Serenidade olímpica

 16tibet-span-600.jpg

Estou capaz de jurar que ouvi hoje um senhor do comité olímpico português a clamar contra a mistura “entre o desporto e a política”. Que são coisas diferentes, dizia. Que seria impensável apelar a um boicote aos Jogos a propósito de algo tão comezinho quanto a repressão no Tibete. Mas claro que todos hoje sabemos que a “política” é suja e contagiosa. O espírito olímpico, mais os seus santos Mcpatrocínios, é que é coisa imaculada e salvífica, digo eu. Tudo menos tirar o circo à malta.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

13 respostas a Serenidade olímpica

  1. Maria João Pires diz:

    E não reparaste q o mesmo senhor acrescentou,em tom veemente,q,e cito,”o Tibete é assunto interno da China”?

  2. Houve boicote aos jogos de Moscovo e de Los angeles( 80/84). Por razões políticas. Qual a diferença para Pequim?

  3. Luis Rainha diz:

    “Assunto interno”, claro. Tenho pena de não ter dado com essa peça no site da TSF; acho que fechava com algo como “quanto aos políticos, isso são problemas pessoais”.

  4. Maria João Pires diz:

    Pois, também gostei muito dessa, infelizmente a TSF não disponibiliza o som. De qqr forma fica aqui o link para a notícia: http://www.tsf.pt/online/internacional/interior.asp?id_artigo=TSF189557

  5. A recusa ao boicote é pura hipocrisia!

  6. maradona diz:

    “Circo” é a senhora sua tri-tia-avó por parte do ex-cunhado do seu genro. Não percebo esta embirração com os Jogos olímpicos. Não misturar “desporto com politica” é não tomar decisões desportivas por causa de motivos politicos. Sempre que assim não foi, ninguém ganhou e saiu a perder uma unica coisa: o desporto, perdão, “o circo”.

  7. Luis Rainha diz:

    E que tens tu, ó santa alminha, contra o circo? Por mim, não embirro contra nenhum tipo de jogos, com ou sem leões.
    Mas afinal optar pelo boicote seria “decisão desportiva” ou simplesmente uma legítima opção política? Não seria antes uma questão de tentar proteger os direitos de algumas pessoas? E que irrecuperáveis perdas é que anteriores decisões p. (é melhor nem lhe escrever o nome todo) causaram ao sacrossanto Desporto?
    Se calhar há gente que até em Treblinka iria assistir a uma partidita de ténis de mesa, desde que o espectáculo desportivo fosse fixe. Que façam boa viagem.

  8. ezequiel diz:

    Os mcpatrocinios ao comité central terão que acabar.
    A partir de hoje é só noodles e chow mein.

  9. ezequiel diz:

    ps: Na china, a carninha é muito cara.
    carninha orgânica para a nomenklatura iluminada
    E as deliciosas trufas selvagens podem ir para a carneirada

  10. M. Abrantes diz:

    Os jogos têm um enorme significado para uma boa parte do mundo. Relembro que só não aconteceram no decurso das duas grandes guerras, isto desde 1896. Até agora foram mais ou menos bem defendidos de manipulação política explícita (boicotes, atentados, etc). Na altura em que deixarem de o ser, receio que deixem também de acontecer. Em que é que isto contribuia para a nossa felicidade?

  11. JP diz:

    Se a China não rever as suas posições relativamente ao Tibete, e ao genocídio que está a ocorrer no Darfur, é mesmo necessário boicotar os jogos, quer as multinacionais europeias e americanas queiram ou não queiram. Alguém que ponha termo a esta escandalosa globalização dos interesses e da hipocrisia. É hora de dizer BASTA, somente porque aquelas viram forma de aumentar as suas mais valias à custa do trabalho escravo chinês, em troca da abertura dos mercados ocidentais, e da pressão negativa sobre as conquistas sociais dos europeus. Uma pouca vergonha! Façam favor de subscrever as petições que circulam na net e apoiem no que puderem. E por falar em serenidade olímpica, tenho que referir que é aquela que todos vós demonstram quando nas vossas barbas o governo manda desmantelar o Museu Nacional da Ciência e da Técnica. Só mesmo em Portugal!!! Será que ninguém percebe a gravidade deste crime? A perda do seu espólio…. Estava mal onde estava, mudassem-no! Mas o pior é que ninguém quer saber… ninguém se indigna! Outra vergonha! Esta bem perto de todos nós… Por favor assinem essa petição também – vd blogue “Amigos da Cultura”!

  12. Olaio diz:

    Não percebo porque é que se deve apelar ao boicote aos jogos. Então se os seguidores do “pacifico” e “puro” Dalai Lama é que exercem a repressão e a violencia sobre as outras etnias, porque é que é que se iria fazer isso?

  13. JP diz:

    Ninguém está contra os Jogos. Eu gosto muito dos Jogos. Sem dúvida. Mas temos que ser realistas e, acima de tudo, não podemos ser egoístas. Os Jogos nestas situações terão que estar do lado da paz. Esse é um dos princípios fundamentais dos próprios Jogos. E o meu amigo Olaio compreenderá que eles mexem com muitos interesses. Por isso, há uma oportunidade de ouro para obrigar um país injusto a ficar mais justo. O reino tibetano sempre foi cobiçado pela China. Há cerca de 58 anos a China comunista ocupou-o por ordens de Mao Tse-Tung, mantendo-o subjugado desde essa altura. O povo tibetano deverá ter a nossa solidariedade, pois, se estivessemos no lugar deles, também a desejaríamos. No fundo, até foi bom terem escolhido a China para organizar os Jogos. Saíu-lhes o tiro pela culatra, tendo o povo tibetano um meio único de reenvindicar ao mundo o país que lhe roubaram. Além disso a China apoia os principais responsáveis pelo genocídio que acontece no Darfur. Hoje! Não são razões suficientes para se usarem uns meros jogos, quer se queira quer não, para obrigar a China a repensar as suas politicas injustas e, até, crueis?

Os comentários estão fechados.