À espera dos desmentidos do costume

Depois desta notícia da Lusa, mal posso esperar para ver as acrobacias dos tipos que vão garantir que Portugal é o contrário do que o estudo da OCDE diz. Força. A necessidade aguça o engenho. Supreendam-me: falem da crise económica, do antigo governo de Santana Lopes, dos marcianos, sei lá. Seguidamente, expliquem-me que depois de mais de 30 anos de governos PS e PSD estamos assim. Se calhar, a culpa é do gonçalvismo e dos comunistas que estiveram no poder em 1975.
Junto a notícia e espero ansioso os desmentidos.

“O presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), padre Lino Maia, considerou hoje “injusto e imoral” o aumento do fosso entre ricos e pobre em Portugal, segundo um estudo divulgado pela OCDE.

Portugal é um dos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) com maiores desigualdades na distribuição dos rendimentos dos cidadãos, ao lado dos Estados Unidos e apenas atrás da Turquia e México.

No seu relatório “Crescimento e Desigualdades”, hoje divulgado, a OCDE afirma que o fosso entre ricos e pobres aumentou em todos os países membros nos últimos 20 anos, à excepção da Espanha, França e Irlanda, e traduziram-se num aumento da pobreza infantil.”

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

23 respostas a À espera dos desmentidos do costume

  1. CD diz:

    Claro que antes de mais iriam implicar com o “Há” do título do post, mas já me antecipei pelo que aguardemos reacções ao conteúdo 😉

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    🙂 É preciso deixar algumas coisas para eles pegarem. A maioria das pessoas quando não gosta do conteúdo, fala das vírgulas…

  3. jorge c. diz:

    Não será necessário discutir contigo, ou melhor, relembrar-te que os problemas-chave de 30 anos de democracia passam pelas maroscas, interesses, falta de definição política e acima de tudo maus princípios legislativos.
    Também não será necessário relembrar-te os outros sistemas por esse mundo fora que para seguirem o seu ideal supremo foderam a vida a milhões de pessoas.
    Somos, de facto, um país miserável, sem crescimento. No entanto, somos um país livre e parecendo que não até somos esclarecidos. Não somos é exigentes com a nossa governação e somos, essencialmente, partidaristas. Culpar 2 partidos da democracia pelo problema máximo é sacudir a água do capote. O Estado somos todos.

  4. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Olá Jorge C,
    O meu post não era sobre o totalitarismo e os gulags, era só sobre o crescimento das desigualdades sociais, que infelizmente não é um problema tipicamente português. Os 5 por cento mais ricos dos EUA aumentaram o seu rendimento, entre 78 e 2007 , em quase 90 por cento e o resto da população praticamente não aumentou de rendimento.
    As causas são, em minha opinião, a manutenção de uma política económica que não pretende aumentar a equidade nas distribuição e a igualdade de oportunidades entre as pessoas.

  5. jorge c. diz:

    Nuno, eu não falo só da URSS como deves imaginar, mas de qualquer forma também não achei que o post fosse por aí.
    A própria Rússia, hoje democratizada (ahahahaah) tem um pano fundo de desigualdades perfeitamente visível a quem vai lá visitar o Kremlin e o resto das vistas.
    Parece-me que a causa tem um nome – economia de resultados. Aliás, julgo mesmo que políticas de resultados, a todos os níveis. As desigualdades sociais são, também provocadas pelas fracas políticas educacionais, and so on, and so on.
    No entanto, não posso deixar de notar no teu post este comentário: “expliquem-me que depois de mais de 30 anos de governos PS e PSD estamos assim”. Talvez um impulso mas, para mim, não deixa de ser curioso, e por isso disse que apesar de tudo somos um país livre e esclarecido. O teu comentário leva-me a pensar que quererias outro sistema e olhando em volta, para o resto do mundo, vejo uns que não te devem agradar muito e outros mais próximos dos teus ideais (julgo eu).

  6. J diz:

    da outra vez foi assim:
    De acordo com o secretário de Estado da Segurança Social, Pedro Marques, o Instituto Nacional de Estatística corrigiu os valores inicialmente transmitidos ao Gabinete de estatísticas da União Europeia (Eurostat), o que “diminui o nível de desigualdade em Portugal”.
    A estatística ao serviço da luta contra a desigualdade …lindo.

    http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1329696

    Espero que agora seja ainda melhor…

  7. Chico da Tasca diz:

    A culpa é de todos.

