Da conversa de Lula com o “doutor Mário”

… (quarta à noite, na RTP1), ficam principalmente estas frases, que cito de memória: “agora, que exerço o poder, não tenho o direito de sonhar mais. O mandato é de quatro anos, e eu tenho que fazer o melhor possível.” Só mesmo um homem muito sábio como Lula para arrumar numa frase a “imaginação ao poder” e os soixante-huitards (que mais depressa votam nos tucanos que nele).
Também ficou muito bem a Mário Soares citar Fidel Castro, no fim da entrevista: os homens de esquerda no poder têm que ser “cavaleiros da esperança”.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

6 respostas a Da conversa de Lula com o “doutor Mário”

  1. ezequiel diz:

    cavaleiros sem cavalo, certamente. 🙂

  2. Pois, pois, da esperança daqueles que voam logo para os novos El Dorados caribenhos, para ver se arranjam negócios plutocráticos de gravata vermelha. Olhem o “caso-Casa dos Bicos”. Como secou a árvore das patacas do jardim da Lubianka, agora trepa-se a oliveira manchega para colher umas azeitonas douradas.
    Lembram-se do Miguel de Vasconcelos?*

    *Esse mesmo…

  3. Aires diz:

    é interessante ouvir estes homens que foram poder
    refelectirem sobre ele,
    poder
    e quando houve ideal
    fazer o respectivo contraste
    Lula E Mario
    cada um á sua maneira e vivência
    também a sua idade
    forma para mim, ao menos,
    muito educativos
    e aprecio hoje melhor
    o que fizeram no seu tempo e espaço
    quando tiveram que remar
    com – contra
    as “circunstâncias” dos seus países
    abraço

  4. eeueqsouburro diz:

    É o Mário da venda de armas ao Savimbi?
    Saravá Lula Ieltsin,vai uma cachaça?.Eheheheh

  5. JR diz:

    Talvez tenha que ir um pouco mais atrás nos “cavaleiros da esperança”, já que a referência é quase de certeza ao livro de Jorge Amado, “Cavaleiro da Esperança” dedicado a Luiz Carlos Prestes que data, salvo erro, de 1944.

  6. Pena é que os homens de esquerda alegados “cavaleiros da esperança”, quando no poder, sejam normalmente cavaleiros do desespero em que colocam as populações…

Os comentários estão fechados.