A segunda versão mais antiga da prequela


«Andava Adão já corroído pela solidão e pela masturbação em excesso quando por fim ganhou coragem para melgar o senhorio: “ó Senhor, eu sei que isto aqui do Éden te deu um trabalhão, que o custo do jardineiro é quase pecaminoso, que fazes tudo pelo meu bem-estar. Tenho um clima ameno, a bicharada é mansa e saborosa, a vista esplêndida. Posso andar em pelota à vontade e ainda nem te lembraste de inventar os mosquitos. Mas sinto-me, sei lá, incompleto. Com quem posso comentar o fulgor do pôr-do-Sol ou o gosto dos túbaros de zebra? Quem me irá animar quando me sinto em baixo? E, não Te querendo ofender, é um pouco chato jogar poker com malta omnisciente. Ainda por cima, estas ânsias carnais que não me largam… deve haver forma mais interactiva de as aquietar. O que me leva a um pedido: na Tua infinita pachorra e misericórdia, não poderias inventar-me uma companhia? Assim uma criatura inteligente, divertida, compassiva e apaixonada, perspicaz, divertida; alguém que me completasse e que conseguisse ensaboar aquela zona nas costas que não alcanço?” Depois de pacientemente ouvir a pedinchice – e enquanto ponderava se teria sido mesmo boa ideia dar cordas vocais àquele bípede mal agradecido – Deus respondeu: “pedes-me muito, Adão. Olha que isso ia consumir-me umas horas de trabalho duro. O preço terá de ser elevado: um dos teus olhos.” Adão, meio assarapantado, retorquiu de imediato: “Ouve lá: e o que é que se arranja por uma costela?”
O resto, como costuma dizer-se, é (a nossa triste) história.»

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 respostas a A segunda versão mais antiga da prequela

  1. ana diz:

    E o que se arranja por uma costela???? Como???

  2. A que olho se referia o senhor, Luis?

  3. A Moura Pinto diz:

    Bem perguntado, Ana Pires… Sabe-se lá se o esquerdo, se o direito… eu sei lá.

  4. Maria João Pires diz:

    Esqueceste-te foi de dizer que Deus que, como é sabido, é bom e misericordioso, teve pena dele e fez-lhe um preço de amigo, pelo preço da costela arranjou uma “criatura inteligente, divertida, compassiva e apaixonada, perspicaz, divertida” (as condições de pagamento acordadas – se a pronto, se em suaves prestações ou, ainda, em leasing – é que não foram tornadas públicas).

  5. Luis Moreira diz:

    Maria João essa é de homem…desculpe de mestre!

  6. Luis Rainha diz:

    O Adão é que se deve ter baldado aos pagamentos e o tal bem precioso lá retornou à origem. De onde veio o artigo substituto é que não sei; de algum sítio onde se aposta mais no design do que na qualidade, suponho…

  7. Deixa ver se percebo: estás a dizer que o que o Adão queria era outro homem? Também estás a soldo do lobby, não é?

  8. Mais design que qualidade? Mas Ele criou a Eva ou um carro italiano? ;P

  9. Luis Rainha diz:

    Com efeito, aquela menção ao sabonete é algo suspeita.

  10. Luis Rainha diz:

    Inês: se ele tivesse antes criado um Lamborghini, o Adão tinha logo parado com as lamúrias e não estávamos agora a ter esta conversa.

  11. Luis Moreira diz:

    Luís é melhor bater em retirada ordenada sem danos colaterais.

  12. Model500 diz:

    Gostei. Vale bem a pena visitar o 5dias.

  13. UAU!
    Deus deve ter achado é que o gajo era mesmo tolo, forreta, mesquinho, sovina, miserável, ganâncioso, garganeiro, pouco esperto e inteligente, tótó, atado, e mais coisas que saltam a olho-nú num gajo, e lá o enganou. Assim, o Todo Poderoso lá teve que aperfeiçoar a coisa ( a humanidade) para emendar a asneira … e como a gente sames muito espertas e desenrscadas, até se dipensou de mais criações, pois, os defeitos de fabrico são mesmo da parte dos gajos … Dai o tempo todo que a gente tem de dedicar à prole para corrigir as asneiras …

Os comentários estão fechados.