Outubro Novembro dentro

Prosseguem no lar as comemorações do 90.º aniversário da Grande Revolução Socialista de Outubro. Em evocação dos ciclos de cinema associativos e cineclubísticos da mamã e do papá, foi oferecido às crianças (as que sobraram do pequeno-almoço) “O Couraçado Potemkine” em versão remasterizada. A cena da escadaria de Odessa serve para explicar o logro reformista e mostrar do que são capazes, nas situações limite (as únicas que verdadeiramente contam), os esbirros do poder; a cena final, a tensão entre o Couraçado e o resto da esquadra e a subsequente vitória da solidariedade proletária (“et le navire amiral battant pavillon rouge passa fier devant toute l’escadre“, c’est trop beau), reforça a confiança devida nas forças próprias e aponta o caminho do futuro. Após Eisenstein, Chostakovitch, em memória da velha fotografia do compositor-soldado no cerco de Leningrado afixada na parede do meu quarto de rapaz (lembras-te, meu irmão?): à las nueve en punto de la noche tocou a Sétima, versão Toscanini, claro, porque o ruído dos ovos a estrelar e da tosse do público é mais do que compensado pela magia do momento, e o momento era o da grande aliança anti-fascista, a partitura micro-filmada e levada pelos soviéticos até Teerão, e daí até à América, que a ouve pela primeira vez, em directo, na rádio, numa noite do Verão de 42. Oh, a Sétima de Chostakovitch! Natal é em Dezembro, mas Outubro é quando um homem quiser.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Outubro Novembro dentro

  1. O Lidador diz:

    Finalmente desmascarado!

  2. Viva também! Oh! poderes dos calendários…

  3. topisciis diz:

    …. até entendo …. mas, não subscrevo…. cada povo … cada criatura de deus k foi feito homem …. terá necessariamente o SEU DIA DE MEMÓRIA…. e os tais .. será que não podem ter ….. ?

    ha todos os dias .. dias de memória junto à campa ( santa comba dão ) do tonito filho do feitor do Vimieiro…. dos… e fazem-se felizes ..

  4. CARLOS CLARA diz:

    A cena da escadaria de Odessa é uma das belas cenas da historia do cinema. que terão pensado as criancinhas que sobraram do pequeno-almoço sobre essa mesma cena?! espero que tenham interpretado como uma luta entre insurrectos e malfeitores.

  5. bom de facto não é bem comentário. passei por esta leitura fim de noite/matinal e pergunto só: amanhã já temos ‘post de autor’?. Boanoita/bomdia!

Os comentários estão fechados.