o trabalho. Nunca percebi como é que ele conseguiu escrever livros e ensaios naquelas condições e numa casa do tamanho de uma sala, onde viveram cinco pessoas (ele, a mulher e os seus três filhos). Na sua última vez, já na dita democracia durante o tempo do Cavaco ministro, despediram-no de vários jornais (ele estava na lista negra do primeiro-ministro), a sua casa estava já em estado caótico e muita gente em Alfama tinha sido realojada ou as suas habitações recuperadas com apoio camarário, estando os seus filhos no ensino superior oficial, não tendo outra hipótese senão tirar boas notas, pois não havia dinheiro suficiente para luxos de escolas privadas.Aliás, foram os únicos miúdos lá da rua que tiraram cursos superiores naquela altura! O senhorio aumentava a renda e nunca fez obras. Após os tribunais não darem em nada, começou a escrever inúmeras cartas para a Câmara resolver a situação de todas as famílias envolvidas e anos depois lá saiu, após técnicos camarários fazerem vistorias as casas todas. O BB já com sessenta e tal anos, foi o último entre dezenas de famílias que de lá saíram para outros lados; entretanto a vida dele começou a endireitar, com os programas de televisão e a escrever regularmente. Curiosamente, a amizade e a moral sempre estiveram para ele acima da ideologia política, pois sei que teve discussões enormes e até violentas fisicamente na sede do PCP entre meados dos anos setenta até aos anos oitenta, defendendo grandes amigos dele nos antípodas do que ele apoiou políticamente, tais como o João Coito (salazarista dos sete costados e jornalista do jornal o diabo), António Maria Zorro, entre outros que ele nunca sob circunstância alguma deixou de estenter a mão amiga, dar apoio e transmitir respeito. Voltando à história: o senhorio, quando o prédio ficou devoluto fez obras e alugou dez vezes mais! Não percebo o silêncio do Mário Crespo, quando ele próprio fez uma reportagem à anos na RTP, sobre um dos sucessivos desempregos do Baptista-Bastos. Muito menos o silêncio dele quando num frente a frente O Vicente Jorge Silva disse que tinha “vergonha de pedir uma casa”, mas o Vicente não teve vergonha de pedir e de se arrastar para ser deputado (coisa que o BB teria certamente vergonha): isto não se faz a um homem, quanto menos a um colega de trabalho! O Expresso fez cinco artigos contra o homem à dois meses cheios de ódio: não compreendo estes auto apelidados neo-liberais de uma amoralidade que me deixam estupefacto… Nunca li nada nos Jornais que o BB não atacasse, quando não achava justo, quer à esquerda, quer à direita, até o João Soares, de quem não gosto nada, levou nas “bochechas” quando foi preciso. Fizeram muito mal a um homem demasiado sério, e eu sei que também devem achar que existem aqui uma série de invejas e ódios, despoletados só por colegas, aproveitado por políticos do piorio…algum povo vai atrás desta paródia! Lembra aquela história do velho Leão cercado por chacais. Têm de ser muitos, pois “mano a mano” ninguém lá vai!! O BB não se vendeu, nunca foi delator, nem escreveu artigos a elogiar nem a “engraxar” ninguém, senão acho que em vez de ter uma casa alugada à câmara, tinha uma casa própria num condomínio privado, como alguns dos seus colegas têm. Ainda por cima ele vive ao lado da Quinta do Barros, que são só bairros sociais à volta, e ainda dizem que é um sítio de “classe média/alta”!…Eu tinha mais medo de saír dali à noite, do que em Alfama! O homem deve andar pelos setenta e muitos anos, pelo que acho a afronta e a falta de respeito ainda maior por um cidadão que tudo fez para honrar e desenvolver o jornalismo em Portugal e é um dos maior escritores de Lisboa!… Ele não se “vendeu” aos trinta,nem aos quarenta, em situações muito piores,com filhos pequenos e era aos sessenta e tal, já velho e numa casa inqualificável?..Além disso se ele quisesse comprar casa, nenhum banco lhe concedia empréstimos – eu sei disso. Por outro lado se ele estivesse morto ou a viver na sua antiga casa, ninguém dizia nada! Eu acho que toda a gente enlouqueceu!…deve ser por causa do “crash” na bolsa, ou não?! Ele e a família são muito respeitados no bairro de Alfama. pois os mais velhos sabem o que ele passou: os seus jovens colegas de trabalho pelos vistos esqueceram-se. P.S.- Lembro-me de ele comprar uma minúscúla casa em Constância do Ribatejo,depois de ter feito dois trabalhos para a RTP por 800 contos (uma fortuna!…) e estar a contar isso todo contente lá na rua, para poder guardar as suas largas centenas de livros, porque já estavam a acumular-se na casa de banho!.. Mas acho que casa é tão pequena que a cama foi colocada por cima dos livros! O neoliberal Expresso ainda disse que é “casa de férias”! onde?…na Síbéria?…É só rir! No Expresso o Miguel Sousa Tavares é um dos que o atacou, esquecendo-se que o Dr. Jorge Sampaio, quando foi Presidente da Câmara, cedeu uma casa ao Pai dele no Lumiar!. E o malandro só ataca o BB por isso! Que pouca vergonha!…Eu tenho a certeza absoluta, porque a minha filha vive perto! Alem disso mantém um patrocínio da Suzuki (carro de Borla, avençazita, etc.) e ainda fala em deontologia…só rir! Será que vão todos atacá-lo como o fez o jornal Expresso, ou permanecer todos calados (como o Mário Crespo que tanto o louvou e dizia na TV que ele é o maior dos jornalistas, vai permanecer calado na televisão?). Basta lêr o Baptista Bastos ontem, hoje, e esperemos que por muito tempo), para ver que ele não tem nada a ver com o caso das “casinhas da câmara”! A única coisa em comum é ele ser arrendatário da Câmara! Por comparação: Lá por eu viver em Alfama, não implica que seja fadista ou apregoe peixe! Espero todos tomemos uma iniciativa após lerem isto! Saúde! »

