A inultrapassável cabriola

Ao que parece, João Miranda pensa que a culpa da débâcle do BPN é da deficiente regulação, não de administradores talvez criativos demais com as contas. Leiam e maravilhem-se: «Vital Moreira, em vez de reconhecer os limites do sistema de regulação pública que este caso revela, prefere responsabilizar os regulados. É um pouco como responsabilizar a falta de ética dos ladrões pela ineficácia da polícia.»
Quer isto dizer que qualquer assalto será sempre da responsabilidade dos polícias que se esqueceram de estar à porta daquele banco; não dos ladrões que o roubaram. Naquela estranha cabeça, se calhar nem faz sentido mandar os tais ladrões para a cadeia, pois a sua «falta de ética» terá sempre uma culpa menor face à «ineficácia da polícia».
Imagino as sentenças: «o agente Silva é condenado por estar a um quilómetro do local do furto. Os senhores Xico Manitas e Zeca Maluco são obviamente inocentes.» Ou talvez a mirandesa ideia aponte antes para a inserção de inspectores em cada agência bancária, para impossibilitar esbulhos futuros. Seja como for, é coisa admirável.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a A inultrapassável cabriola

  1. Vic du Chene diz:

    Mais que de acordo. Aliás como cidadão quase não interveniente não sei como é que as contas de TODOS os administradores não são imediatamente congeladas. Ouvi hoje um cliente desse Banco dizer que lá tinha ido levantar o dinheiro, que estava aplicado of shore e que a responsável lhe disse estar lá desde as três da manhã a fazer as transferências!!!Quanto ao snr. V.Constâncio e Cia a única coisa que julgo estarem a fazer é orientarem-se. Saiu um artigo, há tempos, creio que na Visão em que era afirmado que ele ganhava mais que o Alan Greenspan do Fed!

  2. Model 500 diz:

    “É um pouco como responsabilizar a falta de ética dos ladrões pela ineficácia da polícia.” João Miranda

    Curiosamente foi justamente isso que o blasfémias fez no caso do miúdo morto pela GNR no verão passado. Responsabilizaram o pai do ciganito pelo sucedido, ilibando a GNR!!

    Agora no caso em apreço a culpa já é do regulador (policia)!!!
    Está tudo maluco.

  3. Nuno diz:

    O pior é q não são malucos! É a desonestidade intelectual no seu nivel mais baixo! É moldar a realidade e os factos para encaixar nas suas crenças! É de reparar que ele chama ladrões sem ética aos administradores/ex administradores/quadros do BPN! Muito bom!

  4. emiele diz:

    A imagem é sugestiva.
    E, quanto aos Bancos, verdadeira parece-me.
    ………….
    Quanto ao Blasfémias, claro que tem de haver um culpado, e quanto mais longe dos nossos amigos melhor!

  5. Too Funky diz:

    ATENÇÃO!!!!

    Porque é que ainda não foram falados dos 35 milhões de euros que a Caixa emprestou ao BPN no passado dia 31 (sexta-feira)?

    Ninguém sabe?

    O ministro sabia?

    Se sabia porque é que não disse nada?

    Porque é que na iminência de saber que ia falir, o banco do estado, na véspera, e porventura sabendo já do que ia acontecer, empresta 35.000.000 € (trinta e cinco milhões de euros)?

    Ninguém ouviu falar nisto?

    O que é que os jornalistas andam a fazer?…

  6. pcarvalho diz:

    Eu não entendo a persistência do 5dias de comentar as alarvosias do dito cujo miranda,amigo de ladrões engravatados e outra escória mal cheirosa…Os gajos do BPN deveriam ser presos e prestar contas aos accionistas e,escusava-se o estado de dar dinheiro a ladrões,que são!Não às nacionalizações dos prejuizos

  7. fernando antolin diz:

    Mirandesa ideia?? Amigos ,mirandesa ideia era estar agora lá em Miranda a comer posta no Jordão !!

  8. a.m. diz:

    Boa posta, digo, boa porrada!
    Depois dela, o Miranda pode erguer-se talvez, mas com uma grande dor de… cabeça.

  9. Coelho diz:

    Tenham dó….
    Estes são tempos difíceis poara os nossos liberais…

  10. Já há uns tempos li algures que o João Miranda deveria estar internado. Com “tiradas” como as citadas no “post”, começo a concordar.

  11. Ontem, aquela conversa do enrola do senhor Constâncio e “partenaire” governamental, deixaram-me uma estranha sensação de tentativa de salvar a face. Como é possível tudo isto ter acontecido ao longo de anos, sem que o Banco de Portugal, sempre tão zeloso a cassar cheques carecas de 100 Euros, jamais tenha procedido a um rigoroso inquérito aos evidentes despautérios com que diariamente éramos confrontados? Como podem ter falta de dinheiro, quando publicam extensos relatórios de contas a gabar-se de lucros biliardários?
    Na verdade, vem aí uma nova fase do capitalismo, pois o “modelo alternativo” afundou-se nas geladas estepes do leste e no brilhante exemplo chinês. Chegou a altura de essa ajuda do estado – ou seja, do contribuinte – ter reflexos imediatos no que respeita a novas regras, a começar pela taxação dessas entidades. Veremos qual é a vontade do poder (es) em resolver os prementes problemas dde Tesouraria de que tanto se lamenta. Aí têm a oportunidade. mas é calro que deverão existir modificações na própria organização política: não se trata de uma hipótese, mas de uma inevitabilidade. A ver, vamos.

Os comentários estão fechados.