3+3=35 Será real?

3 anos e 3 meses mais perda de mandato.

Entre sorrisos e lágrimas, suponho que de alegria, Fátima Felgueiras dizia, hoje quando saía do tribunal,  que foi feita justiça e se provou que tudo o que se dizia sobre ela era mentira. Eu sei que a realidade nem sempre é o que parece, mas, convenhamos, 3 anos e 3 meses de pena suspensa e perda de mandato ou me engano muito ou, realmente, não prova inocência.

3 anos e 3 meses mais perda de mandato, tudo, segundo a própria (ex, futura) autarca porque se provou a sua inocência, e aliás, esta sentença foi só por causa de 35 contos…contos que como sabemos já nem são reais.

Recordo, igualmente, que a alegre autarca  quando foi produzida a acusação fugiu para o Brasil. O argumento foi que não aceitava ir para a cadeia para junto das presas de delito comum. Compreendo, não havia, imagino, um armário para um saquinho ou dois, independentemente da cor, claro. E afinal, o saco até era pequeno…35 contos. Já os reais não eram ficticios.

Jean Commerson disse que a realidade é o funeral das ilusões, pois este foi o funeral mais alegre que eu já vi, ajudou o facto do morto estar bastante contente.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a 3+3=35 Será real?

  1. Milu diz:

    As pessoas que vivem da política, façam o que fizerem, não são presas. Eles são uma classe que se protegem mutuamente, porque no dia em que um tubarão destes for dar com os bem tratados costados na prisão, abre caminho para muitos outros. Responsabilizar os políticos pelos seus actos fraudulentos e fazê-los pagar por isso, torna menos apelativo qualquer cargo político. Quem é que estaria disposto a aceitar um cargo político, passar a ser o saco de porrada dos descontentes e ainda por cima sem compensações compensatórias?… Só algum parvo, convenhamos…

  2. o sátiro diz:

    país do quinto mundo.

  3. juka diz:

    A senhora Fátima Felgueiras foi condenada a uma pena de prisão (principal) que foi suspensa na sua execução por se terem por verificados certos pressupostos e condicionalismos.
    A senhora Fátima Felgueiras foi condenada também numa pena acessória…
    Tanto que para tal (a condenação) tiveram, necessariamente, que se ter dados como provados certos e determinados factos. . .
    Importante também referir que o artigo 50º CP foi alterado com a reforma em 2007 permitindo a suspensão da pena de prisão aplicada em medida não superior a 5 anos (antes da reforma eram 3 anos).
    F. Felgueiras beneficiou deste regime mais favorável.
    A senhora Fátima Felgueiras apresentou-se a público como uma inocente.
    O essencial é que foi condenada. O povo não entende isso, ela vai ganhando. Para o povo aplica-se “rouba um tostão é ladrão, rouba um milhão é barão”. O povo pensa assim. É pena!
    Tb o nosso direito penal está um pouco ” a leste ” da sociedade…
    cumps.

Os comentários estão fechados.