Não me deixem aqui sozinho!

Isto era para ser o meu post de despedida, a última pétala nesta bisonha desfolhada. Não conseguia imaginar-me no papel de caranguejo eremita, ocupando a casa que já foi de outros, aboletando-me por aqui depois das despedidas do António e do Nuno.
Aqui chegado, agradecia-lhes o convite (feito ainda antes do 5Dias arrancar; só à segunda é que me deixei convencer) e os meses de diversão e desafio. Tecia umas sinceras loas à malta que aqui conheci (o João Galamba e o Ezequiel), comovia-me a propósito do reencontro com o Filipe Moura, etc.
Mas não havia crise. Imbuído de uma sempiterna esperança na bondade do próximo, prefiro acreditar que aquilo do “filho da puta” nada teve a ver com aqueloutra história da “credibilidade”. E até achei graça a arrostar com uma tormenta daquelas capazes de inundar a baixa de uma cidade de médio porte (lembram-se de que até há uns tempos as tempestades mais furiosas tinham nomes de mulheres? Percebi porquê). Mesmo o outro cómico tiro no pé tornou-se agora bem mais compreensível, ainda que não mais bonito de ver.
Resumindo: não gosto de viver em casas com feudos e jardins minados, onde tenho de caminhar em bicos de pés, não vá pisar as caudas das vacas sagradas e dos egos hiper-sensíveis. Não gosto de partilhar coisa alguma com malta que acusa meio mundo de sonsice e dissimulação, para depois fazer precisamente o mesmo, a cada ocasião que agarra.
Tal como o Nuno e o António, tinha deixado de me sentir bem aqui. E nem me passaria pela cabeça armar-me em irredutível e inamovível gaulês, sem a poção mágica que era a camaradagem deles.

Só que agora, depois do esquisito (mas nada sonso) putsch de Outubro, os candidatos a caranguejos eremitas emigraram para outros recifes. E deixaram a casca vazia do 5Dias para trás.
Não pode ser. Lanço aqui um pungente apelo ao Nuno, ao Filipe, ao Ezequiel e ao António: voltem para casa, ovelhinhas tresmalhadas. Voltem, que este lar, modesto mas acolhedor, precisa de quem vá recolher a lenha, enxotar os carrapatos e abrir as janelas a ver se entra aqui algum ar fresco. Please?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

22 Responses to Não me deixem aqui sozinho!

Os comentários estão fechados.