A coisa ali está negra

Um blasfemo interroga-se, entre o pasmo e a revelação: «e se ele não fosse negro?» A resposta, naturalmente, é a que se esperava: nunca o homem ganharia coisa alguma, pois «dificilmente seria tão aureolado e há muito que teriam sido salientadas a vacuidade e banalidade do seu discurso». Mas o João Miranda já tratara de lhe armadilhar os alicerces ao raciocínio: afinal, Obama será sim «considerado o primeiro presidente mestiço dos Estados Unidos». A mim, parece-me que esta malta está é com sono.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a A coisa ali está negra

Os comentários estão fechados.