Assuntos africanos

Agora, ainda no rescaldo das eleições angolanas, muitas recriminações se ouvem dirigidas à hegemonia do MPLA na sociedade angolana e à forma como Estado e partido por ali dissolveram as suas fronteiras. Quando as inaugurações e a distribuição de benesses são eventos diários, haja ou não haja campanha em curso, quando fazer parte da Oposição requer coragem, quando a comunicação social depende do Estado e quem discorda se mete em sarilhos, nem a lisura técnica de processos pode resgatar uma eleição.
Aliás, já Pacheco Pereira avisara: “Tendo em conta o historial eleitoral, com a diferença de recursos e meios dos partidos em campanha, com o MPLA a utilizar recursos do Estado e com as dificuldades dos jornalistas em fazerem uma cobertura isenta, há sinais de preocupação”.
Tudo isto é claro, tudo isto é vero. Só falta agora ajustarmos o telescópio para mais perto e começarmos a ver as vitórias de Alberto João Jardim com outros olhos. Mais atentos.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Assuntos africanos

  1. Luís Lavoura diz:

    Bom post. Mas, sempre mantendo o telescópio bem ajustado, veremos que há outras causas para estas vitórias eleitorais. Angola é hoje o país do mundo com maior crescimento do PIB: quase 30% ao ano. E a Madeira, outrora uma das regiões mais pobres de Portugal, é hoje a segunda mais rica, tendo ultrapassado o Algarve e aproximando-se da região de Lisboa.

  2. Alfredo P. diz:

    Só vantagens, portanto, nessas “democracias”, não é, sr. Lavoura?

  3. manuel monchique diz:

    Sinceramente essa da Madeira outrora pobre e agora bla, bla.
    Também eu em Viseu vi o que era outrora e hoje é muitisssimo melhor, melhor que o Funchal aonde tambem resido. E Portugal tem alguma comparação com trinta anos passados?
    Sejamos honestos pelo menos connosco.

    Eu cá fazia um grande palacio se a minha familia entrasse com o dinheiro deles só que nunca lhes pagaria e sempre que me pedissem contas mandava-os bugiar e ainda os tratava mal.

    Também o emprego é fácil … todos para o governo regional. Sabem quantos calceteiros tem a camara de Lisboa e a do Funchal… só exemplo? Quem paga?

    Saiam dos hoteis e venham conhecer a Madeira para além do Cabo Girão. E não se esqueçam da vergonha do paraiso fiscal… falam, falam mas…

  4. manuel monchique diz:

    E um acrescento: sabem o tamanho da Madeira? Olha se o concelho de Aveiro levasse o mesmo dinheiro ?

  5. M. Abrantes diz:

    As eleições angolanas foram benzidas pela UE. Eduardo dos Santos está limpo de pecados. Que porreiro!

  6. Muito bem observado. Coerência “oblige”…

  7. Já agora, ouçam o Jerónimo Sousesco falar sobre Angola e o MPLA. Vale a pena. De qualquer forma, muitos devem estar contentes, pois os mfa’s e sucursais civis, tudo apostaram naquele partido. O Sol da Terra assim o exigia. Agora, habituem-se…
    É espantosa a caºacidade dos comunistas se recauchutarem em capitalistas selvagens (Rússia) ou em nazis (o eleitorado Le Pen dos subúrbios parisienses). Já o Jacques Doriot tinha dado o tiro de partida. Deve ser por causa do vermelho na bandeira.

  8. Pingback: cinco dias » Madeira: do relógio de cozinha à suástica

Os comentários estão fechados.