Graça Moura e o secretário de Estado da Defesa Merrywhistler

O texto a seguir foi publicado por Vasco Graça Moura na edição do Diário de Notícias de 19 de Fevereiro de 2003 e está disponível neste sítio do autor. Leiam-no até à parte do secretário de Estado da Defesa John K. Merrywhistler. Eu prefiro não comentar, tirem as vossas próprias conclusões… São textos como este que fazem da vitória de Obama uma vitória tão deliciosa.

Europa, 17 de Fevereiro de 2033

Paris. O presidente Moustapha Ahmed Ibn Dupont aprovou várias medidas de apoio à alta costura francesa para a promoção do chador no mundo. Os oculistas protestam e afirmam que os óculos é que dão mais valor às mulheres, quando elas só mostram os olhos. No Centre Pompidou abriu uma exposição pós-pós-moderna de sapatos acumulados à entrada de Notre-Dame. Um crítico de arte imprudente que falou de souliers de Satan foi defenestrado por blasfémia do alto de um minarete em Montparnasse. Só depois se verificou tratar-se de uma gralha tipográfica. O revisor responsável foi lapidado.

Berlim. O chanceler Abdul Klaus von Rundfunk interditou a Nona Sinfonia de Beethoven em audições públicas ou privadas. A simples detenção de partituras ou discos implicará o corte das orelhas dos prevaricadores. Vai ser intensificada a investigação sobre tecnologia dos altos fornos. Altos responsáveis desmentem quaisquer preocupações étnicas na matéria.

Bruxelas. O rei Babadur-al-Alrun de Hohenlohe convocou o primeiro-ministro Abu-Akhbar Desfôrets e o ministro francófono Hassan Ibn Cocasse com vista à preparação de mais uma acção de sensibilização da opinião pública contra a separação entre a religião e o estado, uma vez que ou o estado se conforma com os preceitos da religião e é dispensável, ou diverge deles e é nefasto. O aiatola Eustache Ibn Gamal, reitor da Universidade Aladdin de Lovaina, falou do “eixo do mel” na abertura do seminário internacional sobre o papel da apicultura intensiva na redução do choque das civilizações. Confirma-se o achado de documentação relativa à extinta União Europeia num bunker da Rue de la Loi: foi nomeada uma comissão de expurgo, presidida pelo ministro flamengo Mohamed van der Roeckwaerts.

Vaticano. O papa Omar I relatou pormenorizadamente ao colégio dos cardeais a sua última peregrinação a Meca, explicando as razões atendíveis por que não foi autorizado a entrar no santuário. Foi aprovada a substituição do tratamento de “Sua Santidade” pelo de “Sua Obediência” e a exportação de vacinas de água-benta para os territórios em que ainda se detecte a presença do vírus da varíola, em consequência da última jihad de libertação da Europa, ocorrida há 30 anos. O consistório, como prova de boa vontade e tolerância, mandou revestir os frescos da Capela Sixtina com azulejos sobrantes da casa de banho de um dos palácios de Saddam Hussein.

Córdova. O rei Tarik II incumbiu o conde Julian Al-Barabi de Mora y Moro das obras de construção da nova e esplendorosa capital da Ibéria. O mulá Osama Extchgandiarra manifestou a sua preferência por Bilbao para sede do califado.

Lisboa. O ministro da educação, Sheik Al-Nefzaouí da Silva Pimentel, declarou não valer a pena mandar queimar Os Lusíadas pelo seu teor anti-islâmico, uma vez que a obra está fora do mercado e completamente esquecida. Mantém-se todavia a sanção do arrancamento dos olhos para quem os ler. Yassib Neca, presidente do F. C. da Merdaleja, denunciou como “cão infiel” o Dr. Samir Getúlio, presidente da Liga de Clubes. O Dr. Samir recolheu ao Aljube. Depois da remoção das vinhas, o vale do Douro vai passar a produzir sémola em socalcos, com vista à exportação de cuscus. Figuras da meiga esquerda lusitana foram condecoradas a título póstumo com a Ordem do Crescente Suave, por serviços prestados à causa de Bagdad.

Washington. O secretário de Estado da Defesa, John K. Merrywhistler, resumiu em quatro palavras a posição do seu país quanto à presente situação da Europa: “Let them fuck themselves”.

Vasco Graça Moura

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a Graça Moura e o secretário de Estado da Defesa Merrywhistler

  1. António Figueira diz:

    Feliz lembrança: quanto mais o leio, mais gosto dele.

  2. Nik diz:

    O que o gajo não sabe, porque não previu, é que o tal secretário da Defesa Merrywhistler é negro.

    O vaidoso ortógrafo picuinhas e reaccionário impenitente do Graça Moura nem sequer sabe que o cargo americano é secretário da Defesa, e não “secretário de Estado da Defesa” – dois cargos governamentais que ele fundiu a martelo num só.

    A ideia que este pobre pedante tem da esquerda portuguesa é a de que são uns moles: “Figuras da meiga esquerda lusitana foram condecoradas a título póstumo com a Ordem do Crescente Suave.”

    E o maniqueísmo bafiento do órfão inconsolável da guerra fria? Não há mais pachorra para tolos, da-se! Curado, não me mandes mais ler merdas destas.

  3. O Raio diz:

    Se ignorarmos o odor árabe dos nomes, não sei porque é que o texto se situa em 2033.
    Isto tudo me parece o caminho para que segue a cristã União Europeia que nem necessita de mudar de religião para chegar a coisas destas,

  4. Algarviu diz:

    Depois dee ler estas patetices futuristas de Al-Imbecil Moura (giro o nome…), acho que vou mudar o nick para Al-Garviu.

  5. Já há muito que me recusava ler a prosa de Graça Moura e concluo uma vez mais que com razão. Fico-me por aqui porque tenho uma necessidade imperiosa de vomitar.
    Cumprimentos

Os comentários estão fechados.