Amour et préjugé

Houve um tempo em que havia uma coisa chamada ICALP, e essa coisa editava uma colecção imaginativamente chamada “Biblioteca Breve”, e essa colecção imaginativa publicou um livrinho porreiro (apesar de breve) chamado “Imagens de Portugal na cultura francesa”, de um tal de Daniel-Henri Pageaux, que falhou no alvo por pouco: devia ter sido editado nos duzentos anos da Guerra Peninsular para comemorar a proverbial e desinteressada amizade luso-francesa e em particular as bondades napoleónicas a nosso respeito, para a gente saber quanto esses nossos queridos quase-vizinhos nos amam e consideram e poder reciprocar. Leiam o livrinho que está lá tudo: citando-me a mim próprio, estam lá todos os lugares comuns, todas as confusões com Espanha, toda a ignorância crassa, convencida e atrevida dos franceses; mas à falta dele, têm aqui, graças a uma espécie de Miguel Sousa Tavares gaulês, uma lista actualizada de atributos dos portugueses que vale a pena ler, cortesia do nosso comentador BM (que sob múltiplas identidades tem deixado em múltiplas caixas de comentários estas citações, mas também quem disse que os nossos comentadores têm de ser todos uns moralistas sem pingo de sentido de humor?)

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.