um acto de descompressão e um convite à reflexão #1

a intenção deste livro é, pois, perceber o sentido de uma história que, em termos sintéticos, fala de uma carochinha que se põe bonita à janela e escolhe dentre diversos animais um ratinho como noivo, o qual cai na caldeirão da boda de casamento e nele morre cozido e assado; e é chorado pela noiva, bem como por um vasto conjunto de seres. a história parace não fazer sentido e deixa no leitor adulto uma estranha sensação de mal-estar intelectual.

in “vida/morte e diafania do mundo na história da carochinha”, edições universidade católica

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a um acto de descompressão e um convite à reflexão #1

  1. Maria João Pires diz:

    A seguir vais debruçar-te sobre a “Psicanálise dos Contos de Fadas”, siiim?

  2. Luis Moreira diz:

    Mas a ideia não é mesmo que basta uma criatura bonita para cairmos no inferno?

  3. samuel diz:

    Ou um… não me ocorre um termo delicado… para arruinar um blog como este!…
    Que raio é que aconteceu ao “Cinco Dias”? Atoardas de futebol alcoolizado, palavrões a despropósito, justiceiros…
    “Queixo-me” num post do Pedro Vieira, que não é perdido nem achado nesta estória, apenas para evitar ainda mais ruído, ou dar a errada impressão de querer entrar em diálogo com o… é que não me ocorre mesmo!…

  4. Julguei que a história era sobre os fluxos efémeros de “sorte” e “azar”, e de como é vão dar muito valor a uma ou outro.

  5. Luis Moreira diz:

    Inês tal como eu pensava.O azar de se escolher a pessoa errada!

  6. Realmente nunca percebi o rai dessa história da Carochinha … pensei que quando fosse para a escola e fosse grande e etc ia perceber essa coisa … mas não. Apenas dou conta cada vez mais de carochadas …
    e prontos este comentário é assim à carochinha

Os comentários estão fechados.