anúncio banido

Anúncio da Heinz banido em UK depois de exibido durante uma semana apenas e em consequência de imensas reclamações. podem ver as respostas vídeo no youtube.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

28 respostas a anúncio banido

  1. Gilson diz:

    E muito bem banido. Sorte da Heinz. A Heinz pagou para fazer publicidade da Heinz, de nada mais (julgo eu, nunca se sabe).

  2. Sérgio diz:

    R.O.T.F.L.

    o anúncio está brutal!!!
    e para quem não percebe: aquele senhor é o típico empregado de uma deli. “deli” é o que eles chamam a umas lojas tipo charcutarias onde normalmente se podem comprar carnes fumadas, conservas e também sanduiches e pratos confeccionados.
    assim é a modos que, comprando aquela gama da Heinz, é como se a Mãe que cozinha para os filhos fosse um empregado de uma Deli.

    Quando muito este anúncio devia irritar movimentos Feministas…

  3. ezequiel diz:

    “straight home from work, sweetcheeks”

    ehehhehehehehe

    os brits são uns victorian prudes

    ó Sérgio, aquele senhor fala com uma pronuncia de NY..thats all!..ele nem sequer está a fazer uma deli ..além disso, este gajo é um italian american ..os delis pertencem geralmente a judeus…there is a difference in accent discernible by an attentive ear, my friend!

    este é o melhor deli de sempre ..fiquei com fominha!

    http://www.katzdeli.com/presentation.html

  4. ezequiel diz:

    subsídios para as artes…say what?

    🙂

    http://www.mynyco.com/katzs_thatsall/

  5. Sérgio diz:

    Continua a ser verdade o que eu disse: veja lá bem o anúncio.

  6. ezequiel diz:

    Sérgio

    estavas a pensar num “Diner”, certo?!..aquele bonézinho é de Diner!! ehheheheh

  7. Luis Rainha diz:

    Claro que o Sérgio tem razão: «AMV BBDO said that the concept behind the campaign is that the product tastes so good, “It’s as if you have your own New York deli man in your kitchen.”»
    Se o sotaque dominante na profissão foi bem ou mal imitado… parece coisa de somenos.

  8. Estas situações continuam a ser chocantes. Todo o interesse que poderia ter o spote publicitário, morreu ali quando os homens se despedem. Não percebo qual a mensagem que queriam transmitir, o que é certo é que passaram uma imagem distorcida da realidade. Foi muito bem retirado de circulação.

  9. Luis Rainha diz:

    Presumo que esta senhora não exista.

  10. ezequiel diz:

    Só agora me apercebi que a senhora e os senhores estavam a efectuar uma análise aprofundada das muitas nuances do anuncio pub.

    A mensagem é ambígua. É necessário explicitar o evidente. Apresentá-lo com a devida pomposidade. (not)

    O facto do “New york deli man” parece um new york diner man…é coisa de somenos…. Bad research, thats all!! Se estás a tentar transmitir a metáfora “deli”, a incentivar a sua transposição para um outro contexto (la kitchen) talvez fosse sensato tentar preservar a autenticidade da coisa. Esta merda faz-me lembrar os Tugas em terras estrangeiras que fingem ser italianos…oh well!

    Relax Sérgio: aquilo que dizes sobre a intenção, a estratégia, parece-me verdade. Falava de outra coisa e estava na brincadeira (eh eh ehe get it!?)

  11. ezequiel diz:

    Teresa (in)existente,m

    isto é tudo cognsci…a beijoca, o prudish choque da beijoca, é a cola da mensagem…sem a beijoca, com o que é que ficamos?…com um New Yorker numa cozinha de uma famélia brit…pas de drama! a beijoca é que transporta o Deli para a intimidade da famélia…

  12. Aqui estou e tenho muito orgulho nas minhas opiniões. Reparei que os comentários foram ápenas de homens. Fica essa nota, fui a única a comentar uma coisa destas.

  13. Esteva diz:

    Senhora Teresa, ter sido a única mulher prova o quê? Antes que me explique, gostaria de lhe dizer que resolvi comentar para não se sentir sozinha nesta caixa de comentários cheia de homens. E para dizer que concordo consigo, retirar um anúncio destes por razões homofóbicas é chocante. Tal como o é haver ainda tanta gente que tem tantas opiniões sobre o caminho certo para se ser feliz – a pontos de as querer impor aos outros.

  14. ezequiel diz:

    cara Teresa,

    estes homens não tem juízo!!!

  15. Alice diz:

    Haver só comentários de homens mostra bem que estes assuntos passam ao lado,não nos surpreendemos,nem por sombras…

  16. cristã diz:

    e eu sou quem? (bolas, agora baralharam-me)

  17. Luis Moreira diz:

    a Alice sou eu! Perco o sapatinho ao nascer do sol.

