um acto de descompressão e um convite à reflexão #3

Utilizando este modelo, a história da carochinha, tal como consta da tradição portuguesa, sobretudo na sua versão de referência e semelhantes, quereria dizer que, se o João ratão não conseguiu ultrapassar o estádio oral, o rei fixa-se na fase anal. O final da história não seria, pois, senão uma repetição, com maior carga simbólica, do destino do João Ratão. Assim, não admira que o conto em que o João Ratão morre tenha sido aumentado com a história de um rei e de uma rainha infecundos, não porque fossem da mesma espécie mas porque se encontram em estádios inconciliáveis.

Lages, Mário F., Vida/Morte e diafania do mundo na história da carochinha, Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa – Universidade Católica Portuguesa, Lisboa, 2006, p. 244

ps: a referência bibliográfica completa serve para amansar a fúria corporativa das sensibilidades mais letradas desta casa

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a um acto de descompressão e um convite à reflexão #3

  1. Maria João Pires diz:

    Dá cá a orelhinha porque estamos contentes convosco (credo, estou a ver q tenho que voltar a dedicar-me à leitura, não tinha dado pela fase oral e anal).

  2. Acho que vou começar a responder com a «Breve história dos Ismaelitas», por ex., «O cisma nizari-musta’li de 487/1094»

  3. Luis Moreira diz:

    Eu estou a descobrir que não tinha dado por fase nenhuma.Não podem simplex?

  4. FizesteS bem, amiguinho, só prós calares.

    Adelante, Joana.

  5. Pedro, se vais começar a negar o polimorfismo perverso das carochinhas a gente zanga-se

Os comentários estão fechados.