A insustentável leveza da tontice

O sempre à coca Alberto Gonçalves deu pela polémica em torno da possível delação de Kundera. E vai de ir procurar paralelos cá no burgo luso. Coisa fácil, dirão alguns. Similar à ditadura comunista que na década de 50 enjaulava os checos numa sociedade concentracionária e paranóica, o que é que existiu em Portugal? O Estado Novo?
Ná. Para o sociólogo Gonçalves, o símile perfeito é mesmo o gonçalvismo. Aquele longo Inverno de sangue, Tarrafais, holodomors em barda.
Claro está que às tantas até o escriba repara que a comparação nasceu avariada: «os Kunderas caseiros não faziam queixa à polícia: os polícias eram eles.» E acaba por sair de órbita, regressando fugazmente ao nosso planeta: «caso a democracia tivesse dedicado aos bufos do comunismo o rancor que dedicou aos seus equivalentes “salazaristas”, dois terços da classe “intelectual” e “artística” actual não existiriam». Antes de ponderarmos se o Alberto Gonçalves existirá mesmo, note-se o primoroso uso das aspas; depois, a noção de que os bufos do antigamente foram vítimas de intenso e recidivo «rancor», talvez, imagino eu, incluindo execuções em massa. Por fim, notemos que os odiosos crimes são agrupados em acusações vagas e sonsas, sem nomes, claro, culminando num libelo acusatório de tremenda força moral: «vultos da escrita, da pintura, da música, do teatro e do cinema nomeados para as Comissões Consultivas de um governo que ninguém elegera.»
Uau. Isto é igualzinho a denunciar um estranho, que acaba por sofrer 14 anos de prisão. Talvez seja mesmo pior. Toda a gente sabe que num país que ainda não teve eleições, ninguém, repito, ninguém pode colaborar seja com que autoridade for. Quem o fizer, arrisca-se a ter à perna a Polícia do Não-pensamento, na tenaz e ilustrada pessoa do inspector Gonçalves.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

22 respostas a A insustentável leveza da tontice

  1. Chico da Tasca diz:

    Temos então que durante o Gonçalvismo não se roubou propriedade, não se fizeram perseguições politicas, não houve saneamentos politicos; não se criaram células de bufos do PCP por tudo o que era estaminé e departamento do Estado e das empresas,; enfim, não se tentou implantar uma ditadura que, a ir para a frente, faria parecer o Salazarismo uma brincadeira de meninos de coro.

  2. Lutz diz:

    Este sujeito não merece comentários.

  3. Luis Rainha diz:

    O gonçalvismo durou o que durou. O que poderia ter dado é mais tema para videntes de tasca. Mas por certo que não foi comparável à longa noite que caiu para lá da cortina de ferro.
    Já agora, há algo de ilegal ou imoral na existência de células do PCP ou de outro partido?

  4. mpb diz:

    Que idade terá o Chico da Tasca?
    No Verão de 1975, estive em Portugal durante todo o mês de Julho, não era do PCP e ninguém me incomodou, apesar de expressar livremente as minhas ideias. Fui de novo para Angola, a fim de cumprir o meu calvário até 6 de Outubro desse mesmo ano, e depois deitei mãos ao trabalho e dei muito bem pelo que se passou em 25 de Novembro.
    Em 1976 e nos anos subsequentes, ouvi muitas narrativas acerca das listas de indívíduos para fusilar a mando PCP, mas o que eu sei de fonte segura é que foram as sedes do PCP que foram incendiadas.
    As famosas listas parece-me que só existiram na cabeça de alguns exaltados.
    O sociólogo Alberto parece-me ter vocação para a reescrita das coisas. Eu podia-lhe narrar, sem adjectivos, a prisão de minha mãe, que nada sabia de política, pelos esbirros da PIDE; receio, todavia, que o homem me pudesse recriminar por isso. Cada tempo tem os albertos que merece.

  5. paulo almeida diz:

    no gonçalvismo ainda não tinha havido eleições? olhe que sim, olhe que sim…

  6. Luis Rainha diz:

    Eleições que desaguassem num governo, entenda-se.

  7. paulo almeida diz:

    e porque é que não terão desaguado num governo? tem alguma ideia?