    Durante estes ultimos 30 anos, a esquerda tentou fazer crer que não valia a pena esforçarmo-nos muito, uma vez que tinhamos sempre o Estado paternalista a tomar conta de nós, tinhamos uma legislação que garantia emprego para a vida, sem os incómodos de ter de andar a estudar e a trabalhar muito, tinhamos casa garantida com rendas baixas, ou seja, o socialismo tomava conta de nós.

    E assim chegámos a este ponto com tudo por fazer, na justiça, na educação, na formação. As pessoas não se interessaram por aprender.

    A Burocracia dava emprego a milhares, ainda que à custa do emperramento do país, e pronto, iamos vivendo à custa das remessas dos emigrantes, dos dinheiros da UE, sem chama, sem alma, verdadeiros parentes pobres (de espirito) desta UE de ricos.

    Porque é que as pessoas são pobres ? Porque não cuidaram de evoluir, de saber mais, de aqduirirem armas do conhecimento que lhes permitissem subir de escalão de rendimentos.

    De quem foi a culpa ? De todos ! Dos que acreditaram nas patranhas que a Esquerda lhes enfiou na cabeça ao longo dos anos, sobre os direitos adquiridos sem grande esforço, por exemplo, e do estado paizinho.

    O Gonçalvismo teve culpa ? Ah pois teve ! O Gonçalvismo ajudou a destruir uma boa parte do aparelho produtivo, numa época em que o mundo já enfrentava mudanças. Ainda andamos a pagar isso.

    Tivemos o azar de termos tido um 25 de Abril. A Espanha não teve, e hoje não tem comunas, não tem demagogos de esquerda, evoluiu da ditadura para a democracia com inteligência e hoje é o que é. Nós andámos 20 anos após o 25 a fazer verdadeiros despautérios lesa-pátria , e a dar cabo de 2 ou 3 gerações.

    Portanto, onde está a admiração deste estado de coisas ?

  8. Sérgio diz:

    É evidente que não.
    Os únicos que defendem que actualmente, e sob o modelo liberal, existe igualdade de oportunidades são os que: ou têm a barriguinha cheia, ou são desprovidos de qualquer Humanidade, ou são imbecis ou estas três todas juntas.
    É como os que defendem que não existe racismo nos ee.uu: condolezzas, obamas, se alguem diz “nigger” é logo ostracizado, mas no entanto o “afro-americano” continua a ter um acesso extremamente deficiente ao ensino e representa a maioria da população prisional.
    Não há limites para a hipócrisia…

  9. Normalmente nestas coisas costuma vir o assobiar para o lado (tipo Jorge C), ou ainda a mais sofisticada “fuga para a frente”:
    Que a desigualdade é desejável porque gera dinâmica e mobilidade social.
    Mas depois vêm os indicadores que mostram que a mobilidade social é menor onde há mais desgiualdade, e aí levantam-se as vozes a dizer que a mobilidade social está sobrevalorizada, que o dinheiro e poder está melhor entregue a quem tem a experiência de o ter (!) e assim por aí adiante.

  10. Maria Ribeiro diz:

    É claro que é culpa dos comunistas. Então a crise financeira, não é culpa da classe média baixa que se andou a individar?

  11. popeye diz:

    e pronto, já andam de tocha e forquilha na mão

  12. popeye diz:

    vendo guilhotinas? há interessados?

  13. Antónimo diz:

    eu tinha a noção que foi cavaco que acabou de desfazer o aparelho produtivo nacional, mas pronto devo ser eu que olhei mal para o caléndário na altura em que as indústrias desapareceram.

  14. Chico da Tasca diz:

    O Sócrates tem de dizer bem claro aos portugueses isto : o futuro de cada um é cada um que o faz !

    A mentira de que são o Estado e a Segurança Social que criam o futudo de cada um dos portugueses, foi a mentira com que a esquerda sociológica, sobreviveu neste país, ao contrário de outros países desenvolvidos, e enganou os portugueses.

    Portanto, é bom que se alterem mentalidades, que os portugueses se capacitem de que não vivem numa redoma superprotegida, e de que estão, directa e indirectamente, em compita com os cidadaõs do mundo.

