Whisper Not

A escolher um standard de jazz (uma operação um bom bocado estúpida, talvez, mas a malta adora concursos, vencidos e vencedores, está na ordem do dia) com facilidade escolheria o dramático, empolgante, dilacerante Whisper Not, de Benny Golson. Tenho uma particular queda pela versão do Roy Hargrove, que ouvi no S. Luís há quase vinte anos (e que tenho em disco, confesso, e que acabei de ouvir pela nãoseiquantagésima vez, razão pela qual me lembrei de vir agora chatear-vos com o assunto), mas descobri duas outras no Youtube (que tem algumas 25) que também me parecem engraçadas: uma versão cantada, que parece uma produção doméstica e vale pela genuinidade, e uma outra pianística, assaz convencional, mas que ajuda melhor quem não conheça esta belíssima melodia a gravá-la na memória, comme il se doit.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a Whisper Not

  1. barbara gil diz:

    Bom dia. E obrigada. por este jazz às 08. da madrugada.

  2. António Figueira diz:

    Bom dia. De nada.

  3. G. Marques diz:

    Irra; por fim, alguém que por aqui escreve bem e com interesse. Mandem lá a senhora das minúsculas pró DN.

Os comentários estão fechados.