Um pequeno avanço para a Presidência, um grande recuo para a Europa

Não custa perceber a vantagem de estabelecer algum tipo de correspondência entre a realidade política e económica da União Europeia que resulta da sua passagem a 27 membros e a sua expressão institucional. Por outras palavras, o grande alargamento da U.E. a leste justifica, se não necessariamente o seu paralelo aprofundamento, pelo menos a melhoria dos seus mecanismos institucionais. Para utilizar uma frase do passado (dos velhos tempos do Mercado Comum), o gigante europeu não deve, pela falta de progresso na frente da reforma institucional, ser reduzido a um anão político.

Sucede, porém, que, para o melhor e o pior, a Europa já não é apenas e desde há muito um reduto de burocratas. O alargamento progressivo das suas competências foi acompanhado pela consolidação, igualmente progressiva, de mecanismos de participação e controlo democráticos da actividade das Instituições da U.E. e a democracia não implica só a possibilidade de dizer que sim: como o “chumbo” dinamarquês ao Tratado de Maastricht deixou claro, obriga a saber ganhar o eleitorado e a saber escutá-lo – respeitando-o também de cada vez que diz não.

Mas esta lição, na aparência evidente e velha já de quinze anos, não parece ter sido aprendida. A prova está na forma como a Europa (leia-se: as Instituições europeias e os governos nacionais) reagiram ao chumbo do projecto de Constituição europeia pelos eleitorados francês e holandês e como se propõem avançar com o Tratado Reformador, agora chamado “de Lisboa”, aprovado há dias pelos Chefes de Estado e de Governo dos 27.

Porque sejamos claros: entre um projecto e outro, as diferenças são muito mais de forma que de fundo. O novo Tratado não se proclama uma Constituição, emanada de um hipotético poder constituinte europeu, não institui como aquela um hino e uma bandeira da Europa nem utiliza o seu vocabulário e simbologia federalistas; não obstante, conserva as principais disposições operativas do projecto de Constituição, nomeadamente as que se prendem com a forma de tomada de decisões e com o direito de voto dos Estados-membros. Mais ainda: porque não ambiciona consolidar os Tratados existentes e antes se adiciona a eles, o Tratado resulta num texto acessível apenas aos especialistas e praticamente ilegível para o cidadão comum.

As diferenças substanciais são portanto poucas, se comparadas com as mudanças formais; mas são estas que justificam aquilo que, na prática, mais distingue a “chumbada” Constituição europeia do Tratado de Lisboa: é que enquanto aquela justificou em muitos países o recurso ao referendo para a sua ratificação, este, a pretexto da menor ambição dos seus propósitos, deverá ser submetido apenas a ratificações de tipo parlamentar (onde, quase por definição, não são esperadas surpresas), nomeadamente em alguns dos países que antes usaram o referendo, como a França (ou prometeram usar, como Portugal). Ou seja: como perderam a batalha da ratificação por via referendária, as Instituições da U.E. e os Governos dos seus Estados-membros alteraram a forma do texto que queriam ver aprovado (mantendo o essencial do seu conteúdo) apenas para poderem ratificá-lo por via parlamentar, ultrapassando este escolho política, não porque souberam ganhar os eleitorados pela sua argumentação, mas tão somente porque os colocaram fora de jogo e lhes negaram a possibilidade de participar directamente no processo de ratificação.

Parece evidente que a margem de manobra de Portugal nesta matéria era mais do que reduzida e que da Presidência fez o que lhe competia, preparando (eficazmente) o projecto de Tratado que o Conselho Europeu lhe encomendara, por inspiração dos grandes Estados. Mas o pequeno avanço da nossa Presidência não deve ocultar o grande recuo que o processo de integração política da Europa – que se confunde necessariamente com o construção de uma Europa democrática – sofreu em todo este lamentável processo, nem obscurecer o facto de que a escolha dos dirigentes da União foi a pior e não pode deixar de ter consequências a prazo. Para conseguir um pequeno ganho hoje, a U.E. arrisca-se a ter um prejuízo bem maior amanhã, pois mostrando que receia o voto dos seus cidadãos, a U.E. afasta-se deles ainda mais.

(Publicado na revista “Prémio” de 19 de Outubro, actualizado)

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 Responses to Um pequeno avanço para a Presidência, um grande recuo para a Europa

Os comentários estão fechados.