    Ou seja, um sujeito que se deixe chegar aos 40/50 anos, sem ter tratado das suas qualificações, sem ter procurado ganhar ferramentas de conhecimento, e se tenha deixado ir na conversa do emprego para a vida, e dos direitos adquiridos, com que os jeovás da esquerda pretendem enganar as pessoas, para lhes caçar votos em beneficio próprio, está a cavar a sua própria sepultura, como infelizmente acontece com milhares e milhares de portugueses nessas condições, actualmente, sem futuro nem esperança, resignando-se a esmolas do Estado e ao triste papel de figurantes de manifs.

  15. jorge c. diz:

    Eu assobiei para o lado, ó caramelo? Falam, falam mas depois é tudo do contra. Ninguém assume responsabilidades.
    Eu assumo as minhas e não culpo o governo ou a democracia da qual gosto muito, obrigado! Culpo o povo, que afinal de contas é ou não é quem mais ordena? Conversa da treta, mais vale culpar o governo e os ricos.
    Mas eu repito-lhe, caso não tenha lido no momento em que lhe deu esse espasmo, El Rodriguez: ” Culpar 2 partidos da democracia pelo problema máximo é sacudir a água do capote. O Estado somos todos.”
    Que puta de lata!

  16. Ricardo Santos Pinto diz:

    E para lutar contra essas desigualdades, o Governo vai actualizar as pensões dos reformados que recebem entre… 500 e 1000 contos por mês!
    Tanta preocupação com as classes médias-altas / altas. Isso sim, é justiça social!

  17. Não li, não, não se enerve. Mas o “povo” tem as costas largas.
    É evidente que estamos fechados em ciclos viciosos. Se somos esclarecidos, porque continua isto como está? Se não somos, quem nos esclarece? E estamos prontos a ouvir o esclarecimento?

    Claro que é de apontar fundamentalmente “aos ricos”, porque não é preciso acreditar em teorias da conspiração para perceber que desde que veio o ouro do brasil nunca houve poder económico com visão neste pais para mais do que consolidar a sua posição e ir mantendo o povo na ordem.

  18. ricardosantospinto diz:

    «Desde que veio o ouro do brasil nunca houve poder económico com visão neste pais para mais do que consolidar a sua posição e ir mantendo o povo na ordem.»

    Podemos recuar mais. E com a riqueza gerada pelos Descobrimentos, o que é que foi feito?
    No fundo, o pobre José de Sousa é um pobre produto do pobre Portugal que somos todos nós. Um espertinho. Que vive de esquemas para conseguir licenciaturas. Que faz projectos de sarjeta ou que assina os projectos dos outros (não sei o que será pior). Que transforma quatro anos de Governo de merda num imenso «marketing» político.
    É o retrato exacto do nosso Portugal. Quem melhor para ser o nosso primeiro-ministro?

  19. jorge c. diz:

    El Rodriguez, caramelo até foi fofinho!

  20. A culpa é minha. Prontos.

  21. Jorge c.
    Disse uma palavra … eu penso logo que sou eu;)

  22. Nesta história toda ( prontos, eu confesso a minha culpa!!!) EU sempre tive um sonho, um grande sonho. Y confesso que o desejei com convicção. Ou seja: que as contas bancárias dos humanos todos ficassem a 00000000000000000000000000000000 ( ZEROS). Para isto tudo começar do 0 ( Zero).
    Já vi o meu sonho mais Longe.
    …………
    PS.: se que foi adicto em drogas conseguiu começar do 0 (Zero). Nós que estamos sem SUBSTÂNCIA tb o conseguiremos fazer!
    PS1: Lembrei-me daquela campanha “Começar do Zero” Y sonho muito. Y se D/deus existe parece que me andou a dar ouvidos … tipo conselheira …… ( Bem! Acho melhor ir-me embora senão ainda me confundem com uma chalupa qq …. É só um certo gosto em cultivar o devaneio – à moda da Clarisse do Homem sem Qualidades, do Musil) Vale.
    Já tem uma Jesusa para Crucificar Y a razão tb.
    PS.3: Coitadinhos dos partidos y des-governos

  23. Ouuuups. Esqueci-me de situar.
    O lema da Clarisse era: ” O mundo precisa de delírio!”.

Os comentários estão fechados.