O lugar onde se aprendem os valores da Camorra

Pela primeira vez em Portugal, alguém está a tentar responsabilizar uma universidade pela morte de um dos seus alunos. Diogo Macedo morreu há sete anos, depois de ter sido praxado na Lusíada de Famalicão. (…)

Antonieta Dias, a médica legista que o assinou, foi ouvida na primeira sessão de julgamento e reafirmou o que já antes escrevera: aquelas lesões “foram provocadas próximas da hora da morte” e “nunca poderiam resultar de uma só queda”. A posição é corroborada e subscrita por um parecer médico-legal do professor Pinto da Costa.

Apesar disto, os elementos da tuna académica da Universidade Lusíada de Famalicão mantêm-se fiéis ao que, no decorrer da sessão, o Juiz designou como “muro de silêncio”. À semelhança dos depoimentos que haviam prestado à Polícia Judiciária, os dois ex-tunos inquiridos ontem responderam à maioria das perguntas com absoluta incapacidade de recordar os acontecimentos da noite de 8 de Outubro de 2001.

É factual que Diogo Macedo entrou nas instalações por volta das 21.30 horas e que, menos de meia hora depois, já estava prostrado na casa de banho, inconsciente. É factual que foi praxado pelos elementos mais velhos da tuna, obrigado a fazer flexões, e que terá sido agredido com uma revista no pescoço. A partir daqui, uma espécie de amnésia impede os tunos de recordarem seja o que for. Não sabem os nomes de quem estava presente na Universidade naquela noite, são incapazes de revelar quem deu conta de que Diogo estaria a “sentir-se mal”, interpretam a morte do colega como “um mistério”. (…)

JN

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

23 respostas a O lugar onde se aprendem os valores da Camorra

  1. Alfredo P. diz:

    É mais que certo que não vai acontecer nada a essa cambada de imbecis.
    A impunidade triunfa cada vez mais neste país de opereta, ou não fosse governado por uma troupe carnavalesca.
    Estamos bem lixados.

  2. xatoo diz:

    os broncos só têm apetência para este tipo de heroismos xunga. Não existe neles vontade para questionar nada, fora do seu limitado universo superbock avacalhado. E desde que os jovens formandos prometam aos papás e à sociedade votar e vegetativamente consintam em deixar-se encarneirar nas virtudes do sistema, aplica-se o principio que lhes será retirado automaticamente o sintoma de imbecilidade – passam a ser gajos normais dentro de um cenário de anormalidade, ou seja, alcançam o sucesso!

  3. outro pedro diz:

    Esses assassinos farao parte da fina flor da politica nacional/regional em menos de 10 anos. Se e’ que nao estao ja a’ cabec,a de uma “Jota” qualquer… tenho a certeza, que no milieu mafioso dessa tunas academica de Famalicao, toda a gente sabe quem foi. Mas este pais e’ assim. Nao vamos agora remexer no passado e “desgracar” a vida a estes assassinos, foi um “erro” de juventude… e o morto, olha, foi fatalidade. Quanto mais depressa acabarem com TODAS as praxes academicas, melhor!!!

  4. Nuno Thyrs diz:

    Tem muito mais cultura quem se enche de SuperBock e não prejudica ninguém do que estes dois comentaristas pseudo-intelectuais que atacam gratuitamente e sem conhecimento de causa alguém de algo muito grave como é um homicídio. Apenas uma mente muito maldosa e preversa consegue conceber que um grupo de alunos, amigos, tunos ou não, consiga espancar um dos seus até à morte e continue a sua vida como se nada fosse. Informem-se do que se passou, formem uma opinião e depois sim comentem.

  5. Nuno Thyrs diz:

    outro Pedro? Tanta coragem para insultar e atacar quem nem sequer conheces, e identificas-te como “outro Pedro”?? Escondem-se no anonimato, falam com muita raiva, sem conhecimento, como que a mostrar a grande revolta que vai dentro deles. Mas o que fazem para mudar o que está mal? NADA a não ser dizer asneiras. Jotas? O que tem uma coisa a ver com outra? Ganha juizinho. Não cries estereótipos das pessoas, porque nem todas as pessoas que defendem o mesmo que tu são tão ignorantes e sem sentido como tu por exemplo. Daí eu não julgar as pessoas por grupos. Todos somos diferentes. E não podemos atacar as pessoas pelo seu modo de vestir ou pelo sítio onde estudou…
    Acima de tudo, cresce…

  6. Gnóstico diz:

    Já não chegavam os problemas todos que os alunos que estão fora de casa e estão a chegar à idade adulta têm de enfrentar ainda têm que se preocupar em sobreviver fisicamente à experiência universitária!!

  7. Alfredo P. diz:

    “Escondem-se no anonimato”, diz o valentão Nuno Thyrs.
    Deve estar a olhar-se ao espelho.

  8. oo diz:

    Prendam-nos todos até se lembrarem.

