Cromos da bola

O futebol, é sabido, é uma “caixinha de surpresas”, mas ainda assim há sempre quem consiga ir além da Taprobana e arrancar dos velhos cépticos e desencantados em que nos tornámos um primal scream de espanto, que nos devolve a alegria infantil e inocente há muito perdida. É por isso que o dia deve começar sempre por uma leitura atenta e metódica da imprensa desportiva, maxime pela coluna do incomparável Rui Santos; lê-lo é pois, mais do que uma higiene mental, um rejuvenescimento da alma, e um rasgar de horizontes que enriquece e enleva, até à estratosfera do pensamento. Oiçam-no no “Record” de hoje: “Nas organizações que cultivam o rigor, o ‘empirismo-vampirista’ já foi enterrado no cemitério da improvisação e de uma bacoca mesmidade”. Bem-hajas, bom Rui, por iluminares as nossas manhãs, dissipares as nossas agruras de sportinguistas e nos reconciliares com a vida.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Cromos da bola

  1. JN diz:

    é bom saber que o rui santos tem tantos amigos e eleitores, depois da última tentativa de esclarecimentos anónimos

  2. mariadosol diz:

    O Rui Santos (cujo estilo não aprecio) não é nem foi praticante significativo de qualquer modalidade desportiva (que se saiba). Que eu saiba a profissão dele é …. É jornalista.
    Pergunta genuinamente inocente: Porque é que o título do post não é cromos do jornalismo?

  3. António Figueira diz:

    Resposta inocente a uma pergunta inocente: Porque Rui Santos é um jornalista… da bola, e ficava muito comprido escrever “cromos do jornalismo da bola”, além de que eu sou um saudosista, adoro reviver a meninice encantada, e quando eu era pequenino não fazia colecção de “cromos do jornalismo”, só de “cromos da bola”, portanto tinha de ser “cromos da bola”, expliquei-me bem?

    Ao JN: Eu sou contra que se bata no Rui Santos, por razões de princípio (sou contra que se bata em geral) e de mera oportunidade (para não cortar o pio a tão bela ave canora).

  4. Nuno diz:

    Precisamos de mais Ruis Santos! Não aprecio muito o estilo da escrita, no entanto pensa pela cabeça dele e diz verdades inconvenientes de situações que nos entram pelos olhos dentro, desagradem a quem desagradarem, por exemplo a grityante incompetência e amadorismo do dirigismo e o pouco profissionalismo dos jogadores face às actuais exigências do sector!

  5. ezequiel diz:

    empirismo-vampirismo

    isto faz-me lembrar o Paulo Bento, não sei porquê????

    cumps
    ezequiel

  6. ezequiel diz:

    Caro António

    será q poderias enviar-me um email, s.f.f.

    cumprimentos, ezequiel

  7. mariadosol diz:

    Ok. AF . Fiquei esclarecida. Afinal, é tudo mesmo inocente. Ora… o título do post é assim por uma questão de background do autor e de espaço do blog! E eu que ainda imaginei que houvesse uma qualquer distinção subentendida entre “bola” e “futebol” …entre jogar e falar acerca de peripécias do jogo…ora bem …

    :)) (sorrisos lúdicos e cheios de fair play)

  8. António Figueira diz:

    Ezequiel,

    Escrevi-te ontem para o ezequielsilva21@nullgmail.com, mas pelos vistos sem resultado; queres enviar-me outro endereço?

    Obrigado,. AF

  9. ezequiel diz:

    Caro António
    dá-me o teu endereço, s.f.f.
    abraço
    ezequiel

  10. Pingback: cinco dias » Cromos repetidos

  11. greencard diz:

    Estes são não meus surprising anymore, mas agradecimentos.

Os comentários estão fechados.