Relendo A Relíquia

Quando há dois anos vi o “Match Point”, do Woody Allen, e aquela cena do anel que faz um ricochete mais que improvável, e da bola sobre a rede que cai onde menos se espera, e do gajo que acaba por se safar sem saber como, ri-me sozinho, de um riso que mais ninguém podia perceber. Afinal, tinha acabado de passar por uma cena dessas – mas ao contrário: o “destino”, chamemos-lhe assim por facilidade, devidamente ajudado por um bando de sacanas encartados, tinha conspirado contra mim, e uma série causal de insignificâncias e irracionalidades tinha tido por resultado prático lixar-me a vida. Não foi morte de homem, virei-me para outro lado, mas achei graça à ideia, pelos vistos universal, de que a vida de um tipo pode depender de um rodar de polegar dos deuses, maiores ou menores.

Mas eu não precisava de ter esperado por Woody Allen para ter essa revelação. Relendo há poucos dias “A Relíquia”, e a espantosa cena em que o Raposão, deserdado pela Titia quando se verifica que o embrulho que era suposto transportar uma relíquia de Nosso Senhor continha afinal as cuecas de uma pega inglesa, se autoflagela por não ter tido a presença de espírito suficiente para imposturar mais uma vez e sustentar que as cuecas em questão tinham vestido antes o rabo bíblico de Maria Madalena, percebi que a história da moeda ao ar na vida de um tipo, da bola que toca na rede e simplesmente cai para onde aquilo a que chamamos acaso a manda cair, já tinha sido contada. Queixou-se o Raposão de que, no momento certo, lhe tinha faltado o “descarado heroísmo de afirmar”; de facto, há uma certa lata que eu também não tenho, azar meu.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Relendo A Relíquia

  1. antónio, escreves – e pensas – tão bem que até enervas

  2. Ana Matos Pires diz:

    Mas às vezes não lhe apetece cortar o polegar maior do tal deus, António?

  3. António Figueira diz:

    f., speechless, obrigado.
    ana, certamente, mas de forma organizada (partido dos cortadores de polegares?)

  4. Ana Matos Pires diz:

    Curiosa sigla, meu querido amigo… eheh

  5. ezequiel diz:

    as always…superb!

    abraço, ezequiel

Os comentários estão fechados.