Fazer a festa, lançar os foguetes

 scs1.jpg

A propósito da agressão com que um aluno de 14 anos brindou o presidente do Conselho Executivo da sua escola, lê-se no Atlântico um irado desabafo do bravo André Azevedo Alves. Este preclaro paladino da ordem acha muito mal que a «esquerda portuguesa aponte sempre que o que faz falta é mais “social”». E lá vão «segurança e ordem pública» para o maneta, coisa natural num país sempre de joelhos ante «a ânsia de conformidade com os ditames do politicamente correcto».

Para provar esta acusação, AAA apresenta-nos dois links. Pensar-se-ia que pelo menos um deles apontaria caminho para um comunicado do Bloco a recriminar o professor por ter o crânio tão duro que magoou a mão da pobre criança. Mas não. As duas ligações vão parar ao mesmo sítio: um post de outro blog do AAA, o Insurgente. Neste texto, um tal Luís A. Silva congemina, por entre uns quantos erros de ortografia, uma fábula presciente em que adivinha reacções ao caso, oriundas de sindicalistas, juízes, autoridades, etc. O clímax da fantasia: «Sobre responsabilidade, nada.» Isto à mistura com uma insinuação crápula acerca da «língua de origem dos avós» das pequenas e impunes almas criminosas.

Afinal, a tal «esquerda portuguesa» já nem precisa de dizer disparates. Estes vates apatetados encarregam-se de a acusar daquilo que eles imaginam que ela poderia vir a dizer! Não há fontes nem vislumbres de realidade a apoiar a tese? No problemo, lança-se mão dos delírios de correligionários.

Ah; já agora, a resposta de AAA a este triste caso é fulminante: «que tal baixar a idade de responsabilidade criminal?» Já o humanista Portas se tinha lembrado de recomendar cadeia (esse templo luso da reeducação) para os bandidos de 14 anos. Eu, se fosse ao AAA, apanhava-os logo na pré-primária, antes que aprendam a ler e se transformem em irresponsáveis esquerdistas.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

12 respostas a Fazer a festa, lançar os foguetes

  1. Quem não tem filhos ou os tem em escolas privadas, que curiosamente não recebem este tipo de alunos, pode falar assim. Quem vive no mundo real e convive com estas coisas todos os dias tem uma opinião diferente, baseada em factos, longe das teorias…

  2. E qual é a sua própria opinião sobre o assunto – a agressão física a um professor por um aluno de 14 anos?

  3. António Figueira diz:

    Aos comentadores que precedem:
    Eu parece-me claro que o Luís Rainha – que, já quando era pequenino, agredia profs e incendiava salas de aula – é favorável a todo o tipo de agressões nas escolas. Aliás, é claramente esse o sentido do post dele – promover a irresponsabilidade e acusar quem promove a responsabilidade social (o sábio AAA) de desvio autoritário. Como é que V. não perceberam logo?

  4. tric diz:

    “Eu, se fosse ao AAA, apanhava-os logo na pré-primária, antes que aprendam a ler e se transformem em irresponsáveis esquerdistas.”

    eu não diria tanto! mas pelos vistos o Gays gostam de os doutrinar logo na pre-primaria…

    “O Livro de Pedro’ Maria conta à filha a história da sua infância feliz mas incomum, já que Maria teve dois papás: o Pedro e o Paulo… A história termina com a filha de Maria em casa dos avós, Pedro e Paulo, numa excitação digna de aniversário e natal em simultâneo. ”
    http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=277878&idselect=13&idCanal=13&p=200

    até estranho que esta noticia tenha passado em branco aqui no cinco dias , afinal é um grande passo a caminho do Portugal civilizado…

  5. Luis Rainha diz:

    Sofia,
    A opinião que neste momento posso ter já a dei: tratou-se sem dúvida de um «triste caso». Uma agressão, seja lá a quem for, parece-me má; quando o agredido é um professor, pior. Mas, só com base na notícia lincada, nada mais sei: se o agressor é apenas mal-formado e violento, se sofre de problemas psiquiátricos, se andará por aí qualquer coisa mais, como problemas de toxicodependência, etc., etc.
    Como não sofro de “síndroma João Miranda” não consigo emitir doutas opiniões e atribuir culpas quando pouco mais que nada sei.

    Kruzes,
    Não estou mesmo a ver o que é isso do «falar assim» neste contexto. O facto de os posts em questão serem tontos está ligado às escolas que os meus filhos frequentam?

    António,
    Tu é que me topas bem, pá. Bute escavacar uns BMWs logo à noite?

    Tric,
    Se tivesse tido acesso a tais livros no seu tempo de infante, talvez andasse hoje menos dilacerado…

  6. Pingback: blogue atlântico » Blog Archive » Sobre responsabilidade, nada (2)

  7. tric diz:

    Tric,
    Se tivesse tido acesso a tais livros no seu tempo de infante, talvez andasse hoje menos dilacerado…

    sim , ouvi para que não seja cometido o mesmo erro que cometeram comigo , esse livro vai ser de leitura obrigatória em todas as creches publicas… há que doutrinar as criancinhas !

  8. Pingback: O Insurgente » Blog Archive » O que faz falta é mais “social” - III

  9. Cfe diz:

    «Sobre responsabilidade, nada.»

    Após tantos e brilhantes comentários, chego a mesma conclusão.

  10. mad diz:

    Já que deu a ideia de escavar uns BMW´s, que tal se “dá na mona” dum puto de 12 anos escavacar o seu carrito? depois é simples, é só aplicar a sua receita, ou seja, ver “se o agressor é apenas mal-formado e violento, se sofre de problemas psiquiátricos, se andará por aí qualquer coisa mais, como problemas de toxicodependência, etc., etc.”

  11. Luis Rainha diz:

    Que parvoíce. Onde é que falei de “receita”, ó alma tonta? Apenas enumerei eventualidades cuja presença não conseguimos por ora avaliar, sem o que não poderemos já emitir grandes e doutas sentenças, no que toca à tal necessidade de “mais social”. Para a próxima, deixo-lhe aqui um diagrama.

Os comentários estão fechados.