Vacas loucas na alta-finança

Primeiro, o colapso que assolou os instrumentos financeiros apoiados em hipotecas imobiliárias manhosas teria chegado chegado sem aviso. Os CEOs da Moody’s e da Standard & Poor’s (empresas que classificam semelhantes operações com ratings) bem tentaram sacudir o dilúvio do capote: a desgraça fora «unanticipated» e «unprecedented».
Mas a camuflagem já foi levada pelo vendaval: a investigação do Congresso americano revelou trocas de e-mails internos que antecipavam a força da tormenta com a presciência de um Noé financeiro. A minha passagem favorita é «It could be structured by cows and we would rate it», embora a parte do «Let’s hope we are all wealthy and retired by the time this house of cards falters» também não esteja nada má.
Da credibilidade destes ratings depende, em grande parte, o funcionamento transparente e fiável do mercado, pois eles contribuem para diminuir as assimetrias de informação. O que concede às empresas que os atribuem um tremendo poder. E alguma responsabilidade, acrescentaria eu. Mas, como admitiu o CEO da Moody’s «Ratings quality has surprisingly few friends». E o resto já é História.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to Vacas loucas na alta-finança

  1. Model500 diz:

    Os honorários das agências de rating – que têm como objectivo avaliar o risco de crédito dos produtos financeiros -, provêm justamente das sociedades detentoras desses produtos. O conflito de interesses é evidente. Como é que se podem fazer más avaliações a alguém que nos paga? Isto não tem solução. O melhor é mesmo acabar com as agências de rating, e cada faz a sua própria avaliação.

  2. Tárique diz:

    para mais inside information, provando que os tipos que estão por dentro sabem bem a podridão que fazem perpetuar para se encherem de papel, ler

    Adeus e ide-vos foder!

    a carta de despedida um gestor de um “fundo de investimento marafado” (a minha tradução de “hedge fund”) que dava 880% ao ano quando se decidiu reformar , o mês passado.

Os comentários estão fechados.