A guerra do terror


Ler o Googe News da Índia é cair num país em guerra. Mais de 100 mortos nos ataques das últimas horas, a marinha indiana ainda à procura do navio que terá transportado os contigentes terroristas, comandos e fuzileiros envolvidos em autênticas batalhas. O PM indiano aponta o dedo à vizinhança, enquanto esta repudia as «insinuações». Depois do 11 de Setembro, mais uma vez se demonstra que não são precisos mísseis de cruzeiro nem toneladas de alta-tecnologia bélica para lançar grandes nações no caos.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a A guerra do terror

  1. diz:

    é preciso mais dialogo.
    e mais conversa tambem.
    e um pouco mais de dialogo se for possivel.

  2. Lidador diz:

    Pois não.
    Basta a fórmula “Corão+Kalasnhikov”.
    E a compulsão masoquista para “compreender”, desculpabilizar, relativizar, assobiar e culpar o “Bush e o Blair”, ou as “injustiças do capitalismo e do neoliberalismo”

  3. Patricia Costa diz:

    O que me preocupa mais é que tanto a India e o Paquistão tem um arsenal de armas nucleares,com esta instabilidade em que vivem estes países a que mãos podem estas armas chegar.Não ouvi muito o vice-presidente eleito dos EUA mas do pouco que ouvi fixei que mostrou grande preocupação sobretudo em relação a situação de poder instável no Paquistão

  4. Essa nação está em estado de caos há já bastante tempo, nós é que nunca ligamos muito às desgraças de centenas ou milhares de mortos no sub-continente.

    Esta operação apenas se tornou mais mediática (ou chocante) pela evidente procura deliberada de alvos ocidentais (os tais cidadãos com passaporte americano e britânico) e da elite indiana, coisa até agora inaudita ou pouco.

    Uma boa resenha pelo prof. Bose na BBC news online,
    http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/south_asia/7753876.stm

    A acrescentar, há um historial longo de intermitência na garantia de direitos cívicos a muçulmanos nessa “maior democracia do mundo”…

Os comentários estão fechados.