Atenção a isto, OK ?

Aos mais próximos que suscitaram reservas sobre a minha comparação “socratismo-jugular” e Pinochet, apenas recomendo isto (sexta-feira, 5/12)

Mais uma grandiosa manifestação, mais uma greve sem precedentes, e a maioria absoluta estará assegurada

João Pinto e Castro

Não sei quem é J. Pinto e Castro, mas este seu post é o quê ??

Democracia? Um post democrático?

Passa por aqui a democracia? Ai sim?

Acrescento Eis a democracia Jugular (bom nome, bom nome, e não fortuito): portem-se bem se querem um score eleitoral razoável, uma subidinha muito pequena, vá lá. Se se manifestam, já sabem que descem. Agora escolham: estamos em democracia.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

21 respostas a Atenção a isto, OK ?

  1. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Ok, o João Pinto e Castro faz, como de costume, um post à João Pinto e Castro. E até é capaz de publicar a foto do Mário Nogueira quatro vezes e , mais à frente, comparar o sr. à monarquia da Coreia do Norte. Mas isso, continua a não ser razão para tu comparares o Pinochet ao Sócrates. Acho que o fogo de artifício, dessa provocação, reduz o teu argumento principal, com o qual eu concordo.

  2. Fernando diz:

    Este senhor que está na foto, e que fala e dá ordens como se fosse ministro da educação ou mesmo primeiro ministro, já se está a tornar num figurão com uma arrogancância insuportável. Mantenha o PS a sua determinação, apoie a Ministra da Educação, ignore os insultos, as manifestações, e faça cumprir a lei e tem o meu voto garantido !

  3. António Figueira diz:

    Law and order – whatever they may be!
    À conta de diabolizarem tanto o Mário Nogueira, começo a simpatizar com ele – e logo a mim, que me irritam os bigodes!

  4. PJMODM diz:

    jugular? eu julgava que era sabujar.

  5. Model 500 diz:

    “Mais uma grandiosa manifestação, mais uma greve sem precedentes, e a maioria absoluta estará assegurada”

    È um facto. Doloroso, é certo, mas um facto. O Carlos Vidal anda desorientado – os sentimentos toldaram-lhe as ligações neuronais. Ninguém está livre que essa disfuncionalidade alguma vez lhe aconteça.

  6. Carlos Vidal diz:

    Nuno, o ponto do argumento não está tão diluído como poderias pensar. Uma vista de olhos a alguns comentários desta e da outra caixa permite perceber que o essencial foi entendido. O comentário do António (lei e ordem – seja ela qual for), o do comentador que compara jugulice a sabujice, etc. E em baixo, no outro post, há mais. Caro Nuno, provocação descabida ou não, ou mais ou menos, a coisa parece estar a passar. E não concentremos todo o argumento no JSóc.
    Quatro posts de JPintoC, dez ou vinte de um tal Roger, o inqualificável texto de FCâncio, mais uma dezena de blogues associados, etc. Por mim, achei que a coisa pedia este e o outro post. As leis da dra. Rodrigues não se me aplicam. Mas dá para sentir o que os outros sentem perante a pesporrência inimputável daquela malta jugulada. Pobres até ao tutano (e separo sempre desse baralho a Palmira e o Galamba, não conhecendo ambos – são civilizados demais para aquilo, mas não os conheço).

    Modelo 501, recomendo-lhe o cravo para acalmar a euforia.

  7. teofilo m. diz:

    Caro João,

    o post tem erros de português, o título , para mim, é um disparate, mas daí a não ser democrático, vai uma diferença do tamanho da sua falta de entendimento do que é a democracia, e leva-me a crer que tudo o que não esteja de acordo com o que pensa não será democrático!

    Sabe como se chama isso? Decerto que sabe, não é verdade?

  8. pisca diz:

    Bom é hora de ser claro.

    Andei 25 anos a meter dinheiro neste país, ganho no estrangeiro, para sustentar uma cambada chulos que vivem à conta de quem trabalha.

    Vejo-me agora “governado” por um produto do Rangel, um dito Engenheiro por fax, com uma corte onde imperam os sabujos, tipo jugulares e mandantes tipo Coelhos/Loureiros para quem se abaixam e cumprem ordens.

    À sua volta o presuntivo engenheiro, só pode ter mediocres, algo diferente seria perigoso.

    A mediocridade é a melhor forma de ser Português e ter sucesso, é o que nos querem meter na cabeça.

    Façam as campanhas que quiserem, há uma coisa que nunca vão entender, ser sério e honesto, está longe dos vossos genes, vocês babam-se e rebolam-se no chão à procura do prato de sopa do dia a seguir, não há volta a dar.

    Caro Mario Nogueira, força e coragem, seria muito mais simples dizer que sim aos grunhos, mas acredito que Você está muito acima de tudo isso, não ligue, os chacais só sabem comer restos de merda.

    Não tenho medo de dizer o que digo, já antes não o tinha, trabalho por conta própria, não dependo de ninguém a não ser do meu engenho e arte, e para os que acham que são os unicos a trabalhar neste desgraçado País, informo trabalho desde os meus 15 anos e já lá vão mais de 40.

