O país de Sarah Palin

Quando ouvia dizer que os americanos são broncos, sacava logo da cassete do costume: que não, que quem faz do Seinfeld uma das comédias mais populares de sempre só pode ser bem melhor que o povo dos Malucos do Riso, relembrava a quantidade de grandes artistas e o multiculturalismo e Nova Iorque e tudo o mais. Pois bem, Sarah Palin, com a sua corte de Six-pack Joes e o seu garrido gineceu de soccer moms e velhinhas rapture-ready, provou-me que não estava a ver bem a coisa. Os “americanos” não existem. E esta não é uma luta de republicanos contra democratas. Trata-se de conflito bem mais simples: gente civilizada versus turbamulta. A primeira mole, das megalópoles às míticas small towns, divide-se entre os dois grandes partidos. A segunda queda-se indecisa entre milícias ou seitas lunáticas e o apoio a candidatos como Sarah Palin. Rednecks, trailer trash, Bible thumpers, whatever; sempre prontos a abraçar causas desvairadas, a acolher novos ódios e saltar para a rua de punhos, cordas e  bombas engatilhadas. Hoje, tremem o seu medo do comunismo, do terrorismo, do Armagedão que chega com Obama. Eles são aos milhões. Com os seus berros de «kill him», soa o primeiro choque de civilizações que teremos de enfrentar: não com o Outro mas sim com os outros de nós. A guerra intestina já prenunciada no ticket republicano: o urbano e ponderado McCain hipotecando metade da alma ao dark side de Sarah Palin – a devota bulldog de batom matador e verbo incendiário.
Mas de uma coisa podemos estar certos: a mais que provável derrota não acabará com Palin. A vitalidade selvagem da sua “América” vai impedi-la de ir ao fundo com os republicanos. Na noite da eleição, iremos ler-lhe nos lábios as imortais palavras do seu apoiante Schwarzenegger, «I’ll be back». De pública prole sempre a tiracolo, a governadora vingativa que poderia estar a uma batida de coração da presidência vai continuar a assombrar-nos. É que eu não tenho vergonha de admitir: she scares the bejesus out of me.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a O país de Sarah Palin

  1. pcarvalho diz:

    Eu gosto,assim de ver a Sarah Palin puque ela tem pinta de ser boa na cama uma atriz e atrás.E gosto de comer reaccionárias….

  2. Alfredo P. diz:

    Olhe, Rainha, não sei V. é a Maya ou o prof. Bambo.
    Acabe-me com esta dúvida, por favor.

  3. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Alfredo P,
    Toda a gente sabe que o Rainha é o professor Fofana.

  4. Luis Rainha diz:

    Bem, a cada um as suas referências intelectuais…

  5. Luis Rainha diz:

    A bem da verdade, nem preciso de ser vidente para adivinhar que não vai ser hoje que você por aqui deixa um comentário que faça sentido.

  6. Em vez de ter andado a incentivar o assassinato do “caçador Simão”, o pateta do Junqueiro bem podia vir agora até cá, num breve ressuscitar, para também solicitar uma caçada à Palin. As espécies em vias de extinção – eu próprio – agradecem a urgência.

Os comentários estão fechados.