  8. Lidador diz:

    POr acaso, ó LR, naqueles poucos meses, fizeram-se em Portugal mais prisioneiros políticos do que durante os 48 anos do salazarismo. Presos sem mandato ou com o tal mandato em branco.
    E houve tortura física, meu caro. Houve gente algemada a levar porrada de criar bicho.
    Quer um exemplo?
    O Dr Vieira de Carvalho, ex-Presidente da Maia,incomunicável durante 4 meses, ameaçado de fuzilamento e linchamento.
    O Ten Coronel Marcelino da Mata, barbaramente agredido na prisão de Caxias ( preso durante 7 meses) , tendo ficado com a bacia e 4 costelas partidas.

    Você não sabe do que fala LR.
    É pena!

  9. Lidador diz:

    Ah, já agora, queimaram-se livros por ordem do Governo, por conterem “coisas reaccionárias” e o Saramago saneou implacavelmente do DN todos os jornalistas que não estavam na linha…

    Já agora, o LR sabe quantos portugueses morreram às mãos da repressão salazarista?
    E da 1ª República?

  10. Luis Rainha diz:

    Será que vêem aqui alguém a defender o gonçalvismo? Mas achar que o mais parecido que por cá tivemos com os regimes de Leste foram esses meses, não o salazarismo… enfim, não lembra ao diabo.

  11. Lidador diz:

    “achar que o mais parecido que por cá tivemos com os regimes de Leste foram esses meses, não o salazarismo… enfim, não lembra ao diabo.”

    LR, não é necessário fazer invocações religiosas e demonizar quem pensa o contrário de si. Há boas razões para qq pessoa, sem qualquer relaçionamento privilegiado com Belzebu, achar que o período gonçalvista teve muito a ver com o que se passava nos regimes de leste.

    Aliás, a malta do MRPP da AOC e PDC sabe muito bem o que lhe caíu em cima, foram ilegalizados porque o “partido fantoche” (como o PCP chamava ao MRPP) era um partido falso e que causava “divisionismo”.
    E o da democracia-cristã, estava a “servir de capa a manobras reaccionárias”.

    O LR que idade tinha ?
    Porque se nota que sabe muito pouco do que se passou. Mas caramba, há muito por onde ler.
    Olhe, se quiser saber quantas foram as vítimas do fascismo, servem os nºs de Fernando Rosas, insuspeitos, aliás, vindos dele: cerca de 60 mortos, dos quais metade no Tarrafal, por doenças tropicais.

    Ok, um morto já é demais, mas veja, o Fidel já leva 30 000, o Pinochet andou pelos 3 000, e a nossa 1ª República uns bons milhares.
    Comparar isso com os MILHÔES de mortos na repressao comunista….

  12. Luis Rainha diz:

    Não vou cair na armadilha de me por aqui a discutir coisa nenhuma consigo.
    Basta ver essa treta do “Comparar isso com os MILHÔES de mortos” (quem é que comparou que mortos, homem?) para o saber.
    De resto, para um país que saiu de uma ditadura violenta e opressiva de 48 anos, não me parece que o revanchismo tenha sido notório nem selvagem. Agora, força. Chame “presos políticos” a todos os detidos que quiser, invoque mais barbaridades para lá das duas que refere, ignore o campo do Tarrafal e quejandos à vontade.
    Acha mesmo que a melhor comparação entre regimes onde a delação era a regra será entre o comunismo e o gonçalvismo? Mais uma vez, esteja à vontade. O disparate é livre.

  13. Luis Moreira diz:

    Atenção, há um gajo ,doente mental, em fuga do hospital Júlio de Matos que dá pelo nome de Lidador! Anda a monte desde que Salazar abriu uma estância de férias que dá pelo nome de Terrafal.A PIDE pede que não tentem agarrá-lo por ser perigoso.Além disso não tem vagas no calabouço.Se puderem levem-no até Peniche, outra estância de férias,catita!

    Lidador,está a ver se não estivesse em democracia? Era tratado assim!

  14. Lidador diz:

    “Não vou cair na armadilha de me por aqui a discutir coisa nenhuma consigo.”

    Claro que não. Quem, como o LR tem a Verdade, não discute. Declara!
    Ma gave la nata, como se diz no Piemonte.

    “, não me parece que o revanchismo tenha sido notório nem selvagem.”

    Não lhe tocou a si.

