A brincar, a brincar…

Tenho mesmo de agradecer à estimada Bomba pela sua perfeita ilustração da caricatura que deixei no post abaixo. Ao que parece, a senhora deixou de gostar de Barack Obama porque ele teria recebido educação islâmica (“tenham lá paciência, mas não dá”) e é o candidato de que Daniel Oliveira gosta (“um sinal de alarme evidente”).
Fazer uma escolha com base numa mentira (como até a Fox reconheceu) e num reflexo condicionado. Há graças reveladoras, lá isso há.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a A brincar, a brincar…

  1. Se eu lesse a Bomba só se fosse como “guilty pleasure”. Agora é verdade que ao lê-la se descobrem pérolas destas.

  2. José Nunes diz:

    Ora, não sejam maus.

    A bomba é leve e inofensiva.

    É uma espécie de bombinha de mau cheiro, mas ao contrário.

    Se explodisse largaria serpentinas. O que também é bom, para nos deixar bem dispostos.

    Claro que escreve naquela revista de direita que agora parece que foi comprada pelo Compromisso Portugal, mas não vale a pena perderem energias com ela.

  3. Mas essa tal “bomba” é para levar a sério?
    Já se sabia que até à data das eleições tinha que ir parrar à direita.
    O resto são “fitas” para blogues verem.
    È como um tal Castelo-Branco por aí muito incensado (não é o conde) que se “apaixonou” pelo Telmo Correia na corrida em Lisboa.
    Quando lhe perguntei por mail, como assim? Deu uma resposta esfarrapada, estilo, gostei muito do que ele disse na televisão.
    São assim estas prima-donas da direita benzoca!

Os comentários estão fechados.