Ricos e mal agradecidos

Lê-se no Expresso, na página 15, uma passagem que nos deixa ainda mais conscientes das injustiças do mundo. Há homens que podem esforçar-se toda uma vida, dedicar todos os seus minutos a servir os outros e, ainda assim, não conseguem o devido reconhecimento.

“Não é justo não gostarem de mim”

José Sócrates, primeiro-ministro, queixando-se do tratamento que lhe tem sido dado pelas confederações patronais.
In Expresso, 28 de Junho.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Ricos e mal agradecidos

  1. Ricardo Santos Pinto diz:

    Coitadinho do Kalimero: «É uma injustiça, mas…»
    Realmente, não se percebe mesmo. Tanto que ele tem feito pelos patrões de Portugal!

  2. Somos Portugueses-difíceis, pelo menos esfoçamo-nos por parecê-lo ( como a mulher de César ).

  3. O que interessa é a maioria dos trabalhadores não gostarem dele. São muitos mais votos.

  4. Saloio diz:

    Quando ele diz que são as confedracções patronais a não gostarem dele, está a fazer campanha eleitoral, notoriamente mentirosa e ardilosa.

    É que todos sabemos que Sócrates tem servido o patronato de forma razoável.

    Quem ele tem expoliado e explorado até ao fundo, é a classe média trabalhadora e os desgraçados dos reformados, e a alegada crítica que faz aos patrões apenas se destina a esconder o seu servilismo perante eles.

    A campanha eleitoral de 2009 já começou!

    Digo eu…

  5. rosa maria diz:

    A coisa está muito bem estuda. Marketing político do melhor: engana o povinho trabalhador fazendo crer que se os patrões não gostam dele, é porque favorece os trabalhadores…engana os outros, com o lamento, de que apesar de tanto ter feito por eles, não lhe reconhecem o feito…
    O homem não está triste e deprimido. É apenas esperto.

Os comentários estão fechados.