O estado da corrupção

Contava-se, como piada, que os portugueses gostavam de ser como os italianos. Estes são corruptos e ricos. Infelizmente, os portugueses não são ricos.
As polémicas sobre a corrupção em Portugal são tão endémicas como o arquivamento dos processo de colarinho branco. Gente como Pacheco Pereira e Lobo Xavier reclamam menos Estado nos negócios, como forma de garantir a transparência. Estranho argumento. É como dizer que a única forma de garantir políticos não corruptos é acabar com a autonomia do político em relação aos interesses económicos. Será o Estado o garante de equidade ou motivo de corrupção? Uma polémica interessante na internet. Acompanhem os argumentos pela mão de Paulo Pinto Mascarenhas e de João Rodrigues:


“O segundo grupo, aquele que realmente me parece interessar, é formado pelos que procuram diagnosticar o problema da corrupção e propor um antídoto eficaz. É o dos que denunciam o excesso do peso do Estado na economia e na sociedade como uma das principais causas da promiscuidade entre agentes públicos e privados. Sem desculpar ninguém, é este Estado gordo e lento o primeiro favorecido com a situação existente. É a burocracia desta ferrugenta máquina estatal que se alimenta do “pequeno favor” ou do “envelope com uma pequena lembrança” de que tantos falaram e escreveram ao longo dos tempos na literatura ou nas colunas dos jornais.” Paulo Pinto Mascarenhas

“A corrupção não está relacionada com o peso do Estado. Se estivesse os países europeus, com os países escandinavos à cabeça, seriam os mais corruptos e menos transparentes. A diversidade de situações aconselha por isso cautela. As causas da corrupção temos de as procurar na fraqueza e falta de autonomia do Estado e dos seus agentes e na falta de escrutínio democrático do seu funcionamento. E não nos esqueçamos que a corrupção, como afirmou Michael Walzer, representa sobretudo a entrada do poder do dinheiro em esferas que deveriam funcionar com base noutros critérios.” João Rodrigues

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a O estado da corrupção

  1. José Nunes diz:

    Paulo Pinto Mascarenhas, o assessor de Portas é que tem razão: Obviamente que se houvesse menos Estado, o Ministro da Defesa e o Ministro do Turismo, ou seja, Portas e Telmo Correia não teriam tido oportunidade de digitalizar milhares de documentos ou de “tomar conhecimento” de inúmeras decisões.

    Abaixo o Estado!

  2. ernesta diz:

    E se fôr um dois em um? Demasiado peso e pouco escrutínio?

  3. Camarada Nuno, só para avisar que o linque dos Ladrões dá erro (http a mais). Quanto à substância do poste, conto responder.

    abraço

  4. Luis Rainha diz:

    Que alguém sequer remotamente ligado ao PP de Portas abra a boca em semelhante debate… é mais eloquente do que 300 posts sobre a desvergonha que campeia neste pobre arremedo de país.

  5. CARLOS CLARA diz:

    O que se tem revelado nos últimos dias pouco ou nada junta ao que já se percebia, tinha constado, ou investigado (?). A repugnância que sobre nós paira sobre tais actos, creio que também não aumentou. De vez enquanto dizem-se umas coisas. Surgem indignações de mau pagador. Descobre-se um pouco mais sobre a teia. Alguns dos que contribuiram para tal estado de coisas até têm a veleidade de parecerem moralistas. Depois, tudo se acalma e regressa ao ritmo normal. Não se mexe, porque começa a cheirar demasiado mal. E a comunicação social deixa-se de contestações, partindo para um qualquer sensacionalismo desonesto que foi atirado por uma janela fora. Arquive-se.

  6. João José Fernandes Simões diz:

    Vinha mesmo a calhar um boneco feito aí pelos artistas do 5dias.net para… (venham lá se descobrem a quem me refiro, porque ainda me fodo, ou me fodem, para ser mais preciso, se digo o nome).
    Assim com uma boca muito aberta, pelo menos na proporção ao tamanho dos óculos, e da testa.
    É que o comissário (político) do barbas à judas mandou a banhos o tipo que bebia uns copos por dizer umas verdades, agora, que o digaláexcelência disse asneiras do tamanho duma carroça, apesar de, supostamente, só beber água, ningúem o manda de volta para lá do Douro, que foi de onde ele veio, suponho.
    Que pena que eu tenho de não saber desenhar.

  7. João José Fernandes Simões diz:

    Li agora, agora mesmo, no Bicho Carpinteiro que «Fiquei siderado com a declaração do director da Polícia Judiciária sobre uma certa «precipitação» em constituir os dois McCann arguidos no caso Maddie. Dias antes lera qualquer coisa sobre diligências em curso para pedir novos esclarecimentos em Inglaterra por intermédio do Eurojust, diligências aliás sujeitas a reservas por parte das autoridades judiciárias britânicas. Acresce que o bastonário da Ordem dos Advogados apresentou um quadro inquietante do modo de funcionamento desse importante corpo policial. O que deve o cidadão pensar da PJ?»

    Sendo assim, venha lá o boneco para o Bicho (… Carpinteiro).

  8. luis eme diz:

    Se houvesse menos estado, seríamos um país ainda mais miserável, com mais gente a viver abaixo do limiar da pobreza…

    É importante desmascarar estes moralistas de pacotilha, da tal direita liberal, que fotocopia “confidencial” e assina de “cruz”.

    Neste país há demasiada gente a esconder-se atrás do: «olha para o que o digo, não olhes para o que eu faço.»

  9. Carlos Fonseca diz:

    Corrupção em Portugal não existe. É como os pinguins, só no Jardim Zoológico, em pequena quantidade, e por amável apoio de alguns ‘sponsors’. Sem efeitos sociais.
    Todos os nossos Ministros, os Primeiros, os Segundos, os Terceiros e os Enésimos, todos os os nossos autarcas, todos os nossos empresários e membros de associações patronais e sindicais têm sido sido criteriosos e honestíssimos utilizadores dos fundos públicos e europeus em que se sentam. Nada se lhes pega ao trazeiro, mesmo daqueles que vibram com excitante e fálico sentar! Não se rompem, nem se corropem! São muito ‘caudalosos’ com a coisa pública, e com a privada também.

  10. Nuno diz:

    Liberais? É para rir! São conservadores católicos (nem todos, nem todos q isto das generalizações dá asneiras) que se apelidam de liberais! Deve ser para se enganarem entre eles pq não enganam mais ninguém!

  11. ruibarbo diz:

    Corrupção e estado…é pa rir. É justamente onde o estado é mais desestruturado que se verifica a maior corrupção, vide América Latrina, África, etc. A correlação é justamente a contrária.

    Estes gajos da direitinha conservadora já nem têm cerebrelo. Tornaram-se absolutamente pavlovianos: só salivam!

Os comentários estão fechados.