Pacto de Regime

Luís Filipe Menezes pede presidência da Caixa Geral de Depósitos para o PSD.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a Pacto de Regime

  1. Menezes bate na parede todos os dias. E o PS, cresce. Infelizmente.

  2. A.Silva diz:

    O fulano depois de dizer que destruia o aparelho de Estado em seis meses,agora quer começar a destruir pela CGD.O que me espanta é ele referir-se ao Dr.Miguel Cadilhe,como se ele precisasse do Menezes para lhe arranjar emprego.Aliás eu até estranho que o mesmo ainda não tenha dito nada sobre o facto do seu nome andar a ser badalado

  3. CARLOS CLARA diz:

    Lá andam os vampiros do costume na baila. Aqui fico eu, isto toma lá para ti, mas na volta tens que meter lá quem eu quero. É para isso que serve a politica – sempre serviu. As causas que tudo asfixiam, são proteladas e as máfias somam e seguem. É um país que ninguém deseja mudar. De vez em quando faz-se algum ruído, mas logo tudo volta à ordem favorável para todos estes barões de descaramento terceiro mundista sejam eternos.

  4. joséjosé diz:

    Não há no País, no Governo, na Presidência da República, na Assembleia, na Justiça, nas Universidades, pessoas honestas que se agrupem e levantem a voz contra este estado de coisas ?

  5. ernesta diz:

    Por alguma razão que não percebo lembrei-me dos liberais e miguelistas…

  6. Carlos Fonseca diz:

    O Menezes está finalmente tranquilo. O lugar na CGD foi dado ao jovem Faria de Oliveira, profissional eléctico, detentor de uma carreira de variadíssimos desempenhos de gestor emérito, a quem a extinção do IPE rendeu alguma coisita, a administração dos HPP uns cobres, e a atribuição de lugar de topo CGD em Espanha uns tostões e ‘paz, amor e alegria’. Tudo a somar, mas totalizando pouco, porque nem mesmo o ‘Jaguar’ da CGD/HPP é despesa de significância aditiva para uma grande instituição financeira pública do género.
    Depois dos relevantes serviços prestados ao País como Ministro do Comércio cavaquista, mas amigo e companheiro de Gueterres nos banhos da Praia dos Tomates, Ministro, reforça-se, de cujas medidas ressaltam os mais de 40 milhões de contos (CONTOS E NÃO EUROS!) do MARL e de outras obras que Ministério da Economia e autarquias financiaram – na CML, por exemplo, foi o período dourado da relação João Soares / Fontão de Carvalho; depois de tais serviços relevantes, dizia, pode o Menezes dormir descansado, porque o PSD não podia encontrar melhor resolução de objectivos estragégicos de peso: ter um militante distinto na governação cimeira da CGD. E quanto ao governo PS, a ajuizar pelas declarações de Teixeira dos Santos, também viu alcançado o que almejava, i.e., realizar a escolha de um Presdiente para a CGD apenas pelas qualidades do ‘curriculum’ e sem influência de partidarites ou de quaisquer politiquices.
    Viva o ‘Grande Centrão’! O povinho que se lixe, pague os impostos e não pie, vá para o desemprego, suporte os filhos da falta de oportunidades de trabalho, e por aí adiante.
    Desculpem mas não resisto: QUE MERDA DE PAÍS É ESTE ! É o único desabafo possível de um cidadão sem filiação partidária ou militância política fora da ‘blogoesfera’.

  7. CARLOS CLARA diz:

    Não me parece problema de Centrão. é um problema de todos, o do sistema político.É também a falta de cidadania da maioria dos portugueses. Votam numa sigla e eles lá escolhem quem querem e lhes dá jeito entre eles. Da minha parte, se soubesse quem é o deputado que me representa na AR tenho a certeza que lhe atirava com tomates podres. Sei lá quem é ou onde para esse abutre.

Os comentários estão fechados.