Disco é sempre mau


É possível o disco sound ter boas letras? É raro, mas é. Veja-se o caso de Momus. A explicação é simples, embora enfermada daquela dose de açúcar na caixa de ritmos e vozinhas melosas que estragam qualquer música, Momus tem a maldade e inteligência suficiente para escrever grandes canções. O resto do disco sound é intragável. Parece que como prémio de consolação descobriram que determinadas canções dos Bee Gees permitem salvar doentes com ataque cardíaco. Há gente que prefere morrer com dignidade a ouvir o “Stayin Alive”. Estou, aliás, completamente convencido que os doentes ressuscitam para fugir. Meditem neste facto, Doors, Nirvana Joy Division fizeram grandes músicas e os seus vocalistas morreram. Os Bee Gees ainda devem estar aí a arrastar os ossos (mais um, menos um, ninguém notou a diferença), qualquer dia têm um filme com Meryl Streep, e só fizeram merda.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a Disco é sempre mau

  1. Model500 diz:

    “O resto do disco sound é intragável.”

    Nunca o Nuno escreveu uma frase tão errada. Na verdade, Vince Montana JR e Tom Moulton são por assim dizer os grandes precursores do caminho que a música viria a seguir e aquilo que ela hoje é. Foram uns autênticos visionários. Depois deles a música nunca mais voltou a ser a mesma.

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Model500,
    Concedo que há muita simplificação neste post. E aquilo que se aproxima da música Soul não tem obrigatoriamente que ser mau. Mas podia ser mt melhor sem os tiques do disco. E o mainstream do disco sound, concede-me, é abaixo de cão.

  3. Luis Rainha diz:

    Já ouviste o “Under Heavy Manners” do Fripp e do Byrne?

  4. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Lá vem o sétimo elemento dos Vilage People chatear-me. Sim, Luís gosto do Byrne, há algum problema?

  5. Model500 diz:

    “E o mainstream do disco sound, concede-me, é abaixo de cão.”

    Não podia estar mais de acordo.Intragável.

  6. Pois, Nuno, é de facto difícil um gajo não te dar na cabeça com esse post. Olha por exemplo os recentes HERCULES & LOVE AFFAIR da editora do James Murphy.

  7. Luis Rainha diz:

    No problemo. Estava apenas a chamar-te a atenção para um disco do Robert Fripp (com o Byrne, sob um pseudónimo estranhíssimo, a dar voz a um tema) que tem uma batida assumidamente disco. E é muito bom.

  8. CMF diz:

    “O resto do disco sound é…”. O resto? Bem, Momus fez este disco como uma paródia/apropriação do som dominante na época, muito dele produzido pelo grupo SAW: Stock, Aitken and Waterman, acho que é mais ou menos isto (foi quando descobriu que os sintetizadores eram mais fáceis de tocar do que a guitarra acústica, Nicholas Currie dixit). Ora, os SAW pouco já tinham a ver com o disco sound. A única ligação será talvez pela via do soul, do qual estes senhores se reclamavam herdeiros (!).
    Independentemente de tudo isto, o disco sound ainda foi das poucas coisas engraçadas que a pop produziu. Pelo menos tinha piada, e muitos levavam-se pouco a sério, o que é sempre saudável. O resto da pop, ou lá o que é isso, é quase tudo lixo para gáudio daqueles que elevam a sub-cultura à condição de alta-cultura. É o problema da “democratização”…

  9. M. Abrantes diz:

    http://br.youtube.com/watch?v=1ztZ7WFo3nw

    isto dá vida a um morto. É sub-cultura? Então fiquem vocês com a alta.

  10. Nuno Ramos de Almeida diz:

    M. Abrantes,
    Não estava a falar dos lábios mas da música.

Os comentários estão fechados.