Ela é que sabe (Manuela Ferreira Leite e a debandada das elites)

Ontem ouvi o Professor Marcelo Rebelo de Sousa opinar sobre os resultados das directas social-democratas. E explicar que Manuela Ferreira Leite, apoiante de Marques Mendes aquando da sua primeira eleição para a Presidência do PSD, quis manter-se à parte. Pudera! Ela é que sabe. Ao contrário do que profetizou Paula Teixeira da Cruz – com quem mantenho um quinzenal frente-a-frente no Correio da Manhã, e na discordância encontro cordialidade – as elites não debandariam em caso de vitória de Luís Filipe «Viva Portugaia» Menezes: as elites debandaram antes mesmo da temida vitória. Não foi só Manuela Ferreira Leite; não foram só os barrosistas, santanistas (parece que nem todos com LFM), a velha elite conservadora e polida. Ante as alternativas e o que o Partido Social-Democrata, com algum determinismo, passaria a ser, as elites debandaram logo no início. Manuela Ferreira Leite e qualquer militante com direito a cartão especial, com a devida referência no canto superior direito a «Militante de Elite», já estavam a milhas, na sexta-feira passada.
Não sendo possível senão concordar com Mário Soares, quando afirmou, no sábado, que a desgraça se abateu sobre a política nacional, não posso deixar de discordar quanto ao referente temporal que utilizou: há muito que o país deixou de ter no PSD uma oposição «séria, forte e estruturada» (e cito).

Sobre Marta Rebelo

QUINTA | Marta Rebelo
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

12 respostas a Ela é que sabe (Manuela Ferreira Leite e a debandada das elites)

  1. António Figueira diz:

    Cá para mim, mais q a Dr.ª MFL, foi a Dr.ª PTC quem ajudou melhor a causa eleitoral do Dr. LFM: quando ameçou que as “elites” (nas quais imodestamente se incluiu) abandonariam o PSD em caso de vitória de Menezes, convidou de facto o militante médio do Partido a votar nele; de facto, para q serve o voto secreto, nestes tristes tempos de crise de representação, senão para “dar uma lição” e humilhar “os q lá estão”?

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Bom post, Marta.
    Acho o assunto muito interessante. A vitória de Menezes no PSD fez-me lembrar quando o bigodes (AKA Jorge Gonçalves) ganhou as eleições do Sporting: uma espécie de movimento telúrico do povo de baixo a dar cabo do clube da “elites”. É interessante ver que o encostar do PS ao centro, copiando o modelo britânico, contrapõe-se o desejo de afirmação populista à la Sarkozy da nova direita…uma espécie de tentativa de conseguir uma identidade diferente no mercado eleitoral.
    Até 2013, vamos ver no que isto dá.

  3. carlos fonseca diz:

    O espaço do PSD está tomado pelo PS do Eng.º Sócrates – além da postura de grande inchaço de quem detém e quer conservar o poder, os compromissos com a UE, inerentes às contas públicas, obrigam à execução de políticas até aqui sob a égide exclusiva do centro-direita, ou seja do PSD. Os notáveis de qualquer partido, sobretudo do PS e do PSD, sabem bem, e intuem ainda melhor, que o acesso ao poder é muito facilitado pelos deméritos do opositor que lá se encontra – e não fácil, nem sequer possível, a esses notáveis demonstrar que fariam diferente. Esgotada a hipótese do demérito contrário, a luta é muito mais complexa, sobretudo para quem o reumatismo de elite já pesa e não soube preparar a tempo herdeiros de confiança. O poder atrai absolutamente !
    Com este jogo de comportamentos, ou LFM assume o papel de populista até às últimas consequências e coloca-se entre o PC e o PS, ou então, se lhe derem tempo, será arrastado numa enxurrada laranja regada com elixir rosa. E o PSD ? Ressurgirá daqui a uns anos.

  4. Nas eleições de 2009 ( legislativas), haverá surpresas. O PS não terá maioria absoluta. Este vai ter de optar por um acordo pós-eleitoral com o CDS ou com o BE.

    Curiosa alternativa.

  5. a MRebelo

    Infelizmente quase tudo o que escreveu está certo; felizmente há qualquer coisa errada.

    Discordo de si quando dá razão a Mário Soares e a mais um ‘vem aí o lobo mau’ dos dele.

    Há já muitos anos que, volta não volta, MS diz que vem aí um grande perigo. Depois as coisas que acontecem e não veio perigo nenhum. Por exemplo, disse que vinha aí um grande perigo quando Sá Carneiro ganho em 1979. Não veio perigo nenhum, apenas aconteceu que nesta III República verificámos que cabíamos todos, ao contrário do que tinha acontecido nas duas anteriores.

    Quando Cavaco ganhou, também vinha aí um grande perigo. Não veio. Portugal conheceu os 10 anos de maior desenvolvimento económico dos últimos 30.

    Recentemente, com a eleição de Cavaco para PR, também vinha aí um grande perigo. Ainda ninguém percebeu onde possa estar o perigo de Cavaco ser PR, ainda que não se goste dele.

    Agora MS diz outra vez que vem aí um grande perigo; desta vez é LFM. Mas não vem aí perigo nenhum, pelo menos do tipo que ele antecipa. Apenas vem um grande grande problema para Portgal, isto é o PSD ‘socratizou-se’.

