Racionalização do sistema

A propósito da discussão que para aqui vai, recordo a ideia de um amigo sobre a decisão do Estado financiar a banca:
Se a banca precisa de liquidez, por que é que o Estado não cria um fundo de apoio à amortização de empréstimos?
Desta forma, os bancos capitalizavam-se e as famílias ficariam menos endividadas. Agora, ninguém me conseguirá explicar por que é que financiamos a banca para que a banca nos empreste dinheiro a taxas mais elevadas.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a Racionalização do sistema

  1. Sérgio diz:

    A verdade é tão simples que é quase impossível de explicar o que se tem passado nestes ultimos anos de uma forma complexa para ter mais credibilidade.

    30 anos de politica ultra-liberal, sempre na medida correcta para não ocorrerem motins nas cidades tornaram os ee.uu num país em que 300 milhões de pessoas existem para servir uns poucos milhares que controlam ou influenciam o poder político.

    O mesmo está a ser feito na europa. Fragilizam-se as posições dos trabalhadores, retira-se toda a protecção social aos mais fracos, e tornamo-nos todos escravos dos grupos económicos que se deitam com os grupos políticos.

    Passe a linguagem típica dos comunistas é isto que se tem passado. É inacreditável que os eleitores das nações do ocidente aceitem passivamente todos os atropelos ao seu bem estar. Não há mobilização, não há nada. Apenas medo e resignação.

    Desta maneira, como é que neste mundo, uma medida dessas seria tomada? Nunca! Mas se o país parasse todo durante 3 semanas e se 500 mil pessoas cercassem, pacificamente claro, a assembleia da républica, talvez a sua ideia parecesse mais atraente aos olhos dos políticos.

    Por agora, o poder político tem tudo a ganhar em por as nações ao serviço dos interesses económicos. Porque o povo, coitado, é sempre sereno.

    Já agora, não sou comunista, socialista, anarquista, fascista… nada.
    Sou apenas um palerma que gostava de viver num mundo onde todos tivessem um mínimo de dignidade.

  2. Carlos Fonseca diz:

    Tiago Mota Saraiva,

    Felicito-o pela persistência e consistência dos comentários, tanto mais que, entre nós, é muito difícil fazer valer argumentos em defesa do interesse público. As mentes de alguns visitantes deste ‘blog’ estão tão distorcidas que não se apercebem do desempenho do papel de masoquistas emperdenidos. Coitados!
    Voltemos ao caso do BPN, instituição com a qual o Sr. Cadilhe, fora o PPR da Zürich, negociou um rendimento anual de 700.000 €. Isto segundo notícias não desmentidas.
    Em oposição à nacionalização do banco, o governo não agiu de igual modo no que concerne à SLN, sociedade detentora de participações em empresas de vários sectores, onde se integra o negócio da saúde (sociedade GPS, deficitária). No entanto, em meios bem informados afirma-se que, paralelamente à nacionalização do BPN, a CGD, via HPP, se prepara para absorver o deficitário Grupo Português de Saúde (GPS) e explorar, por exemplo, o British Hospital XXI que está a 100/150 do Hospital das Lusíadas. Diga-se que este, por sua vez, está longe de atingir níveis de actividade aceitáveis, face ao investimento realizado.
    Toda esta trama de jogadas se desenrola de modo sub-reptício, contando-se com dinheiros dos contribuintes portugueses (CGD).
    A história é tão preversa que, no mínimo, me causa perplexidade. Todavia, porque cultivamos a verdade, ficamos atentos aos episódios seguintes da novela.

  3. Carlos Fonseca diz:

    Impõe-se um esclarecimento: no 3.º parágrafo, por lapso, omiti ‘m’ de metros para quantificar a distância entre os 2 hospitais.

  4. GL diz:

    E não só, Carlos Fonseca. Escreveu “preversos”

  5. Carlos Fonseca diz:

    GL,

    Escrever apressadamente incrementa o risco de errar. Contudo, julgo que o conteúdo e nexo da mensagem estão transmitidos.

    Não detecto, porém, o uso da palavra ‘preversos’. De qualquer modo, as minhas desculpas.

  6. pcarvalho diz:

    E,porque carga de agua esse Cadilhe q agora vem cagar postas de pescada sobre o inqualificável constâncio?essa negociata do PPR de 10 milhões só prova q o gajo,o pulha,sabia q geria uma casa de ladrões de alto gabarito e,que foi conivente!Prisão para essses FILHOS DA PUTA!NãO há tomates para gritar bem alto e correr com a escumalha do poder.

Os comentários estão fechados.