Nuno Brasillach Ramos de Almeida

Pior que um jdanovista primário só um anti-jdanovista primário. Esqueçamos a Academia sueca, o Nobel, o Pedro Mexia, tutti quanti: estarás tu a dizer, ó Nuno, que se a forma é bela o fundo vem junto e tem sempre de se aceitar? (Sim, porque dizer que um autor é de “direita” ou de “esquerda” se nem essa direita nem essa esquerda se vêem naquilo que escreve é mais do que uma irrelevância, é uma forma muito de direita mesmo de distinguir a direita da esquerda, porque é uma simples estetização da política.) Nuno, isso não é verdade e mesmo um reaccionário (frequentável) como o velho De Gaulle soube dizê-lo quando um conjunto de almas sensíveis lhe foi pedir que comutasse a pena de morte ao Brasillach (e se escrevia bem, o Brasillach!); disse que se ele escrevia assim tão bem mais culpas tinha pelo que escrevia, porque tinha mais “responsabilidade”. E a menos que na vida valha tudo e o seu contrário, a literatura não é de facto uma pura irresponsabilidade.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 Responses to Nuno Brasillach Ramos de Almeida

Os comentários estão fechados.