  9. Saloio diz:

    Não sei o que dizer com palavras…e fico a sentir uma revolta dentro de mim, e a pensar em vingança, e coisas assim.

    Digo eu…

  10. Gente que não é Filha De Puta Madre.
    Dá pena ou melhor agonia.
    25 anos!? Seria um bom prazo para poderem recordar a cronologia dos factos. Mas já sabemos que a Lei é de Creonte y n de Antígona.
    …….

    JP. Eu sabia que terias Olho para detectar as bactérias que por aí bailam alegremente … Vale.

  11. Saloio: a gente “inventou” o monstro, a gente vai alimentar o monstro.
    Aqui no 5dias não se pode deixar comentário – p. ex. – sobre repúdio à pedófia em que estivesse o nomezinho de Paulo Poderoso. Ninguém se queixou para além de mim e do Ricardo Santos Pinto que tb comenta ( y maius uma outra pessoa q n recordo o nick.). Vide os Post’s vergonhosos do RogériA C.P, p. Exemplo!! Ou, no post do Paulo Pinto os pruridos … É exactamente assim que os monstros se vão engordando. Pelo silêncio y encolher de Ombros.

  12. Nuno Thyrs
    To see If I’m Smilling … investiga ( Doclisboa 2008).
    É o mínimo, ou não é que? Ora, deveriam então dormir tão descansados quanto eu ( garças a D/deus y por enquanto… pq o dia de amanhã ninguém sabe).
    Perdoar!? Como? Benefício a quem veste a carapuça de sonso e amnésico??? Brincamos??! Perdoar? A quem os tem no sítio para confessar, ou não é assim?? A isso chama-se Hombridade! Palavra desconhecida??? Pois. Isso tem um preço: desprezo, desdém, repugnância. Ou queres que sejamos iguais em valores? Pois. Lastimo. Lastimo. Que mais te posso dizer.

  13. outro pedro diz:

    Nuno Thyrs: Eu passei como aluno por uma Universidade publica, cheia de salazaristas tunistas, e agora sou professor numa Universidade, sem tunas. No estrangeiro. Na FEUP, vi a cobardia elevada a “tradicao”, ouvi canalhices proprias de animais saidas da boca de calhordazitos, com titulos tipo “dux veteranorum” e a grande puta que os pariu. Ouvi ate a exaustao as justificacoes dos jotas, ano apos ano, sem fazer uma so’ cadeira, a defender a tradicao de se esfregarem como caes com o cio nas caloiras. Riam alarves, as alimarias. Vi como praticavam a extorsao aos novos estudantes, vi como gastavam o produto dos crimes na cervejaria galiza a noite, e vi como tratavam quem nao queria jogar ao jogo da mafiazita universitaria. Vi tambem como chegaram, sem curso, a vice presidentes da camara, na area metropolitana do porto. Por isso, veja la se deixa o dar licoes, para quem pode. Esses assassinos nao tem moral nem decoro. E veja la se se deixa de parvoices sobre o nome de quem escreve. Voce nao sabe, mas ha muitos anos, alguns grandes livros da historia da humanidade, foram escritos por anonimos. Os Homems que os leram deram valor a obra, nao ao detalhe pueril do “diz o teu nome se e’s homem”. O que e’ que a minha mensagem perde pelo pseudonimo? Tenha juizo leve a pandeireta e os seus amiguitos tunos para longe.

  14. Nuno Thyrs diz:

    Meus amigos, não fiz e nunca farei parte de qualquer Jota. Não sei qual o vosso estigma com eles, mas também não é isso que me interessa. Quero apenas aqui deixar o seguinte: as praxes não têm nada que ver com acusações de homicídio. Apartir do momento em que se passasse para a agressão deixaria de se estar “na praxe”. Mais, a revolta contra as praxes é assim tão grande porquê afinal? Se frequentaram as universidades e tiveram o direito a não participar porque não dar a liberdade a quem quer voluntariamente ser praxado? E porque ligar as Praxes à Jota? Algum recalcamento? Mais ainda, para criticar não é necessário insultar… Quanto à notícia vocês defensores da liberdade e críticos tão acérrimos das injustiças acham justo ou até normal que se acusem pessoas de um homicídio quando não é verdade, apenas porque uma tal de Felícia Cabrita se lembrou (a troco de alguns euros) de impolar esta história? A justiça afinal é apenas aquilo que vocês acham (mesmo sem saber) que é o correcto? Concordo que se punam os culpados, mas não posso concordar que se culpem os inocentes.

  15. Nuno Thyrs diz:

    Sr outro pedro como lhe digo, o facto de não saber conversar sem insultar tira-lhe todo e qualquer argumento. Estereotipar as pessoas é muito feio. Nem todos os que aderem à praxe são animais, da mesma forma que nem todos os que a renegam são pessoas cultas e com educação. Se assim fosse eu diria neste momento que todos aqueles que dão aulas em Universidades do estrangeiro onde não existem Tunas são pessoas recalcadas com problemas de afirmação, e se protegem atrás de pseudónimos para insultar gratuitamente quem nem sequer conhecem. E como sabemos isso não é de todo uma verdade. Acalme a sua raiva, e canalize-a para o bem, e não para combater a violência com mais violência ainda.