  18. Sérgio diz:

    Mas eu estou completamente relaxed Ezequiel só queria especificar qual a intenção do anúncio. Bem ou mal conseguida, está lá. 😉

  19. Ricardo Santos Pinto diz:

    «E muito bem banido. Sorte da Heinz. A Heinz pagou para fazer publicidade da Heinz, de nada mais (julgo eu, nunca se sabe).»

    Gilson, se fossem um homem e uma mulher a beijarem-se no final, seria publicidade apenas à Heinz, ou a algo mais?

    «O que é certo é que passaram uma imagem distorcida da realidade. Foi muito bem retirado de circulação.»

    Teresa Coutinho, dois homens a beijarem-se na boca é dar uma imagem distorcida da realidade? Então que dizer daqquelas crianças que vivem com um casal de gays ou de lésbicas? Suponho que não vivam na realidade.Pode ser uma realidade minoritária, digamos assim, mas olhe que existe mesmo!

  20. Gilson diz:

    “Gilson, se fossem um homem e uma mulher a beijarem-se no final, seria publicidade apenas à Heinz, ou a algo mais?”

    Caro Ricardo,

    Acho que o beijo rouba a cena, desvia a atenção do produto. É um óptimo anúncio panfletário, mas não do produto. A não ser que a Heinz tenha por objectivo um determinado posicionamento, para um determinado público. Só saberíamos se tivessemos acesso ao plano de media, se calhar estamos a ser ingénuos. Se assim for, retiro o que disse, mas não me parece, pq foi dito que teve inúmeras reclamações. Ou o anúncio está errado ou a media onde foi veiculado está errada.

    Mas respondendo à sua pergunta, sim seria apenas à Heinz.

    Não tenho nada contra os gays, mas a verdade é que essa cena aí revolve um pouco o estómago… ainda para mais a vender mayonese… bleargh. Tudo bem, o dinheiro é deles, fazem a publicidade que querem. E para quem querem. Gays também compram mayonese.

  21. ezequiel diz:

    Cara Teresa

    Tem toda a razão. Os gays e lesbicas não existem. Foram inventados por um gnomo. São como a Nessie, uma invenção que fomenta o turismo dito cultural. Mas, atenção, os gays e lésbicas não compram mayonaise. Fazem-na em casa.

    Há que falar a verdade, não é!

    Sérgio,

  22. ezequiel diz:

    Sérgio,

    ok then.

    Gilson,

    presumo que o beijo tivesse que ser devidamente besuntado ou besongt de mayonaise para q a mensagem fosse devidamente explicitada. O beijo desvia a atenção do produto. Lá vai a gestalt theory do Wertheimer pela água abaixo…com ou sem mayo a acompanhar. Até ao beijo (hoje é só conversa da treta…its fun& free ehe eh he h eh ) o diner de niro é apenas um trabalhador precário…está ali para servir…depois do beijo, a mayo, o diner de niro, os putos irritantes e o papá feiote… passam a ser uma estalactite indecomponível…

    mas se presumirmos que o humano não consegue manter a atenção por + do que 10 segundos..a sua tese faz todo o sentido!! ehe he heh eh eeh h h h h

    PS: arranjem-me um cavalinho para eu poder ir bugiar

  23. Ricardo Santos Pinto diz:

    Caro Gilson,

    Para mim, um beijo entre dois homens é exactamente igual a um beijo entre um homem e uma mulher. Mas isso sou eu, que sou esquisito.
    Os gays também compram maionese? Mesmo? Será que é para se lambusarem todos como porcos enquanto se comem uns aos outros?

  24. ezequiel diz:

    Ricardo

    Exactamente igual não é certamente. Barba com barba, noop..sorryy…no cream cheese excelsior for me…além disso…não sei porquê mas fico com a ligeira impressão que beijar uma petruska (como diria o Ludovico) não é bem a mesma coisa do que roçar numa crusoe barbucha…mas isto sou eu ..to each his own 🙂

  25. Gilson diz:

    “Os gays também compram maionese? Mesmo? Será que é para se lambusarem todos como porcos enquanto se comem uns aos outros?”

    Hehehe, nem mais. Caro Ricardo, eu critiquei o filme enquanto peça de comunicação. Admito que a Heinz quererá dizer alguma coisa quando põe um casal gay num filme, isso é marketing, a elaboração deste filme repondeu de certeza a um briefing. Para mim, enquanto espectador, acho feio (no sentido estético e não moral) ver dois homens se beijando, mas a minha opinião estética não diz respeito ao direito dos outros, reconheço.

  26. Luis Rainha diz:

    Gilson. Custa a crer que ainda não tenha mesmo entendido o spot. A ideia é apenas uma graça: ter aquele molho na cozinha é como ter lá uma típica deli de NY, com empregado e tudo. Não é casal gay nenhum; apenas a mãe transfigurada por acção “mágica” do produto. Não repara que os miúdos tratam o homem por “Mum”?

Os comentários estão fechados.