“Uélcome tu Portugal”

cartaz.jpg
A sinceridade é coisa boa. Admitir com candura os nossos defeitos também; revela conhecimento das limitações próprias e indicia vontade de evoluir. Por isto, parece-me bem que a Carris afixe publicidade às suas excursões nos autocarros que recolhem os visitantes dos aviões no aeroporto de Lisboa. Com reclames como o que acima se reproduz, os turistas ficam logo a saber onde desembarcaram. Numa terra de morcões semi-letrados, numa aldeia povoada por indígenas que julgam que sabem escrever Inglês mas que se contentam em produzir delírios numa língua muito própria: o broken english dos parolos pretensiosos.
Mas não deixa de ser admirável a quantidade de erros que se conseguem encaixar em quatro singelas linhas. Confusão entre verbos, ataques à noção de concordância e à ortografia… e um retrato do “desenrascanço” tuga em todo o seu miserável esplendor.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

19 respostas a “Uélcome tu Portugal”

  1. FuckItAll diz:

    Também é uma empresa pequenina, é só o senhor Carris, a mulher e os moços, se calhar não tiveram vida para estudar inglês, coitados.

  2. Tárique diz:

    Pelo que sei as ementas, guias, etc. em alemão ainda são mais insultuosamente gralhadas.

  3. FuckItAll diz:

    Não me custa nada a acreditar, Tarique, mas há (ou esperava-se que houvesse) uma diferença entre um restaurante e uma empresa com a dimensão da Carris…

    (associação de ideias: sempre que vejo um filme em chinês, japonês, árabe ou outra qualquer língua de que não tenha a menor luz, lembro-me das belas traduções que vemos fazer do inglês ou francês e percebo que me pode estar a passar muita coisa ao lado)

  4. ‘a unforgiven journey’ é liiiiiiindo. mas, ó dr luís rainha, não é ‘murcão’?

  5. Yana diz:

    Deus Meu, Senhor Jesus Cristo! Isto não é uma brincadeira de photoshop?!?!?!?!

  6. Luis Rainha diz:

    dr.ª fc, segundo a MorDebe — a minha fonte preferida nestes assuntos — “morcão” existe mesmo e até tem o simpático feminino “morcona”. O dicionário da Texto Editores segue pelo mesmo caminho.

  7. Luis Rainha diz:

    Yana,
    Tirei a foto eu mesmo, ainda ontem.

  8. fuckit, para mim uma das mais impagáveis traduções que vi em cinema foi no terminator 3. o puto diz para o gov da califórnia/cyborg: ‘don’t shit with me’. e a legenda diz… ‘não me sujes’. eheheheh

  9. ‘morcona’? safa. olha, pois que estava convencida que se dizia murcão. sempráprender.

  10. Então não, Luís? Morcões e morconas à fartazana.

  11. Luis Rainha diz:

    Traduções maradas? Só o “Naked Lunch” do Cronenberg levou com umas quantas. Exemplos: “It will have to take a rain check” — “Vou ter de me proteger da chuva” e “I can feel the heat (a polícia, dado o contexto) closing in on you” — “Consigo sentir o teu calor interno”. Li isto há décadas e ainda hoje me assombra.

  12. Pingback: cinco dias » Já que a discussão…

  13. FuckItAll diz:

    Obrigada aos vários contribuidores, já tenho outra vez a criança a olhar para mim com ar de estranheza, “pruquéque estás a rir, mãe?”

  14. mário diz:

    já agora, partilharia uma curiosidade mui saborosa que em tempos partilhei com a fuckit: um livro (artigo, whatsoever) traduzido por uma lusa antropóloga (ou socióloga), sobre uma temática associada à homosexualidade (atenção, não era uma frase solta), e onde às tantas, a expressão “gays and dikes” era traduzido por “homosexuais e diques”… era mais ou menos isto, não era fuckit? cândido!

  15. teresa diz:

    eu vi/ouvi uma tradução fantástica também, que esta deve ter a ver com a Terra do Nunca. Num filme de que nem o nome lembro, visto na televisão, traduzem L.A. por “Ellay”… É mas ÉLindo….

  16. FuckItAll diz:

    Não me lembro da primeira parte (acho que não era gays, era um termo de calão equivalente), muito menos da tradução – mas dikes era traduzido por diques, sim, e a tal primeira se bem me lembro por outro disparate qualquer. É na tradução dum livro do Giddens por uma antropóloga, aliás uma bela antropóloga – que foi minha professora e por quem tenho todo o respeito intelectual. O caso servia-nos justamente para demonstrar como nisto de traduções, como noutras coisas, em todo e até no melhor pano cai a nódoa. It’s an hard and fascinating work.

  17. Miguel diz:

    Venha daí a informação, que campanha é essa?

  18. FuckItAll diz:

    Ups, o comentário em nome do Miguel era meu. E ups!, só depois de fazer enter é que reparei no link, Tárique, está dada a informação. Aqueles malvados!

Os comentários estão fechados.