Perguntas de dez milhões

O primeiro-ministro, José Sócrates, disse com um ar sábio que se a deputada do CDS/PP, Teresa Caeiro, estava preocupada com a vacina de prevenção do cancro do colo do útero, deveria  tê-la incluído, durante o governo do PSD/CDS, no Plano Nacional de Vacinação. Alguém lhe explica que a vacina só está disponível há menos de um ano?

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a Perguntas de dez milhões

  1. LR diz:

    Fará 1 ano dia 19 de Janeiro,

  2. teresa diz:

    Não vi o debate. Alguém lhe explicou?

  3. lima diz:

    Essa parte não constava do relatório do SIS…

  4. Nuno Ramos de Almeida diz:

    A própria tentou, apesar do regulamento não permitir corrigir o sr primeiro-ministro, mas a reacção do hemiciclo foi do tipo: porque está esta mulherzinha a incomodar sua excelência com essas minudências. Colo do tutu? O que é isso?

  5. teresa diz:

    Vou querer ler o regulamento da AR porque se realmente é como está a dizer deve ser melhor que um livro do Tom sharpe…

    A ser assim acho que os nossos primeiros deviam poder trocar de nome aquando do fumo branco e passarem a chamar-se qualquer coisa como Gregório XII…
    (bem, o Pedro podia ficar Pedro que sobre ele já se construiram igrejas e podiam continuar a construir-se. Com várias capelinhas, de preferência.)

  6. Ela própria explicou-lhe depois.

  7. Pingback: Blogging « Farmácia Central

  8. rvn diz:

    Aprende, nuno. Nunca devemos deixar que a verdade estrague uma boa oportunidade de fazer figuras tristes. E por favor, tenta mostrar um pouco mais de respeito pela demagogia do nosso primeiro.

  9. Mas a Prevenar podia. Só que, nessa altura, essa não era uma das preocupações da senhora deputada.

  10. CARLOS CLARA diz:

    Essa não percebi. A da senhora deputada. Por um lado tão preocupada com os gastos do estado, com a maralha, claro. Por outro lado tão preocupada com o colo do útero da maralha. Aquilo era por acaso para privatizar?

Os comentários estão fechados.