O homem que confunde “ódio” com “vontade de rir”

Se gente à esquerda e à direita nos aponta um erro, que se passará? Um gajo vagamente sintonizado com o mundo ponderaria se não teria mesmo metido a pata na poça. O Henrique Raposo é criatura de uma outra espécie. Para ele, tudo prova a sua razão. Tudo prova que o mundo, dos «reaças» à «extrema-esquerda», se uniu para o prejudicar, cuspindo sobre a sua inocente e ingénua figura chuveiradas de «ódio»: «é tão bom vê-los juntinhos: reaças e esquerdistas, unidos no anti-raposismo». Quanto a mim, “anti-tontismo” pareceria definição mais apropriada.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to O homem que confunde “ódio” com “vontade de rir”

  1. António Figueira diz:

    Melhor q o Raposo – um novo Copérnico, q imagina um novo universo com ele no centro – são os comentários ao post q tu linkas do Cachimbo de Magritte da autoria da Zazie; são bestiais (no sentido próprio do termo).

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Raposocentrico?

  3. Vasco diz:

    António,

    O Copérnico fez o contrário, retirou-nos do centro do universo…

  4. GL diz:

    AHAHAHAHAHAHAAH!!!!! Estou aqui às gargalhadas com aquela discussão nos comentários do post no Cachimbo de Magrite. Aquela contenda da Zazie com o Botelho é impagável!!! Não percam, leiam aquilo que é de morrer a rir.

  5. Não seria já altura de abandonar o HR na sua galáxia far, far away?
    Ao menos a outra bête noire, o JM, não inibe comentários e, às vezes, até responde.

  6. Pingback: cinco dias » A capinha do murcôn

Os comentários estão fechados.