A grande fractura

Na semana passada, a esquerda responsável e a direita do arco da governação mostraram as suas inultrapassáveis diferenças. Estavam a votar uma proposta do PS e PSD. Os homems de Sócrates chumbaram a proposta do PSD e aprovaram a sua. Mostraram, mais uma vez, a aleivosia daqueles que teimam em considerar que há um centrão dos interesses. Que diabo! Ainda existem convicções! Só gente extremista, amiga do Chávez, é que pode dizer que a governação do PS é igual à do PSD. Para Sócrates, as pessoas não são números. Os pobres têm cara. E os salários não param de crescer, quase tanto como as notas da matemática. Tivesse o governo mão nas estátísticas europeias e a verdade seria exibida no seu máximo explendor: em Portugal só há ricos e muito ricos.

Voltando à votação, só é pena que o texto do PSD, que o PS chumbou, fosse vírgula a vírgula, letra a letra, igual ao texto do PS que foi aprovado.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a A grande fractura

  1. dsm diz:

    Pois, ainda há esquerda que, mesmo a propósito de vírgulas iguais, faz questão de marcar as suas diferenças em relação à direita.

    Num tempo em que até Miguel Portas invoca a autoridade de Bagão Félix para provar os seus pontos de vista em relação à revisão do Código do Trabalho, em que Fernando Rosas, na SIC-N, se refere com irreprimível simpatia e quase fraternamente à coragem do presidente polaco Kaczynski (lídimo representante de da Europa anti-neo-liberal que Rosas deseja, suponho) e em que NRA vai buscar aquela coisa das notas de matemática (“então eu pago o colégio ao meu puto, e, afinal, os outros também passam?!”), é refrescante saber que ainda há quem mantenha as distâncias.

    Ainda há esquerda que se dá outro destino que não o de servir de passadeira vermelha à Manuela. Passadeira vermelha? Vermelha? Vermelha, pois, “que diabo! ainda existem convicções!”.

  2. Ines Meneses diz:

    Sempre que oiço a expressão “esquerda responsável” fico a tentar lembrar-me de todas as coisas pelas quais são responsáveis, e isso deixa-me imensamente cansada.

  3. joao diz:

    Tenho andado fora… de que texto estás a falar?

    Não é aquela cena da Colômbia?

  4. ezequiel diz:

    e eu a pensar que era a grande factura!

  5. a grande fractura? a grande factura? a grande fartura?

Os comentários estão fechados.