Eu explico:

Sugestionado pelo “choque tecnológico” do Eng.º Sócrates, para ajudar um velhinho do Norte em dificuldades financeiras ou simplesmente para me vingar da TV Cabo (o pior serviço do mundo), aderi há uns meses à triple play da Sonaecom e passei a ter telefone fixo, televisão e net tudo junto. Quando funciona, a coisa faz-me poupar à volta de quinze euros por mês; quando não funciona, deixa-me com contas de telemóvel que são largamente superiores a todas as poupanças que permite. Ora desde quinta-feira passada que a coisa não funciona. A F. (não confundir com a f., chama-se Francisca e não Fernanda e tem 16 anos e não 24, como a minha colega de blogue) ficou sem a Fox e o Dr. House, a minha mãe ficou sem o meu telefone fixo para me fazer chamadas baratinhas fora de horas e eu fiquei sem internet: daí o meu abjecto silêncio dos últimos dias. Não falando já das saudades dos meus queridos comentadores, deixei por dizer coisas importantíssimas: li há pouco tempo um livro muito engraçado da Lynn Hunt chamado The Invention of Pornography e queria expender umas considerações pseudo-cultas sobre esse tema de que gosto quase tanto como de futebol: o sexo, e reli mais recentemente ainda umas aleivosias de Berlin sobre Rousseau e a sua “vontade geral” que gostava de pôr em paralelo com o que (de muito melhor) escreveu sobre o assunto Ernst Cassirer mas não tive como, porque fiquei sem rede (literalmente) e caí portanto sem estardalhaço no buraco fundo do silêncio. Escrevo-vos neste momento clandestinamente, roubando à entidade patronal os minutos que levam a dar esta explicação, que para ser dada me deixará também sem almoço (e Céus!, como eu gosto de almoçar!); mas mal a tecnologia se recomponha – está prometido – farei desaguar nos vossos PC’s torrentes de elevados pensamentos. Até breve.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

18 respostas a Eu explico:

  1. já tou a arfar de expectativa, tanto quanto os meus 24 aninhos, mais concretamente 21,5 em cada minúsculo pezinho, me permitem.

  2. rvn diz:

    antónio,

    gostei de saber.
    por favor diga à Francisca que está tudo bem com o Dr. House. Vi-o ontem. Continua coxo, mas tá numa boa.
    rvn
    (ah, é verdade: não tem fotos, o livro da Hunt, certo?

  3. Ana Matos Pires diz:

    Deus seja louvado, caro amigo, que o encontro de boa saúde.

    E tu tem cuidado, f., não pressiones o António, olha que ele pode enervar-se e, sem rede, ainda te acusam de alguma coisa, de cometeres eutanásia, ou assim.

  4. ezequiel diz:

    Torrentes? Boa! Vamos lá cidadão!

    dois belos livros, prefiro o de Berlin, evidentemente. Os neo-kantianos assustam-me mais do que a pt e o seu monopólio (de facto )…eh eh 🙂

  5. Ana Matos Pires diz:

    Hummmm, acho que o rvn está a tentar decidir se há-de oferecer o livro da Hunt à Maria Marques, não?

  6. Luís Lavoura diz:

    a f tem 42 anos de idade? eu já calculava. é 2 aninhos mais nova do que eu, a moça.

  7. rvn diz:

    ana,

    deus seja louvado, deus seja louvado!

    f,
    contas da lavoura?

  8. ó professor doutor luís lavoura, então. 21,5×2 dá 42? eu creio bem que não.

  9. carmo da rosa diz:

    ‘ó professor doutor luís lavoura, então. 21,5×2 dá 42? eu creio bem que não.’

    Quando se trata de mulheres a aritmética é outra: 21,5×2 não dá 42, e muito menos 43, mas 39…

  10. carmo da rosa diz:

    ‘(…) queria expender umas considerações pseudo-cultas sobre esse tema de que gosto quase tanto como de futebol: o sexo,’

    Ora aqui está uma pessoa por quem nutro à primeira vista e sem conhecer uma grande simpatia. O sexozinho é realmente importante mas nunca acima da Santa Bolinha…

  11. Essa obra fundamental da cultura ocidental que é o “American Pie 2” (que vocês, ignaros, desconhecem) explica bem as diferenças entre as aritméticas masculina e feminina (mas mais aplicada ao número de parceiros sexuais do que à idade).
    Volta em breve, António. E até lá não te furtes a roubares minutos à entidade patronal – se eu não fizesse isso não blogava!

  12. M. Abrantes diz:

    TV Cabo, o pior serviço do mundo. Alguém o diga. Nunca vi nenhuma empresa caprichar tanto em desrespeitar os clientes. Sem vergonha.

  13. Sergio diz:

    Seja lesto!

    Até,
    Sérgio.

  14. Ana Matos Pires diz:

    Vê, rvn, agora até já é deus e tudo, não é? Primeiro era o rato a passar por cima de não sei quê, depois esforçou-se imenso para tentar fazer um desenho de molde a que (ai o que eu gosto desta expressão!) tudo se tornasse mais compreensível, assim mais fácil de assimilar, num terceiro tempo vem tirar nabos da púcara, perguntar ao António se o livro da Hunt é ilustrado e coiso, e agora “deus seja louvado”??? Vendido.

  15. rvn diz:

    «Deus seja louvado, caro amigo, que o encontro de boa saúde.»
    Your words. Not mine.

  16. RAF diz:

    Eu estive quase a vingar-me da TV Cabo, mas um passarinho disse-me baixinho ao ouvido que o serviço Clix dificilmente iria funcionar em condições até o produto atingir uma certa maturidade. Tenho ouvido várias queixas, pelo que, para já, prefiro continuar com o pior serviço do mundo, qualquer um que seja prestado pela PT. Mas só para a televisão, pois fixo, desconheço o que seja, e internet, é Kanguru (estou quase, quase, limpo da PT, só falta mesmo o cabo).

  17. Ana Matos Pires diz:

    Ai é, rvn? Pois então cá vai: macaquinho de imitação.

  18. …e há quem espere!…

Os comentários estão fechados.