Esta não é a Ana Sá Lopes

Ainda o assalto à agência de Campolide do BES. Numa crónica no suplemento Gente do DN de sábado, Ana Sá Lopes insurge-se contra quase toda a opinião publicada na imprensa e na blogosfera, que apoia incondicionalmente a suposta arbitrariedade da polícia, sendo que praticamente a única excepção viria da parte de João Miranda, no DN e no blogue Blasfémias. “Esta não é a minha polícia”, afirma a jornalista, indignada, e pede ao ministro da Administração Interna que diga ou faça alguma coisa “de esquerda”.
Ninguém deveria ter ficado feliz com a morte do sequestrador. É verdade que muitos comentadores parecem ter ficado, mas tal não resulta de se aceitar a acção da polícia neste caso. Eu e muitas outras pessoas apoiámo-la como mais um entre tantos males que infelizmente por vezes são necessários, mas sinceramente lamento a morte (e como eu, tenho a certeza, muita gente).
Dito isto, creio que há um equívoco da parte de Ana Sá Lopes relativamente à posição de João Miranda. Não vi João Miranda lamentar nenhuma morte. Conforme já aqui escrevi há uns dias atrás, o que incomoda João Miranda em todo este processo não é a morte do sequestrador em si, mas o facto de esta ter sido perpetrada pelo Estado (neste caso, representado pelo agente da polícia). Permitisse a legislação o livre porte de armas, resultasse a morte do sequestrador, nas mesmas circunstâncias, da acção de um segurança privado do banco ou de qualquer outro civil armado (mas nunca de um agente do Estado) e tudo estaria bem para João Miranda. Até poderia ser não só um mas vários sequestradores a morrerem. É esta a forma de pensar da direita libertária.
Embora não concorde, posso respeitar a opinião de quem acha que a polícia não deveria ter aberto fogo, dependendo dos argumentos apresentados (gostaria era de saber qual seria a sua opinião se estas pessoas fossem os reféns). Agora, pedir ao ministro que “faça alguma coisa de esquerda” e, no mesmo texto, invocar a direita libertária, como faz Ana Sá Lopes, é que me custa a perceber. Parece-me que se é assim, como diria outro Lopes, está mesmo tudo doido…
Com os seus cronistas supostamente de esquerda a invocarem desta forma a mais direitista das direitas, quem se fica a rir é o director João Marcelino.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

10 respostas a Esta não é a Ana Sá Lopes

  1. Luis Rainha diz:

    Para a maluqueira ser completa, só falta um senhorio por aqui.

  2. Luis Moreira diz:

    Mas qual seria a alternativa? Quanto ao JM tudo estaria bem se fosse um segurança do Banco.Seria legítima defesa e cumprimento da função para que fora pago.Mas a Ana Lopes é capaz de nos dizer qual a alternativa de esquerda???( a vida dos refens é de direita?)

  3. Há aqui qualquer coisa estranha!
    Quando temos pessoas como Daniel Oliveira, Fernanda Câncio e agora Ana Sá Lopes a apoiarem (ou pelo menos a considerarem como interessante) mais uma idiotice que João Miranda se lembrou de vociferar, quem fica mal nesta fotografia ?

  4. Bem, eu recomendo a leitura d’ ” O teu Rosto Amanhã” do Javier Marías … para além de se poder desfrutar de altíssima literatura, a questão da violência é aborda de uma forma despida do preconceito que atravessa esta necessidade quase imperiosa que se tradoz no facto de toda a gente ter de ficar muito bem para o retrato ( o actual e o para a posteridade); este tema também é aprofundado pelo JM, e até introduzido e ilustrado pelo Complexo K-M … (John Kennedy & Jayne Mansfield) … investiguem que o factor surpresa trará generosa recompensa … deixo só a foto ( Mansfield, ao lado da Loren) para aguçar o humor … http://www.squidoo.com/JayneMansfield ……… Y, Claro este quase ensaio sobre o recurso à violência, como humano e legítimo, algo natural a reivindicar por cada um de nós como algo que pertence por direito à natureza do ser humano ( ou seja, a SUA VIDA SER ÚNICA e INREPETÍVEL, E só mesmo o próprio a poder viver e desfrutar etc.) encarar isso como um dado de facto e fazer frente à hipocrisia da Santidade da não violência …. etc.
    Ok! Penso que enriqueceria as posições de cada um independentemente da esquerda e da direita … vale.

  5. joséjosé diz:

    Filipe: Sabe de qual lado soprava o vento na altura em que a Ana Sá Lopes escreveu a referida crónica ?

  6. Em relação ao João Miranda, creio que ou vai mudar de posição, ou sucida-se! Isto, claro está, se se confimar que é bebé-proveta, e a proveta era do Estado!
    Quanto a Ana Sá Lopes só encontro duas explicações possíveis para este texto:
    1- A Ana está de férias , era preciso um texto, alguém escreveu e assinou por ela ( Julgam que seria a primeira vez que estas coisas se passariam em jornais? Então são uns ingénuos!)
    2- O calor e a praia dixaram-na perturbada por qualuer razão.
    Concordo consigo, esta não é a Ana Sá Lopes

  7. O JMiranda não tem culpa; quem tem culpa é quem lê JMiranda.

  8. Pingback: Os complexos de superioridade moral da extrema-esquerda « O Insurgente

  9. atom diz:

    Então:
    E acerca do assalto a uma ourivesaria de Setúbal, em que o assaltado foi baleado na cabeça, e morreu, ninguem diz nada?

  10. Sérgio diz:

    Claro que não Atom, só haveria reacção se os assassinos fossem abatidos durante a fuga. Aí estariamos perante um crime do estado. Se esses não fossem caucasianos de, pelo menos, nacionalidade portuguesa de terceira geração então seria um crime racista/xenófobo do estado.

    É o tradicional alheamento da realidade da esquerda croquete, a dos condomínios privados e das férias na casa de campo do pai ou da mãe.

Os comentários estão fechados.