    Pobre Portugal.

  6. joséjosé diz:

    “O que não acontece num século, acontece num segundo…) 2013 ? Não será prolongar por muito tempo a vida do “doente” ? Veja Nuno como quase todos os brilhantes comentadores e “fazedores” de politicos do “regime” ( Magnos, Delgados, Marcelos, etc.) se enganaram nas suas certezas…
    … só falta marcar um golo e montar o autocarro á frente da baliza, isto para utilizar a linguagem futebolistica que tanto “gosta”.

  7. Ana Matos Pires diz:

    Concordo contigo, Marta, mas não consigo deixar de questionar se a eficácia da “fórmula” que o António refere lá em cima não se aplicará, também, ao país “não laranja”. É que, paradoxalmente, a falta de ideologia que há muito caracteriza o PSD torna-o um bom case study nacional.

    Sendo verdade o que afirma, António, quem foi que mandou o LFM assumir, aqui há uns anos atrás e até às lágrimas, o seu lado populista? Sendo certo, porém, que também não era necessário o tal elitismo ser tão (re)actualizado. Ainda havemos de ouvir da boca de alguns, e passo a usar discurso directo, “estive ontem numa reunião de conspiradores onde só génios éramos uma dúzia”.

  8. menino mau diz:

    olha a marta …confesso que não li nada do que a marta escreveu ..só para saudar o regresso da marta ás lides da blogoesfera

  9. pedro oliveira diz:

    Ver, ouvir e ler os socialistas a falar assim do novo líder do PSD, só pode ser um bom sinal para Portugal.

    A folga está a acabar-se… Estavam mal habituados! É bom que comecem a trabalhar e a deixar a propaganda de lado. vão lendo os post’s da 4republica, para verem onde estes senhores socialistas nos estão a levar. Quanto mais disparates disserem em relação ao LFM, mais sapos vão ter que engolir.

  10. luis eme diz:

    Manuela Ferreira Leite consegue ser mais equilibrada e brilhante, que a maior parte dos “profetas da desgraça”, que anunciam o fim do PSD e sei lá que mais.
    Até por não estar à espera de 2009… e assumir em público, apesar da derrota, que votou em Marques Mendes.
    O cargo que ocupa(va) fez com que fosse comedida e pensasse que já chegava de “tiros nos pés”.
    A questão que levanto é esta: e se o Meneses não é o “diabo popular”, que pintam? Conhecem Vila Nova de Gaia? Vão lá passear, um fim de semana destes…

  11. carlos fonseca diz:

    A ‘partidarite’ é, de facto, uma doença grave. Tolhe em absoluto a capacidade de raciocínio aos que dela sofrem .
    Eu não tenho qualquer filiação partidária e estou tão à vontade para criticar o Sócrates, como o LFM, a MFL, o Guterres, o Sampaio, o Cavaco ou qualquer outro político de direita, do centro ou de esquerda, desde que, em meu entender, mereça um julgamento negativo deste cidadão anónimo. Quase sempre, o mais complicado, para mim, é por quem e por onde começar. O acervo de oportunistas, incompetentes e desonestos é enorme. Além disso, é um acervo bastante acerbo.
    Na qualidade de não partidário – não confundir com anti-partidário – acho piada a certas posições aqui expressas por PSD’s indefectíveis a propósito dos “méritos” de LFM e da ameaça que ele representa para o socialismo de Sócrates – antes assim fosse. Então aquela de conhecer Vila Nova de Gaia é uma pergunta quase letal. De facto, se não conhecemos, ficamos, pelo menos, estarrecidos. Gaia é o paraíso mais recente na Terra, criado por Meneses, o ‘Divino’. E as contas da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia ? Estão num livro secreto ?
    Já agora organizemos uma excursão a Gaia, Gondomar e Felgueiras, porque, a estas localidades, nem Bever Hills lhes chega aos pés.
    Oh pessoal laranja: o LFM é uma estrela (de)cadente e a MFL, como alguns outros, está em avançado estado de pré-reformada, completamente incapaz, portanto, de ser um activo para o futuro de Portugal.
    A propósito ‘Viva o RIBAU !!!!!!!!!’ (Gosto deste nome para marca de qualquer produto: do vestuário ao calçado, do queijo ao vinho, da limonada à cola, até do creme dermatológico a outros produtos de beleza ou de farmácia, é uma designação de referência). Até podíamos criar em Gaia a Praça do Ribau (‘Ribau Square’ para os britânicos que a visitam). Vila Nova de Gaia, por muito divinizada que esteja, com a Praça do Ribau atingiria mesmo o nirvana.

  12. CARLOS CLARA diz:

    Ia comentar o assunto, mas desisto. Não tem ponta por onde se lhe pegue. É tudo tão mau e com exemplos passados tão tristes que me demito. Só lembrar que este tipo de populismo funciona na grande parte da sociedade portuguesa dá arrepios… LFM e Ribaus? Já agora tragam o Soba das ilhas. Depois, só pensar que de qualquer modo, um dia os Laranjas voltam, dá-me vontade de emigrar. Se não forem estes, quem serão? Os outros, outra vez? Oh!……. não! Na próxima fecho-me num quarto escuro, já que da outra apanhei uma depressão!

Os comentários estão fechados.