  11. João Coelho diz:

    Caso não se importasse, gostaria que desse azo à divulgação da mesma carta que lhe enviei no comentário anterior. Esta está a ser divulgada em muitos locais, considerada já uma “Bomba”, mas, com deverá compreeder, não poderia estar mais tempo calado perante uma infâdia deste calibre a um homem que sofreu bastante. Mais uma vez agradeço a sua simpatia, gentileza e atenção.
    Um seu leitor atento e grato.

  12. Luis Rainha diz:

    João,

    Este texto nada altera. Por mim, o BB que aceite casas, carros e o que mais quiser. Já é tanta a despesa absurda a que o nosso Estado se dá, que mais uns milhares, menos uns milhares…
    Não suporto é a sua pose de verdugo da falta de moral alheia, sempre a perorar sobre os supostos arranjinhos e a putativa venalidade dos outros. Ele come à mesma mesa cujos convivas insulta para ganhar a vida. Isso é que me deixa fulo.

  13. João Coelho diz:

    Meu caro Luís:
    Permita-me discordar do que disse (embora o compreenda), pois pode ter a certeza absoluta que ele não “come na mesma mesa cujos convivas insulta”, basta conhecê-lo, por isso não necessita de ficar fulo pois não existem razões…
    Só um aparte para reforçar o que disse: o homem perdeu um filho ainda na barriga da mulher numa das violentas incursões da PIDE à sua casa já em ruínas, nos finados anos de 1970 (espancaram-na grávida na sua frente para ele delatar nomes, coisa que nunca fez), por isso acho desnessára esta fúria (dossier PIDE-Arquivo.torre do tombo) quando ele deixou o pcp com dignidade e sem barulho (ainda antes da zita seabra!), por nunca ter sido estalinista e desaprovar o que se passou na Roménia,apesar de ser de esquerda (membro do pcp na clandestinidade desde os anos 50 até 1980 -arquivos do pcp)? Em relação à casa está tudo explicado na “carta” da mensagem anterior (até os residentes do recente e famoso prédio que ruiu na Av. da Liberdade a tiveram. O prédio onde ele vivia também ruiu, e todos inquilinos no prédio onde ele vivia, todos foram realojados, como um direito legal que assiste a todos os munícipes em Portugal, até a si, caso lhe aconteça. Não foi “cunha”, de todo …penso que já chega de disparates sobre uma mera calúnia de objectivos meramente políticos, nada mais, nada menos. No tempo do Salazar só espancavam, humilhavam e matavam pessoas (e eu sou um homem de direita moderada, meu caro amigo!)…nada de mais e ele nunca pactuou nem comeu com convivas então, quanto mais agora. Peço-lhe uma vez mais para relêr a carta anterior (tente passar uma humilde mensagem que tem tido grande aceitação) e compreenderá melhor alguém que não quer estar acima de ninguém, só quer que todos estejam acima. Ainda por cima escreve muito bem e em bom português, coisa que a maior parte dos seus colegas não o fazem (só tenho pena não existir alguém de direita que escreva assim)! Penso que “posse de verdugo” tem o Vasco Pulido Valente, que para além de falsidade histórica, tem um passado social e político vergonhoso (leia o diário da Maria Filomena Mónica), mas isso é outra história!)
    Mais uma vez agradeço a sua atenção, Caro amigo
    Um seu Leitor Atento
    Aceite os meus melhores cumprimentos
    João Coelho

  14. João Coelho diz:

    …Só mais um ponto: nunca eu quereria ao enviar estas mensagens que mudasse de opinião, pois isso seria uma veleidade e uma falta de respeito de mim para consigo ou com os todos os outros; foi só um relato testemunhal. Felizmente agora existe livre expressão de pensamento e durante muitos anos poucas pessoas existiram que contribuíram mesmo que com “ninharias”, tais como por exemplo com a vida de um filho , espancamentos pessoais ou com desempregos sucessivos, sem nunca terem abandonado a profissão, e o país para tal. Penso que não seria aos setenta anos que se venderiam por um realojamento…seria no mínimo paradoxal.
    Caro amigo, mais uma vez
    Um seu leitor
    JC

  15. A.R.Matos diz:

    João: obrigado pela informação.Estou a navegar pela internet e descobri agora isto! Agradeço, pois não fazia a menor ideia, embora estranhasse um pouco esta história toda. O que sei do BB é que ele mandou o Santana (pessoalmente e não ao longe, porque foi na avenida da república) à Merda, demitindo-se de um trabalho quando este foi “secretário de estado da cultura”…esfregando-lhe literalmente na cara dele a carta de demissão,imagine-se! Essa horrorosa história da sua família também foi relatada à dezenas de anos, mas ele abafou-a em carta e por pudor natural de uma história tão sinistra e delicada quanto essa! Ele que lá os tem e sempre teve no sítio, isso é verdade, ao conttrário da esmagadora maioria que anda para aí e só refila! Quanto ao Luís Rainha, acho que deveria publicar a carta, sim senhor! A liberdade de expressão é para todos e não alguns. Gostava que lhe acontecesse o mesmo?

Os comentários estão fechados.