  16. outro pedro diz:

    Nuno Thyrs: obrigadissimo, desde o meu “recalcamento com problemas de afirmacao”, pela sessao de psicanalise via net. Sinto-me muito melhor. Acho que vou comprar uma capa e batina, da proxima vez que for a Pt e tudo. So que nao vejo muito bem, relendo o meu texto, aonde o insulto, a nao ser que tenha enfiado a carapuca ate aos joelhos… e eu escondo-me atras de um pseudonimo? De que e’ que eu me estaria a esconder? De si? Dos jotas ? Das tunas? Das praxes? Olhe, chamo-me Jose Alves. Esta bem assim? Ja sou um homem com H tambem? Entao gostaria de dizer que andar a esfregar-se em miudas de 17 anos assustadas nao e’ coisa de homem. Andar a extorsionar alunos de 17 anos, assustados, e muitos, com o dinheiro contado, nao e’ uma coisa “de bem”. E ja agora, aqueles que pactuam com os que o fazem, sem ter coragem de os mandar parar, sao como os primeiros, sao cumplices e cobardes. Voltei a insulta-lo? Paciencia.

  17. Alfredo P. diz:

    Este Thyrs não se enxerga.
    Já que vitupera o anonimato alheio, “esquecendo” o próprio, desafio-o a identificar-se aqui, para todos ficarmos a conhecer por inteiro mais um especialista em disparates.
    Vamos a isso, portanto, seu valentão!
    Ou, então, dê uma volta ao bilhar grande e desampare a loja.

  18. Nuno Thyrs diz:

    Já estava a demorar a referência “às Jotas”… afinal qual é o vosso grande problema com isso?? Podem pelo menos tentar explicar-me? Quanto ao tipo de praxes que falam, as que eu via no meu tempo eram umas borradelas, umas flexões, umas brincadeiras em conjunto alguma pressão psicológica (na Tuna) e nada mais. Nunca pactuei com abusos de poder. E quem me conhece (Nuno Thyrs aluno da Universidade Lusíada de Famalicão e Magister Tunae à data dos acontecimentos) sabe o que digo. E por não me identificar minimamente com as vossas acusações vos volto a dizer que não podem julgar uma pessoa por aquilo de mal que viram noutra. Custa-vos assim tanto perceber que estereotipam as pessoas sem razão de ser? Se eu um dia comer um bocadinho de Banana e vomitar vocês são meninos para dizerem que todos os Tunos vomitam ao comer fruta. lol

  19. Alfredo P. diz:

    Se a estupidez fosse música, o Thyrs era uma tuna completa.
    E até parece que já é…

  20. anonimo diz:

    Boa tarde. Eu só não me identifico porque nao devo, mas uma coisa vos garanto este Sr. Nuno Thyrs mente com todas as palavras em tudo o que diz! Mas deixem-no falar, o que é bom é que ele fale!!!!! O que eu quero, é que ele não se cale!!! O que eu queria era que falassem todos!!!!!!!!!

  21. Nuno Thyrs diz:

    E continua a agressão barata… Para o anónimo (último) diga-me onde é que eu minto, seja no que for. Ou vai escrever que me conhece e tal e que como tal sabe que estou a mentir. Cresça amigo(A). Eu também poderia entrar aqui como anónimo a defender aquilo que eu próprio digo… Ganhe juízo. Para os anti-jotas (que lindos que eles ficam nervosos) gostava mesmo que vocês lessem os comentários todos desta página e me dissessem afinal o que têm as Tunas que ver com as Jotas, e o porquê da vosso problema com as jotas?? Quando ainda por cima eu vos continuo a dizer que não tenho nada a ver com qualquer tipo de jota. Para o sr. Alfredo (o requinte ao serviço do humor nacional) afinal em que ficámos? Agora que sabe quem eu sou pensei que ia parar de disparar (sem sentido nenhum) e começar a falar…
    Não tenho nada contra nenhum de vocês. Nem vos conheço. Agora não me venham com as vossas acusações ensaiadas, que mais parecem os Jotas que tanto criticam, a votar em Bando. Cada caso é um caso. E não podemos generalizar…

  22. Alfredo P. diz:

    Cala-te, pá!
    Ou tenho de ir aí meter-te na boca o que estás a pedir?

  23. Nuno Thyrs diz:

    Ora aí estão os grandes valores do Sr(?) Alfredo P. a sairem finalmente. Só me faltava mais esta… ameaças eheheh. Meus amigos quem não deve não teme, e por isso mesmo eu não deixarei nunca de expressar a minha opinião. Muito menos quando não ofendo ninguém. E no momento em que ficar sem resposta, calo-me em vez de começar a disparatar como alguns. Uma coisa vos garanto não preciso de tratar mal ninguém para me fazer entender.

Os comentários estão fechados.