    Passem bem

  9. O texto do João Pinto e Castro é um disparate, mas não vejo onde possa ser antidemocrático.

    “EXPLIQUEM-ME a diferença entre a democracia socratista-jugular e a “democracia singular” de Pinochet”, pede o Carlos Vidal. Acho que o Carlos Vidal precisa mesmo que lhe expliquem muita coisa. Muita coisa.

    Caro Teófilo, acho que não é “caro João”, mas sim “caro Carlos” o que pretendia dizer.

  10. Carlos Vidal diz:

    Muito bem, caro pisca, a democracia jugular é isto: portem-se bem se querem um score eleitoral razoável, uma subidinha muito pequena, vá lá. Se se manifestam, já sabem que descem. Agora escolham: estamos em democracia.

  11. teofilo m. diz:

    Tem razão Filipe Moura, trocadilhos…

  12. Carlos Vidal diz:

    Percebo o ponto de vista, teofilo m.
    Mas a democracia de JPCastro, a democracia jugular é esta:
    portem-se bem se querem um score eleitoral razoável, uma subidinha muito pequena, vá lá (nunca governar – isso tem lugar cativo). Se se manifestam, já sabem que descem. Agora escolham: estamos em democracia (repetindo-me um pouco).
    Democracia?

  13. francisco diz:

    O autor do “JUGULAR” é oportuno e sublinha muito bem as contradições que existem nas cabeças de muitos pseudo-intelectuais, convencidos que o sr. de bigode é um pai natal para o pcp e cujas sondagens desmentem em toda a linha certas opiniões.

  14. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Ora bolas, eu que pensava que o Beria era umas das renas.

  15. Ai agora deixou de ser “PS” e passou a “acrescento”?

  16. Democrata diz:

    É impressionante a similitude entre este João Pinto e Castro e o Miguel Abrantes do Câmara Corporativa. São os dois os maiores lambe-botas de José Sócrates. Curiosamente, a pessoa que o Miguel Abrantes mais cita – de longe – é … o João Pinto e Castro. Dupond e Dupont, ou a mesma pessoa? Fica a dúvida, para quem souber responder.

  17. teofilo m. diz:

    Caro Carlos, penso que não. O João Pinto de Castro poderá estar enganado quanto à ligação entre as sondagens e as atitudes dos professores, eu pelo menos penso que não é assim tão linear, no entanto não o vejo também a dizer que tudo o que é do governo é bom, creio até que fez uso de uma ironia muito própria.

    Mas a democracia tem destas coisas, e a liberdade de opinião é uma delas, do mesmo modo que o direito de discordar.

  18. Ai, Vidal
    Então preocupado em branquear a miséria do seu post sobre a comparação entre o Chile de Pinochet e o Portugal de Sócrates? Que lhe deu, Vidal? Aguente-se, homem, que você é valente.

    Mas, dando-lhe para branquear, pega neste post do Jugular? Mas que falta de jeito, homem. Mas tb não há nada a fazer, né?

  19. Carlos Vidal diz:

    Moura-Pinto, fanáticos só aceito comunistas como eu.
    Não percebeu nada de nada e já lhe disse para não misturar o seu entendimento com o meu. O meu post do “Chile” e este são o mesmo post. Não há misturas nem branqueamentos.

    Como não percebeu e eu já o avisei várias vezes, já começou a actuar o “lápis azul”. Queixe-se no Largo dos Ratos. Não tente mais.
    Este espaço não é democrático (provei isso, como sabe, no seu comentário em baixo no post “socratismo-pinochetismo” – post que também não entendeu nem um pouco nem nada).

  20. Almajecta diz:

    Ora a democracia não pode ser reduzida ao cumprimento dos procedimentos do Estado de direito e à defesa, dos direitos do homem. Nem, claro está, ao fabrico e ao consumo rituais de sondagens de opinião e de comentários eleitorais, não sendo já o voto senão um pretexto. Uma democracia só vive na acção dos seus cidadãos e por ela. O que pressupõe a existência dos mesmos e não apenas de membros de minorias, de internautas ou de consumidores teleguiados.

  21. Carlos Vidal diz:

    Dantes essa malta tinha o centro, acho eu, na Rua da Emenda, onde eu cheguei como artista (eh profissão!!) a estrar represetado numa saudosa galeria de arte, a GF (chega as iniciais), que pretendeu ser a imagem de marca dos “anos 90” mas teve vida relativamente curta. Da Emenda a central passou para o Largo dos Ratos, e daí vem essa verborreia do “estado de direito”, dos “direitos do homem” e do “estado social”. Caramba, que inutilidades. Caramba, o senhor Armando Vara é um homem, sem dúvida. O sr. Jorge Coelho também. Mas tão longe chegaram na vida e na profissão. É milagre dos “direitos humanos” ??? Se é, está bem. Vamos, almajecta, fundar a República Livre Liberal da Berlenga. E daí implementar a democracia e a livre iniciativa.

Os comentários estão fechados.