    “Chame “presos políticos” a todos os detidos que quiser”

    Não, só aos que foram presos por razões políticas. Parece é que para o LR, só são presos politicos os presos que merecem a sua simpatia política. Os outros serão talvez sabotadores, inimigos da revolução, etc…o costume.

    “ignore o campo do Tarrafal e quejandos à vontade.”
    Não, não ignoro. Até já lá estive a visitá-lo. Mas igualar o Tarrafal às prisões de 75 e às prisões gerais das ditaduras comunistas, ou outras, é tapar deliberadamente os olhos.
    Todos os queijos são queijo, mas há uns que cheiram pior. Para si é tudo o mesmo, isto é, para si os que cheiram pior cheiram melhor, desde que seja o seu cheiro.
    Tá bem visto.

    “Acha mesmo que a melhor comparação entre regimes onde a delação era a regra será entre o comunismo e o gonçalvismo?”

    Você tem a ideia do papel da delação nas ditaduras comunistas?
    Sabe o que é a autocrítica? Sabe que os filhos eram instigados a denunciar os pais?
    Chiça, mas em que mundo vive você, para desconhecer as realidades do sec XX?
    O disparate é livre, tem razão, mas está ao seu alcance evitá-lo. Umas leituras não lhe fariam mal. Nem precisa de recuar muito.

  15. Luis Rainha diz:

    Para variar, entendeu tudo ao contrário. Estou a escrever aqui desde o início coisas como «ditadura comunista que na década de 50 enjaulava os checos numa sociedade concentracionária e paranóica» para agora vir aqui um maluco alucinado a perguntar-me se tenho «a ideia do papel da delação nas ditaduras comunistas». Isto só a mim.
    Veja lá se entende de uma vez o que eu escrevi: o comunismo a Leste foi atroz e a realidade mais próxima cá em Portugal não foi o gonçalvismo mas sim o salazarismo.
    Depois, volte lá ao seu recreio.

  16. Oh LR, vc é que parece o bully do recreio.

    E há necessidade de enfiarem todas as carapuças do AG? É mais forte do que vocês?

  17. Lidador diz:

    LR, confesso que aprecio a sua arte para o sofisma e é por isso que o leio. Você é daqueles indivíduos geniais que conseguem alinhar duas premissas correctas e delas partir para um conclusão errada.
    Como o LR, assim a voo de pássaro, recordo o famoso e intrépido Otelo.
    Não se amofine. Lê-lo é sempre um momento de alegria. Goza-se que nem um soba.
    Ah , e controle aí o seu caniche, antes que a sola do sapato lhe acerte nas partes pudendas.

  18. Antónimo diz:

    recentemente no DN (entre 2001 e 2003) sanearam muitos jornalistas por não estarem na linha, embora tenham dito que era por trabalharem pouco e ganharem muito.

    que eleições houve entre 25/4 de 1974 e a constituinte?

    será que todos o que vêm aqui escrever sabem ler?

  19. Nuno diz:

    Caro LR gabo-lhe a paciência e louvo-lhe para ainda responder a doidos! O meu bem haja para si pela sua pedagogia!

  20. Lidador diz:

    “Caro LR gabo-lhe a paciência”

    A pior sabujice é a do tipo untuoso.

    ” louvo-lhe para”

    Louvo-o por

    ” pela sua pedagogia”

    Que o meu caro cromo necessite de um Grande Educador da Classe Operária, tudo bem, a culpa não é só sua, se calhar já nasceu assim.
    Mas creio que o LR, com todas as suas fúrias sofísticas e lamentáveis hemiplegias, não tem essa característica lamentável.

  21. antonio luis carvalho diz:

    Sem comentários!…

  22. joaquim reis diz:

    andava aqui a procurar sobre gonçalvismo, para ver se encontrava algumas medidas tomadas em 1975 (antes de Novembro) e deparo com esta diarreia mental. Uns porque não conheceram e falam de ouvir dizer, outros porque têm amnésia, e outros porque lhes convem. Isso procuro eu imparcialmente sobre medidas tomadas pelo Companheiro Vasco, para levar os meus alunos a entenderem a diferença de certas palavras, como bairro social, cooperativa, reforma agrária, produção agrícola, nacionalização dos meios de produção, aumento dos salários e do poder de compra, monopólios, etc.
    pois parte delas esvaziou-se o conteudo…………..

    Não se comparem laranjas com almondegas.

Os comentários estão fechados.