Filosofia a peso

Era uma vez um filósofo tão, mas tão amante da liberdade que até defendia os fumadores com prosa do quilate de “properly used, tobacco makes a real and positive contribution to health” e “even the World Health Organisation, devoted to the seemingly blameless cause of helping the developing nations to overcome contagious diseases, spends far more time and energy trying to legislate against smokers”. Depois, descobriu-se que o senhor recebia uma mesada da indústria do tabaco para inspirar semelhantes louvaminhas. E que até andava a mendigar mais dinheiro, tendo em vista a excelência da sua colaboração para a fumarenta causa.
Mas ainda há quem leve Roger Scruton a sério. A atlante mais cândida recomenda um artigo onde este filósofo de aluguer acusa Foucault de, entre outras malfeitorias, “dar autoridade à rejeição da autoridade”. Defecando de passagem o seguinte comentário: “a sua morte de SIDA trouxe um fim às suas predações”.
Pergunta Scruton, talvez angustiado pelo fim do estipêndio: “o que aconteceu à razão?” Perguntaria eu o que é feito do bom-gosto e do bom-senso. Mas acho que nem vale a pena.

PS: é escusado comentarem o tal post, que a senhora é mais dada à leitura de badanas do que de comentários alheios.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a Filosofia a peso

  1. ezequiel diz:

    o scruton cruton é deveras original

    e muito perspicaz na sua interpretação de foucault que, diga-se, nunca acreditou que fosse possível acabar com a autoridade…a grande, ou uma das grandes, preocupações de foucault foi, precisamente, explicar COMO é q a autoridade se constitui historicamente!!!

    este scruton tá maluco!!!! e a senhora que o cita mais maluca está…
    é caso para dizer…trés bien 🙂

  2. ezequiel diz:

    nunca vi liberais, neo ou outros, a defenderem a “autoridade”, assim, desta forma…eu defendo algumas coisas que legitimam a autoridade…mas …falar da “autoridade” (como se esta fosse uma essência Galambiana…eh eh ehe hey Johnny, just kiddin mate! 🙂 assim, comme ça, bolas, até a minha avô conservadora era mais liberal…e fazia uma tegelada de limão…coisa orgásmica!! eh eh ehe 🙂

  3. Daniel Marques diz:

    É engracado que alguem que nao tem pejo em misturar a sua actividade profissional com a politica nomeadamente prestando servicos de publicidade ao BE esteja tao pronto a atirar pedras.

    Enfim, pecadores somos todos e atacar a pessoa em vez das ideias é chao que deu uvas. O Luis Rainha costuma ser bastante mais metodico, trabalhador e preciso.

  4. ezequiel diz:

    “Enfim, pecadores somos todos e atacar a pessoa em vez das ideias é chao que deu uvas. O Luis Rainha costuma ser bastante mais metodico, trabalhador e preciso.”

    este gajo é uma jóia de pessoa

    A malta não ataca pessoas mas, porreta, ó Luís Rainha!! tens que ser mais metódico…(deves ser um desorganizado do caraças! 🙂

    mais trabalhador (porra, apanhar com o estigma do preguiçoso não deve ser coisa fácil…estás condenado a recipiente activo dos fundos do estado…sorte miserável! )

    e PRECISO…aquele spin de performance maximization…ouviste pá, Preciso!! nada de divagações despropositadas, nem de devaneios literários…tens que ser preciso!! mede os passos, calcula os movimentos…a precisão é coisa de Suíços …e há tantos suíços hospitaleiros, cosmopolitas, tolerantes, abertos…nice!! you dont have to be square to make it Daniel:)
    pensando bem, eu acho que tb preciso de aprender a ser esta coisa do preciso. vou arranjar uma coleira gps e um uniforme da guarda suiça…! tá decidido.
    Daniel, ou estou zonzo de sono e incapaz de compreender as subtilezas sinuosas das suas elegantes metáforas (uufa) ou então estou a ficar, como diz o meu melhor amigo, a bit retarded…

    i shit you not 🙂

  5. LR diz:

    Daniel,
    Não me parece que alguma vez tenha feito segredo do meu trabalho para o BE. E não estou a perceber o que tem isso a ver com alguém que recebe mesada de uma tabaqueira para misturar (como quem não quer a coisa) algumas loas aos cigarritos no meio das suas prédicas em prol da Liberdade…

    Ezequiel,
    Com uma encomenda tão exigente, acho que vou ficar mais um mês sem conseguir postar.

  6. Daniel Marques diz:

    Caro Ezequiel,

    take it easy
    Não procure sentidos ocultos no meu discurso. Devia ler mais Foucault.

    Caro Luis,
    A ligacao à JTI era conhecida dos jornalistas há algum tempo. O contrato incluía a publicacao de um briefing patrocinado pela JTI e editado pelo Roger Scruton. Esse briefing é publicamente distribuído à 2 anos. O RS há varios anos que ataca publicamente o anti-tabagismo politicamente correcto. Note-se ainda que estamos a falar de opiniões para leitores sofisticados e não propriamente de alimento de massas

    O Luis chama a isto chama mesada da tabaqueira. Eu chamo a isto juntar o trabalho ao prazer. Daí a ligação com o seu trabalho para o BE.

    Disclaimer:
    – não fumo e apoio as leis do fumo
    – gosto muito dos livros do scruton sobre filosofia

Os comentários estão fechados.