Count thy blessings, hermano!

cuba_victim06-07-2005b.jpg

Ante a perspectiva de por fim ver Castro pelas costas, Bush já saliva: veio pedir eleições livres e justas em Cuba —  «not these kind of staged elections that the Castro brothers try to foist off as true democracy» — e garantir que «os EUA vão ajudar o povo de Cuba a concretizar as bênçãos da liberdade».
Nem me passa pela ideia pensar que as eleições cubanas — em que nunca são sufragados projectos político antagónicos aos do poder — são coisa sequer discutível. Mas que seja um presidente que chegou ao poder da forma que todos recordamos a fazer tal reparo, isso já me faz sorrir um pouco.
Mais irónica ainda é a história das «bênçãos» que em breve choverão sobre Havana, oriundas de Washington ou de Miami. É que os cubanos já tiveram algum vislumbre dessas piedosas oferendas: através das acções da Fundación Nacional Cubana Americana, subsidiada durante anos com dólares do National Endowment for Democracy, e de malta como Luis Posada Carriles.
Este ex-agente da CIA foi um dos autores do atentado bombista ao voo 455 da Cubana de Aviación, em 1976. Neste acto de terrorismo, morreram 73 pessoas. Isto sem esquecer as bombas que, em 1997, rebentaram em vários hotéis de Havana; mais obras de associados da FNCA. Os EUA comprovadamente sabiam disto, mas os generosos subsídios “for Democracy” continuaram.
Pelo que se vê, nem todo o terrorismo é mau. E alguns terroristas, como Orlando Bosch, até podem ser boas pessoas, merecedoras de acolhimento caloroso — e de generosa indulgência — por parte do clã Bush.

Entre a possibilidade de mais uma dinastia socialista e amigos assim, os cubanos estão bem tramados.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a Count thy blessings, hermano!

  1. CARLOS CLARA diz:

    Parabéns!, Luis Rainha. Não porque tenha que dar parabéns à sua competência documental, mas pelo assunto que abordou, num blog onde os posts começam a ser dos lindos,das lindas e dos galhardetes entre amigos. Os americanos sempre tiveram a presunção de tudo julgar e em tudo o que é política externa tomarem uma atitude superior, transformando ideologicamente as suas próprias causas, por vezes tão sujas, um poço de virtudes de ideologia democrática. A Europa, um tanto perdida tem colaborado de forma tonta. Assim, o terrorismo tem sido tratado apenas para um dos lados, deixando dentro da gaveta outros terrorismos, já para não falar da superioridade branca igualmente cara à Europa dos Direitos Humanos. Não me interessa de todo a cor da politica, fico pelos factos. Lembram-se da Cuba sob a pata Americana proclamadora da liberdade? Eu lembro-me.

  2. Ainda às voltas com o mito do «um presidente que chegou ao poder da forma que todos recordamos»?

    Mas se ele ganhou as eleições, de acordo com o sistema federal dos eua, qual o problema quanto ao modo «como chegou ao poder»?
    Foi ter menos votos que o adversário? Não foi o primeiro. Foi o 4º presidente a ser eleito nessas circunstancias.

    http://edition.cnn.com/SPECIALS/2001/florida.ballots/stories/main.html

  3. Al diz:

    Bem, mas tem alguma coisa contra eleições livres e justas em Cuba? Ou não são convenientes? Talvez o povo não esteja preparado.

  4. Luis Rainha diz:

    Gabriel,
    Falo, naturalmente, da recontagem abortada da Florida, não do maior voto popular.

    Al,
    Onde é que foi buscar essa ideia? Disse mal das “eleições” que por lá têm; mas onde é que me leu a escrever isso que insinua? Haja pachorra.

  5. al diz:

    Insinuo? Onde? Porque diz que insinuo? Para dizer que precisa de paciência e magnanimidade?

  6. Luis Rainha diz:

    Nada disso. Aprecio o seu entertainment value.

  7. Al diz:

    Infelizmente, não posso dizer o mesmo. Li o Perelman muito novinho.

Os comentários estão fechados.