Vocabolário

Ao ver que tenho cá em casa um miúdo de 15 anos que ainda se dedica a coleccionar “cromos” de futebolistas, veio-me à mente uma magna questão: e que coleccionarão os futebolistas? Não os imagino a colar com desvelo a efígie do tipo a quem partiram uma rótula no Domingo anterior; nem a pedir que lhe troquem dois repetidos por um com a tromba do gajo que os deixou no banco no último derby.
Ontem, ao ver o Paulo Bento a comentar o jogo da selecção, percebi tudo. O homem repetiu para aí uma seis vezes o advérbio “logicamente”. E revelou-me quem sabe dessas coisas que hoje em dia tal palavra goza de enorme popularidade entre os artistas da bola. Fez-se-me luz: esta malta colecciona vocábulos novos. Trocam-nos entre si, quiçá por SMS ou via Hi5, ostentam-nos por umas semanas e depois toca de ir à caça de mais. Estou mesmo a ver a conversa: “Petit: tenho aqui uma porreira! Quaresma: Diz lá, pá, que eu dei-te a da semana passada! Petit: Interpluridisciplinaridade! Quaresma: ó pá; essa é do caraças. E existe mesmo? Petit: o Pepe garante que sim. Quaresma: vou guardá-la para os quartos-de-final. Vai tudo ficar de cara à banda!”
Querem apostar que até ao fim do Euro ainda vamos ter comentadores do calibre de um Rui Santos a asseverar-nos que a interpluridisciplinaridade é a chave do sistema de treino do Filipão?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a Vocabolário

  1. Vasco diz:

    Luís,

    Isso e o esticar do potencial polissémico. Esta semana li que, segundo um antigo treinador do Ronaldo, o sucesso do miúdo se explicaria por uma combinação de talento, maturidade e POSITIVISMO. Compte terá ficado satisfeito e o João Galamba um pouco mais irritado.

  2. Os futebolistas existem para jogar à bola, não para falarem.

    E então aqueles que falam na 3ª pessoa!

  3. Ana diz:

    estou aqui farta de me rir… eheh… não sei se consigo parar tão cedo… muito bom

  4. Algarviu diz:

    Esses preconceitos… Ainda não ouvi de nenhum futebolista mimos como “há – dem”. Algum que ousassse seria talvez convidado a comentar política na SIC.

  5. Luis Moreira diz:

    O saudoso Alves dos santos dizia: Aí está o Chalana a dar-lhe com o pé que tinha mais á mão! Pode ser uma anedota mas era a melhor descrição do que acontecia. E acerca do Simões:Aí está o piqueno grande jogador.O que descrevia exactamente a realidade.E o Nuno Braz:Oblíqua para a sua esquerda.Qual Arquitecto a descrever uma obra prima.

    Quanto aos jogadores a maior de sempre,João Pinto: Quanto a prognósticos só no fim!

    Uma delícia!

  6. mimi diz:

    Coleccionam notas de dinheiro.Elementar,meu caro ‘Watson’.

  7. filinto diz:

    A TMN quer convencer-nos que coleccionam MMS.

  8. Pedro K(Costa) Ferreira diz:

    A maior contribuição que o futebol luso tem dado ao léxico português é a frequência de uso do verbo “cumprir”.

    No futebolês legítimo, os jogadores cumprem contratos; cumprem os castigos; cumprem os pressupostos estabelecidos pelo treinador; cumprem calendário.

    Mas a verdadeira inovação é quando eles cumprem um treino (de longe o melhor uso do verbo) ou cumprem uma centena de chamadas à seleção.

    E o melhor elogio que um estreante pode ouvir da imprensa: “Cumpriu”.

  9. cristã diz:

    há uns bons anos, um treinador atira esta – que eu ouvi – a dois jogadores lesionados que conversavam à entrada de um estádio dos arredores de Lisboa: “ó rapazes, estaindes como querendes, nem treinaindes nem jogaindes”. ‘interpluridisciplinaridade’? ‘losangos invertidos’ e ‘voltas de 360 graus’ para mudar tudo? advérbios? Nã, dantes sim, verbinhos e dos bons!

Os comentários estão fechados.