Enforcado num cordel

Mito urbano por verificar: que a equipa de rugby – o mais telúrico de todos os desportos – de um grande clube português (do maior clube português) foi dissolvida, há quarenta e tal anos, porque, numa formação desordenada, alguém ficou sepultado debaixo de uma imensidão de jogadores, e também com a cara virada para baixo, sem ar, tanto que foi forçado a abrir a boca e os pulmões, e os pulmões se encheram da lama que havia na poça para a qual essa cara estava virada, ou pelo menos terá sido isso que foi encontrado quando autopsiaram o jogador que morreu debaixo da formação desordenada e cuja morte determinou a dissolução da equipa de rugby do maior clube português. No mais telúrico dos desportos, alguém afogar-se em meio litro de água parece tão improvável como outro alguém enforcar-se num cordel, e no entanto não se pode dizer que os factos que ditaram a sua morte não se tivessem verificado, a biologia não se engana, sob esse ponto de vista é uma ciência exacta.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a Enforcado num cordel

  1. Pedro Ferreira diz:

    Desculpa contradizer-te mas a biologia é uma ciencia natural, a matemática é uma ciência exacta… A minha consciencia profissional não podia deixar passar uma afirmação destas 🙂

    Já que estás numa de “urban legends” móribdas, diz-se por aqui que o Pierre Laval se tentou suicidar na véspera da sua passagem pelo pelotão de fusilamento, os médicos conseguiram pô-lo em condições para ser fuzilado e nessa manhã um jornal parisience terá anunciado “Les jours de M Laval ne sont plus en danger”…

  2. Chico da Tasca diz:

    Que eu saiba, o Benfica ainda tem equipa de rugby… ou pelo menos tinha, há pouco tempo…

  3. Pingback: cinco dias » Gladiadores sem capacete

  4. Pingback: rugby » Blog Archive » Enforcado num cordel

Os comentários estão fechados.