O sotôr

Todo o licenciado em história será sempre, ipso facto, um historiador? Todo o licenciado em filosofia, um filósofo? Em sociologia, um sociólogo? Deve ser; porque se não, onde sociologará Alberto Gonçalves, o colunista do DN que remata aos domingos a sua coluna com essa nobilitante menção, “sociólogo”? Desconhece-se; os azares da vida podem tê-lo conduzido a uma qualquer outra profissão – e o trabalho honesto, seja ele qual for, não faz cair os parentes na lama a ninguém – mas Alberto Gonçalves não faz concessões: se cursou sociologia, não interessa aonde, assina sociólogo. Repare-se que outra das recentes aquisições da “Opinião” do DN, o nosso muito caro João Miranda, assina “Investigador em biotecnologia”; é uma profissão, não é um estatuto; mas Alberto Gonçalves não, assina sociólogo, como até poderia assinar, mais singelamente, Dr. Alberto Gonçalves. A responsabilidade destes neo-comentadores é grande: que eu me lembre, o DN da era Marcelino escovou da suas colunas de opinião, pelo menos, José de Medeiros Ferreira, Francisco Sarsfield Cabral, Ruben de Carvalho e a “nossa” Joana Amaral Dias (embora, para tranquilidade dos espíritos, tenha conservado o impagável César das Neves); impõe-se pois que os seus substitutos toquem um pouco a tudo – da política à economia, das questões sociais à vida cultural – e valha a verdade que eles não desmerecem. João Miranda, vimo-lo no passado, aborda de modo refrescante os grandes mistérios da sexualidade com aquele brin d’humour que é só seu; quanto ao sociólogo Alberto Gonçalves, trouxe do “Correio da Manhã”, onde primeiro se tornou notado, o estilo versátil e profundo chamado “do motorista de táxi”, que despacha em dez minutos as mais transcendentes questões que afligem a humanidade, com uma dose de auto-convencimento e auto-satisfação que só aqueles bravos profissionais da condução conseguem ter. Parabéns, Alberto Gonçalves! E se alguma vez se cansar de assinar “sociólogo”, pode sempre lembrar ao público que também possui o curso completo dos liceus e mesmo que, num dia já distante mas nunca esquecido, fez a alegria da família com um lindo exame da quarta classe!

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

37 Responses to O sotôr

Os comentários estão fechados.