Ricas prendas

Li isto em qualquer lado que não me lembro, mas é uma ideia genial. Alguém farto de gastar balúrdios em prendas e de receber em troca uma data de porcaria teve uma ideia fantástica: a reciclagem! Aperfeiçoou tudo em dois passos. No primeiro , deu as prendas que recebeu no ano seguinte a outras pessoas. No segundo, percebeu que havia uma forma muito mais simples; passou a devolver as prendas aos próprios no mesmo dia. Foi um sucesso, as prendas eram tão más que se confundiam com todas as outras e ele não gastava um chavo a dar nozes a quem não tem dentes. Há qualquer coisa de justiça poética no acto de devolver as meias aos quadrados à pobre tia avó.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Ricas prendas

  1. Festas Felizes
    Assim na Terra
    Como no Coração!

    Até sempre!

  2. Artimanha perfeita a desse alguém transgressor do habitual assalto natalicio aos shoppings na histérica obediência à “ordem para despachar” o subsídio de natal até aos ultimos cêntimos.

  3. rvn diz:

    Nuno,
    ‘justiça poética’ é das melhores definições de sempre para ‘espírito de natal’, assim que me lembre…

    boas sestas.

  4. nanni moretti diz:

    as prendas fazem parte do lamaçal de corrupção em que vivem as sociedades.alguns anos atraz trabalhava eu numa empresa,em que iamos entregar as prendas aos respectivos senhores,e umas duas situações que me recordo das muitas que vivi,por engano entregamos a prenda que era para o ministro(mira amaral)ao secretário de estado(luis filipe pereira)a prenda era igualzinha só que era maior a que foi entregue ao secretário de estado!!rsrsrsrsr a outra cena é que a secretária partiu a prenda (loiça carissima da vista alegre) e lá fomos nós levar mais uma peça carissima paga com os dinheiro de todos nós.

  5. CARLOS CLARA diz:

    Coitados… são obrigados. Se não têm prendas para dar, são rejeitados. Além de dissidentes, são quase marginalizados os que não entram nessa dança. Eu te dou a ti, tu me dás a mim. E lá vivem numa ilusão do que seria um mundo de partilha. Também não lhes é dada outra hipótese – ou mostras o dinheiro, ou não vales um caracol. Contudo, para não dar trabalho nem despesa – Toma lá uma treta qualquer, e está consumado o acto. Por vezes ainda dizem – Olha que custou muito caro!

    “Caguei” neles há tantos anos….

  6. ernesta diz:

    E chegamos ao eu este ano não há presentes para ninguém e vamos ver se é natal na mesma.
    Vai uma aposta?

  7. luis eme diz:

    O curioso é esta farsa afastar cada vez mais as pessoas, o resto do ano…

  8. Piscoiso diz:

    Houve um ano em que comprei um pacote de cartões de Boas Festas, todos iguais. Cresceu cerca de metade, que no ano seguinte utilizei.
    Alguns foram devolvidos.

Os comentários estão fechados.